O que muda no Tesouro Direto com a alta do IPCA?

O cenário atual torna os títulos atrelados à Selic e ao IPCA mais atrativos. Saiba o que considerar antes de investir

Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

Pontos-chave

  • Com a alta do IPCA, títulos atrelados à inflação se tornam mais atrativos
  • A diferença entre o papel de prazo mais curto (2024) e o de prazo mais longo (2031) voltou a subir de maneira mais expressiva nos últimos dias

De acordo com o boletim Focus divulgado na primeira segunda-feira do ano (3), as projeções do mercado para o crescimento da economia brasileira em 2022 voltaram a cair, de 0,42% para 0,36%. Já a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), saiu de 10,02% para 10,01%, basicamente mantendo patamar elevado para o ano, segundo o Focus.

Em virtude da escalada da inflação, a taxa básica de juros, a Selic, deve subir novamente na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), em fevereiro de 2022. A taxa Selic, atualmente em 9,25% ao ano, deve sofrer novo ajuste da magnitude de 1,5 ponto percentual, informou a última ata do Copom, divulgada em dezembro.

Nesse contexto, o mercado de títulos públicos negociados no Tesouro Direto têm o terceiro dia seguido de alta nas taxas. Após uma subida mais expressiva no início das negociações, os juros recuaram um pouco na atualização das 11h40 desta quinta-feira.

Tesouro Prefixado

No caso do Tesouro Prefixado 2024, às 11h40, os juros oferecidos por esse papel eram de 11,51%, contra 11,65% ao ano, na abertura das negociações. Um dia antes, a taxa oferecida era de 11,47%. Com isso, o percentual pago por esse título alcançou o maior patamar verificado desde o dia 3 de dezembro de 2021.

No mesmo horário, o papel prefixado com vencimento em 2031 e pagamento de juros semestrais oferecia um retorno de 11,32% ao ano, abaixo dos 11,43% ao ano vistos no início da manhã. Os percentuais, no entanto, seguem acima dos 11,27% registrados ontem.

A diferença entre o papel de prazo mais curto (2024) e o de prazo mais longo (2031) voltou a subir de maneira mais expressiva nos últimos dias. Na atualização das 11h40, a distância entre os retornos dos dois era de 19 pontos-base (0,19 ponto percentual). Para fins de comparação, na última segunda-feira (3), a diferença entre os juros oferecidos por ambos era de 6 pontos-base (0,06 ponto percentual).

Tesouro IPCA

Entre os papéis de inflação, a remuneração real do Tesouro IPCA 2026 recuava de 5,34% para 5,28% ao ano, às 11h40. Na sessão anterior, o retorno real era de 5,21%. Da mesma forma, o papel com vencimento em 2055 e juros semestrais oferecia uma taxa de 5,52% ao ano, abaixo dos 5,60% ao ano vistos no começo do dia. No entanto, o valor é maior do que os 5,46% da sessão anterior.

No início dos negócios desta quinta-feira, a taxa oferecida pelo Tesouro IPCA 2055 chegou a se aproximar do patamar recorde oferecido por esse título que é de 5,68% e que foi alcançado em 29 de outubro de 2021. Esse papel começou a ser negociado em fevereiro de 2020.

O que você deve considerar antes de investir

Segundo Nicolas Borsoi, economista-chefe da Nova Futura Investimentos, você precisa ter em mente o prazo da aplicação. No caso dos títulos do Tesouro atrelados ao IPCA, existem os que pagam juros semestrais e os que remuneram somente no vencimento. Ou seja, se você retirar antes da hora, pode perder dinheiro. Borsoi vê atratividade em títulos de curto prazo vinculados à Selic e IPCA. “Estamos em um cenário complicado para se alongar muito no prazo da aplicação”, ressalta.

Por fim, fique de olho na diversificação do portfólio. Segundo Borsoi, não concentrar todo o investimento em um só título ou apenas na renda fixa é uma boa estratégia. Mesmo que você tenha um perfil conservador, procure reservar uma pequena parte do dinheiro em outras aplicações. “O mercado financeiro nunca é unidirecional. Ter um conjunto de ativos te ajuda a conseguir uma boa performance e diminuir os riscos.” 

