Como fazer o dinheiro render enquanto os preços sobem?

Ativos atrelados à inflação ou mesmo ao dólar e fundos imobiliários são opções para você diversificar sua carteira neste momento

Pontos-chave

  • É preciso ter cautela, pensar em uma estratégia que leve em conta a atual situação da economia
  • O mais provável é que a inflação não se mantenha a longo prazo

Com o aumento do IPCA no mês de outubro, a inflação acumulou alta de 8,24% no ano e de 10,67% nos últimos meses – o maior índice para um intervalo de doze meses desde janeiro de 2016, quando chegou a 10,71%. Segundo Tarcísio Duarte, assessor de investimentos e sócio da Philos Invest, esse é um cenário esperado com a pandemia. “Todos os preços aumentaram, principalmente em logística e transporte. Falando de investimentos, estamos batendo muito na tecla de que esse é um bom momento para ser mais conservador”, ressalta. 

De acordo com estimativas do boletim Focus, a pressão da inflação tende a permanecer em alta. Segundo a última divulgação do levantamento, a inflação prevista para 2021 é de 9,77%, enquanto a Selic deve fechar o ano em 9,25%. “Entendo que os investidores precisam ter uma “pimentinha” a mais na carteira para longo prazo, com ativos de risco, mas é o momento de concentrar um pouco mais em renda fixa“, avalia Tarcísio Duarte. 

Ativos atrelados à inflação continuam em destaque. Uma boa opção são os títulos públicos, como o Tesouro IPCA+, que combina uma taxa prefixada com uma rentabilidade indexada à inflação e medida pelo IPCA. “É muito provável que essa inflação não se mantenha a longo prazo. Nesse caso, independentemente do que acontecer com ela, você vai ter um juro real positivo”, explica o assessor. Em linhas gerais, para ganhar da inflação, você deve ter em mente a importância de diversificar suas escolhas. 

“Uma carteira de investimentos precisa ser equilibrada em três pilares: segurança, retorno e liquidez. Você não consegue tudo isso em um único ativo. Por isso é tão importante diversificar e apostar em produtos com diferentes benefícios e prazos.” 

TARCÍSIO DUARTE, SÓCIO DA PHILOS INVEST

De olho nos fundos imobiliários

Outra opção em investimentos com a alta da inflação são os fundos imobiliários. Nesse momento, segundo Tarcísio, o ideal é optar pelos fundos de papel, já que o período ainda é nebuloso e os fundos de tijolo podem continuar instáveis. “Esses fundos não dependem dos imóveis alugados, que podem ser prejudicados por uma série de fatores. Os FIIs são bons investimentos para quem quer viver de rendimentos. Outra opção interessante e ainda nova no mercado são os fundos imobiliários do agronegócio, conhecidos como Fiagro”. 

Por fim, o assessor também destaca os ativos dolarizados, ou seja, aqueles que são cotados e negociados em dólar e que estão ligados à economia estadunidense. Em caso de piora do cenário macroeconômico, a tendência é o dólar subir. Assim, pode ser interessante ter uma parte dos investimentos em BDRs ou fundos cambiais, por exemplo. “Hoje não faz mais sentido o investidor brasileiro só ter exposição a ativos locais. Os ativos estrangeiros estão cada vez mais acessíveis, com barreiras menores”, ressalta Tarsício Duarte.


Você também pode gostar

Isabella Carvalho

Publicado em 07.dez.2021 às 18h54

Carteira digital, casamento e reforma da casa: para onde o consumidor brasileiro está olhando

Estudo mostra quais setores estão em alta e como o dinheiro está se tornando cada vez mais virtual

Direto no Bolso

Atualizado em 07.dez.2021 às 10h41

Não perca controle dos seus gastos no fim de ano

Especialistas dão dicas de como não estourar o orçamento nas festas de Natal e Ano-Novo

Valor Econômico

Atualizado em 06.dez.2021 às 08h07

Poupador não se anima com Tesouro Prefixado

Segundo o Tesouro Nacional, esses foram os papéis que menos venderam nos últimos meses

Valor Econômico

Publicado em 03.dez.2021 às 15h32

Conta de luz pode subir 19% em 2022, segundo TR Soluções

O levantamento da empresa de tecnologia, especializada em tarifas de energia, vale para os consumidores de todo o país, de 53 concessionárias de distribuição

Anne Dias

Atualizado em 03.dez.2021 às 18h39

“Meu erro é não parar para estudar mais sobre o que fazer com o dinheiro”

O filósofo Magnus Cesar Bouchardet tem uma paixão: a bicicleta. E um problema: a má organização das finanças