Renda fixa: no que investir agora?

Segundo especialistas, é possível ganhar com os títulos pós-fixados, prefixados e ligados à inflação

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central; a autoridade tem subido os juros brasileiros (Foto: Raphael Ribeiro/BCB)

Neste fim de 2021, com inflação e juros em alta, quais são os produtos de renda fixa mais atrativos? Segundo especialistas, quase todos apresentam uma boa oportunidade, com a Selic prestes a subir para 9,25% ao ano.

“Conseguimos ganhar nas três pontas em renda fixa hoje: na pós-fixada, na prefixada e na atrelada à inflação”, diz Maurício Genistretti, sócio da HCI Invest.

Segundo ele, o o ideal é diversificar logo de cara a renda fixa nas três posições.

Ativos prefixados:

Ativos prefixados —cuja rentabilidade se contrata no momento em que se faz o investimento— de curto prazo estão pagando boas remunerações. Nesta modalidade, Genistretti recomenda CDBs de bancos médios (como Banco BMG e Banco Original) com vencimento em uma dois anos, que podem ser encontrados no mercado com uma remuneração anual entre 12% e 13%.

Outra dica são LCAs e LCIs também de um ano, como os do BTG, que, segundo Genistretti, pagam mais de 10% ao ano. Estes produtos têm a vantagem de ser isentos de IR (Imposto de Renda).

Ativos pós-fixados

Para os pós-fixados —que acompanham as variações de taxas como Selic e IPCA—, a dica são os CDBs com prazo de dois a três anos que pagam entre 116% a 120% do CDI.

Ativos atrelados ao IPCA:

Nesta modalidade, Genistretti recomenda o Tesouro IPCA+ de curto prazo. O título mais curto, com vencimento em 2026 atualmente tem uma rentabilidade anual de IPCA + 4,85%.

Longo prazo

Com as eleições presidenciais em 2022 e pandemia ainda em voga, o cenário é incerto. Nestes casos, compromissos de longo prazo não são recomendados. Fora que, quanto mais longo o ativo, mais agressiva a marcação a mercado, o que o torna mais arriscado.

“Agora a renda fixa está atrativa, estamos vendo algumas distorções na curva de juros. O juro de curto prazo está mais alto que o juro longo, até porque ano q vem devemos ter bastante volatilidade [no mercado] pelas eleições. Mas, no longo prazo, a Selic deve cair e a economia retomar”, afirma Genistretti.

Para quem quer investimentos com um prazo maior, ele recomenda CRIs e CRAs, que geralmente têm um prazo de dez anos, cuja rentabilidade gira em torno de IPCA +5,50% ao ano.

Outra possibilidade são as debêntures incentivadas de empresas sólidas, com retorno de IPCA + 5% ao ano.

Uma vantagem das três opções citadas é a isenção de IR.

“O investidor deve aproveitar o movimento atual dos juros de curto prazo. Passado a eleição, é preciso reavaliar o cenário e a carteira”, diz Genistretti.


Investir em quê?

Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar

Isabella Carvalho

Atualizado em 22.jan.2022 às 16h38

Títulos públicos de curto prazo: quais são as opções para quem tem pressa?

A escolha muda de acordo com seus objetivos. Entenda o que você deve levar em consideração

Redação IF

Publicado em 18.jan.2022 às 08h08

IF HOJE: mercados internacionais se preparam para alta dos juros nos EUA

Na volta de feriado nacional, rendimento dos títulos do Tesouro americano dispara

Globo News

Atualizado em 20.jan.2022 às 07h40

Tendências de renda fixa para 2022

Cauê Fabiano explica porque o cenário econômico incerto e juros altos tornam esse tipo de ativo bastante atraente, especialmente para quem não gosta de correr riscos

Isabella Carvalho

Atualizado em 12.jan.2022 às 18h34

Como proteger seu patrimônio da volatilidade do mercado?

Ações, renda fixa, criptomoedas e fundos imobiliários: saiba como diminuir os riscos ao investir

Isabella Carvalho

Atualizado em 09.jan.2022 às 10h06

Ações de tecnologia: é hora de investir?

As empresas do setor viveram altos e baixos em pouco tempo. Saiba por que o momento exige cautela e atenção

Isabella Carvalho

Atualizado em 07.jan.2022 às 18h34

Quando a renda fixa se torna uma cilada?

A queridinha dos investidores pode não ser tão boa assim em algumas situações

Valor Econômico

Publicado em 07.jan.2022 às 08h07

Anbima vê fluxo para renda fixa como movimento tático

Migração não deve interromper movimento de diversificação que se observava no Brasil nos últimos anos, diz diretor

Entrevista da Semana

Publicado em 05.jan.2022 às 10h05

Crédito privado é opção para diversificar investimentos em renda fixa

Já imaginou emprestar dinheiro para uma empresa para financiar projetos de infraestrutura? O convidado Daniel Pegorini explica como funciona o crédito privado na Entrevista da Semana

Mais lidas hoje

  1. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 26.jan.2022 às 11h26
    Ferramenta lançada pelo Banco Central permite saber se você tem dinheiro a receber dos bancos

    Segundo o BC, há ao menos R$ 8 bilhões parados nas instituições financeiras – conheça o passo a passo para fazer a consulta e saber se você é credor

  2. Redação IF

    Redação IF

    Atualizado em 22.jan.2022 às 12h01
    Neymar compra NFTs por R$ 6 milhões; saiba como funciona esse investimento

    Craque passa a fazer parte de um clube restrito a bilionários, que têm direito a festas particulares

  3. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Publicado em 24.jan.2022 às 08h37
    Cade dá aval para Joesley e Wesley Batista assumirem controle da J&F Participações

    A J&F é a controladora do Banco Original do Agronegócio e do Banco Original

  4. Valor Econômico

    Valor Econômico

    Atualizado em 07.jan.2022 às 08h27
    Conheça os fundos de investimento que lucram milhões com shows de artistas adorados pelo público

    Saiba quem são os gestores (e como são remunerados) por trás de nomes como Gusttavo Lima, Seu Jorge, Alexandre Pires, Maurício Manieri e Daniel