Para conferir taxas e rentabilidades dos títulos públicos, você pode acessar a página do Tesouro Direto.


Investir em quê?

Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar

Redação IF

Atualizado em 26.jan.2022 às 09h26

CVM suspende corretoras; saiba como escolher empresas idôneas

Sete empresas não tinham autorização para estar no mercado: Raw Trading, International Capital Markets Pty, IC Markets (EU), Markets, KOI Global LLC, Ventura Group e Orotrader

Valor Econômico

Publicado em 26.jan.2022 às 08h18

Estrangeiro já pôs R$ 20 bilhões na Bolsa em 2022

Com ajuda de cenário externo, fluxo está positivo no ano

Lucas Andrade

Atualizado em 26.jan.2022 às 07h55

Como a tensão entre Rússia e Ucrânia pode afetar a economia e os investimentos

A deflagração de um confronto militar entre os dois países pode piorar principalmente o cenário para a inflação na Europa

Redação IF

Atualizado em 26.jan.2022 às 08h00

Afinal, o que dizem os especialistas sobre a Bolsa? Você deve comprar ações ou esperar mais um pouco?

O Ibovespa deve subir, mas com fortes emoções; veja o que levar em consideração

Redação IF

Atualizado em 26.jan.2022 às 08h10

Estudo traça perfil do investidor em Tesouro Direto; conheça o ativo

16,3 milhões de pessoas investem nos papéis do governo

Leonardo Guimarães

Atualizado em 26.jan.2022 às 08h35

Como investir no metaverso?

O metaverso não está distante de você ou da sua carteira; entenda como fazer dinheiro com ele, mas saiba que o risco de perder capital é grande

Valor Econômico

Atualizado em 24.jan.2022 às 18h02

Ações de tecnologia caem e Warren Buffett volta aos holofotes com investimentos em ativos “de valor”

Com foco em ativos “de valor”, Berkshire Hatthaway se aproxima do desempenho de fundo do Ark Invest que foi sensação na pandemia

Redação IF

Publicado em 24.jan.2022 às 14h30

Nunca tantos investidores compraram debêntures incentivadas; entenda como funcionam os títulos de dívidas privadas

Os título incentivados, voltados para obras de infraestrutura, captaram R$ 47,2 bilhões

Redação IF

Atualizado em 24.jan.2022 às 08h09

Política monetária nos EUA domina atenções da semana

Para tentar controlar a inflação dos EUA, o banco central americano sinaliza o retorno da alta nas taxas de juros – analistas avaliam o impacto na Bolsa brasileira e no dólar

Redação IF

Atualizado em 23.jan.2022 às 12h32

Alta dos juros dispara valor das dívidas das empresas; saiba como isso atinge os minoritários

Dos R$ 250 bilhões de recursos captados no ano passado por emissões de debêntures, 76% estão atrelados ao CDI

Mais lidas hoje

  1. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 26.jan.2022 às 11h26
    Ferramenta lançada pelo Banco Central permite saber se você tem dinheiro a receber dos bancos

    Segundo o BC, há ao menos R$ 8 bilhões parados nas instituições financeiras – conheça o passo a passo para fazer a consulta e saber se você é credor

  2. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 22.jan.2022 às 12h01
    Neymar compra NFTs por R$ 6 milhões; saiba como funciona esse investimento

    Craque passa a fazer parte de um clube restrito a bilionários, que têm direito a festas particulares

  3. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Publicado em 24.jan.2022 às 08h37
    Cade dá aval para Joesley e Wesley Batista assumirem controle da J&F Participações

    A J&F é a controladora do Banco Original do Agronegócio e do Banco Original

  4. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Atualizado em 07.jan.2022 às 08h27
    Conheça os fundos de investimento que lucram milhões com shows de artistas adorados pelo público

    Saiba quem são os gestores (e como são remunerados) por trás de nomes como Gusttavo Lima, Seu Jorge, Alexandre Pires, Maurício Manieri e Daniel