Ativo financeiro

Direto ao Ponto
Ativo financeiro

O ativo financeiro é o mesmo que investimento ou produto financeiro. Há diversos ativos no mercado, como ações, títulos públicos e privados, BDRs, ADRs, ETFs.

A função do ativo financeiro é te ajudar a construir, pelo menos manter ou aumentar seu patrimônio, ou mesmo gerar renda periodicamente. Todo investidor deve observar sempre a liquidez  de seus ativos, o retorno que eles oferecem, além de ter atenção à volatilidade do papel. Já em contabilidade, a palavra “ativo” significa um valor que indica quais são os bens e direitos que uma empresa possui.

Quais são os ativos financeiros disponíveis

Você pode escolher ativos que fazem parte de duas classes: a renda fixa ou a renda variável.

O que é a renda fixa?

A renda fixa funciona como um “empréstimo”. Ao aplicar neste tipo de investimento, o investidor empresta dinheiro para instituições, bancos e até mesmo para o governo. Esse valor é usado para o financiamento de projetos, pagamento de dívidas ou outras atividades.

E a renda fixa é uma boa alternativa para qual cenário? Sandra Blanco, estrategista-chefe da Órama Investimentos, te explica na Entrevista da Semana que está logo abaixo:

Na renda fixa existem os títulos prefixados e os pós-fixados. No caso dos títulos prefixados, o investidor já sabe, antecipadamente, qual será o rendimento. Para obter esse valor, ele deve manter o título até o seu vencimento. Se retirar o dinheiro antes, a rentabilidade pode sofrer variação. Tesouro Direto, CDB, LCI e LCA são alguns exemplos de títulos prefixados. 

O que é a renda variável?

A renda variável é uma classe de ativos que não tem retorno estabelecido. Ao contrário da renda fixa, na variável o investidor não consegue ter uma estimativa do quanto vai ganhar com a aplicação. Ações, fundos multimercados e fundos imobiliários são alguns exemplos de investimentos em renda variável.

Como os ativos se dividem?

Existem basicamente três grupos de ativos principais:

1. Títulos públicos

O Tesouro Direto oferece papéis emitidos pelo Tesouro Nacional e o investidor se torna credor do Governo Federal. O investimento é considerado de baixíssimo risco e, porque o pagador é uma instituição sólida como o governo, o pagamento é garantido. Por isso, esses títulos são considerados seguros. A liquidez é bastante alta, porque o governo garante a recompra, e o investidor pode começar com apenas R$ 30. O pontapé para entrar nessa modalidade de investimento é ter conta em alguma corretora de valores e estar cadastrado no site do Tesouro Direto.

2. Títulos privados

Os títulos privados são papéis emitidos por empresas privadas. Os principais exemplos são CDBs (pré, pós ou híbrido), CRI (Certificados de Recebíveis Imobiliários), CRA (Certificados de Recebíveis do Agronegócios), LCI (Letra de Crédito Imobiliário), LCA (Letra de Crédito Agrícola), debêntures, Letras Financeiras, Letras de Câmbio e Letras Hipotecárias.

Os títulos privados são investimentos de maior risco se comparados aos títulos públicos, uma vez que as empresas privadas estão mais sujeitas a crises e falências. Mesmo assim, podem ser investimentos mais atraentes uma vez que os títulos privados, em geral, visam aumentar o seu poder de compra, enquanto que os títulos públicos tradicionalmente visam manter o seu poder de compra contra a corrosão da inflação.

3. Ações

As ações fazem parte da classe de ativos de renda variável. O investidor de ações pode ganhar dinheiro (ou perder) no momento da venda. Mas ele também pode receber proventos. Basicamente existem três tipos de ações: preferenciais (seus detentores têm a preferência no recebimento de proventos, mas não têm direito a voto nas assembleias), ordinárias (têm direito a voto) e units (formadas por preferenciais e ordinárias).

A função do ativo financeiro é te ajudar a construir, manter ou aumentar seu patrimônio, ou mesmo gerar renda periodicamente. Todo investidor deve observar sempre a liquidez de seus ativos, o retorno que eles oferecem, além de ter atenção à volatilidade do papel. Já em contabilidade, a palavra “ativo” significa um valor que indique quais são os bens e direitos que uma empresa possui.

Glossário  Finanças Pessoais Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto
Pix

Pix é um meio de pagamento instantâneo, disponível a qualquer hora e dia. É gratuito para pessoas físicas, mas os bancos podem cobrar para que empresas usem o serviço. …

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
D+0, D+1, D+2

D+0 (ou D0), D+1 (ou D1), D+2 (ou D2) são prazos de resgate de investimentos, considerando apenas dias úteis. As siglas representam a quantidade de dias para o dinheiro cair na conta do investidor. …

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar 🔽

Valor Econômico Publicado em 14.ago.2022 às 14h30
Conheça oportunidades e tendências para investimentos ‘verdes’

Especialistas dizem que temas como créditos de carbono, bioeconomia e impacto social devem estar cada vez mais presentes nas discussões sobre dinheiro

íon Itaú Publicado em 13.ago.2022 às 10h00
Como os Fundos Imobiliários te ajudam a gerar renda passiva?

Veja como é possível receber "aluguéis" sem ter a burocracia de comprar um imóvel

Papo de Finanças Publicado em 12.ago.2022 às 17h15
A geração Z está saindo da casa dos pais?

Com as vacinas contra a Covid-19, os jovens estão voltando a trabalhar e socializar. Mas esse é o momento de ir morar sozinho?

íon Itaú Publicado em 12.ago.2022 às 17h00
Análise Técnica só para profissionais? “Isso é um mito”

Com poucos recursos, já é possível sentir o mercado pelos gráficos segundo o estrategista de ações do Itaú

Redação IF Publicado em 12.ago.2022 às 14h24
Aproveitando a onda dos juros altos, investidores correm para a renda fixa

Estoque de ativos cresceu 23,5% no 2º trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado

Redação IF Publicado em 12.ago.2022 às 12h10
Hapvida (HAPV3) tem forte alta; Itaú BBA destaca aumento de beneficiários

Ações da companhia estavam entre as maiores valorizações da B3 nesta sexta

Itaú Meu Negócio