CDB

Direto ao Ponto

CDB

A sigla CDB significa Certificado de Depósito Bancário. CDB é um título de renda fixa emitido por bancos. Funciona como um empréstimo a um banco com um prazo predeterminado e cuja taxa de remuneração varia de CDB para CDB.

A taxa de rendimento do CDB pode ser prefixada, pós-fixada ou flutuante, ou seja, atrelada a um índice variável, como o CDI ou o IPCA.  

O prazo mínimo de resgate e o prazo de vencimento também mudam em cada caso. Em média, os CDBs vencem em até três anos, sendo possível resgatar o investimento antes, na maior parte dos casos. 

Mas atenção: na hora de contratar este produto, fique atento se há data de carência, período no qual não será possível resgatar a aplicação. 

Como todo empréstimo, o CDB tem seus riscos. Risco de o banco quebrar, por exemplo. A vantagem é que, em aplicações de até R$ 250 mil por CPF há a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Se o investimento for superior a este valor, o excedente não será coberto. 

Como tudo começou 

O CDB surgiu na década de 1960, em Nova York. Nos Estados Unidos, este instrumento é chamado de CD (certificado de depósito) e foi criado pelo First National City Bank of New York (hoje, Citibank). A ideia era facilitar e agilizar a captação de recursos pelos bancos. 

Quanto rende o CDB? 

Depende. O rendimento do CDB varia de título para título. Os prefixados são definidos no momento da aplicação. Ele é indicado para momentos em que a Selic está em trajetória de queda. 

Já os CDBs flutuantes podem ser indicados quando o juro está subindo, já que muitos deles acompanham o CDI, que segue a Selic. Eles também podem acompanhar índices inflacionários, como o IPCA e o IGP-M

Os pós-fixados geralmente combinam uma taxa prefixada com uma taxa flutuante. 

E o Imposto de Renda? 

O CDB tem incidência de Imposto de Renda de acordo com a tabela regressiva no resgate ou no vencimento do título. Em resgates antes da aplicação completar seis meses, o imposto cobrado é de 22,5%. Para resgates e vencimentos entre seis meses e um ano, o IR é de 20%. De um a dois anos, o imposto cai para 17,5%. Depois de dois anos do investimento, o imposto no resgate será sempre de 15% sobre o lucro. 

Pode haver ainda cobrança de IOF (Imposto sobre operações financeiras) sobre o CDB, também com alíquotas regressivas, caso o resgate seja feito antes de 30 dias corridos da data de aplicação. A taxa é bem alta nestes casos, partindo de 96% no primeiro dia. Com 15 dias, é de 50%. 

Glossário  Renda Fixa Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto

Letra de câmbio

Letra de câmbio (LC) é um título de renda fixa, que pode ter rentabilidade pré, pós-fixada ou híbrida e é emitida por financeiras, que usam o dinheiro para emprestar para outros clientes.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto

Dovish e hawkish

Dovish e hawkish são expressões em inglês utilizadas pelo mercado financeiro para qualificar a política monetária de um país. Dovish, ou dove, é uma política monetária estimulativa, de juros baixos. Já hawkish, ou hawk, se refere a uma política de juros altos para conter a inflação. …

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto

LCA (Letra de Crédito do Agronegócio)

A LCA é um ativo de renda fixa, emitido por instituições financeiras públicas e privadas. Na prática, ao investir em LCA, você estará emprestando dinheiro para o agronegócio. …

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto

Plataforma de investimentos

A plataforma de investimentos é uma ferramenta pela qual o investidor consegue fazer suas operações de compra ou venda de ativos virtualmente. Você encontra renda fixa e variável, além de acompanhar o histórico das suas aplicações, e ainda tem acesso a notícias e análises.…

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar

Valor Econômico

Atualizado em 06.dez.2021 às 08h07

Poupador não se anima com Tesouro Prefixado

Segundo o Tesouro Nacional, esses foram os papéis que menos venderam nos últimos meses

Redação IF

Atualizado em 01.dez.2021 às 20h41

Renda fixa vs. Renda variável: Como avaliar riscos e oportunidades agora?

O repórter Cauê Fabiano apresenta nesta quarta-feira (1), na GloboNews, as vantagens e desvantagens destes investimentos; IF aprofunda o assunto

Redação IF

Atualizado em 01.dez.2021 às 09h08

Tesouro IPCA 2045: Estrela de novembro

O cenário atual torna os títulos atrelados à Selic e ao IPCA mais atrativos. Saiba o que considerar antes de investir

Isabella Carvalho

Publicado em 26.nov.2021 às 10h58

ETFs de renda fixa: o que são e como investir?

Acompanhando determinados índices, estes ativos podem ser uma boa opção para quem queira diversificar a carteira

Isabella Carvalho

Atualizado em 25.nov.2021 às 09h23

Títulos pré ou pós-fixados: qual o melhor caminho neste momento?

Com os juros em alta, investimentos em renda fixa voltam a ser atrativos. Especialistas indicam o que considerar na hora da escolha

Redação IF

Atualizado em 25.nov.2021 às 10h54

Saiba como funciona a Selic e sua importância para a economia brasileira

A rentabilidade dos investimentos e os juros cobrados nos financiamentos são definidos a partir da taxa básica dos juros

Leonardo Guimarães

Atualizado em 24.nov.2021 às 10h23

Dívida privada X dívida pública: quais títulos devem entrar na sua carteira

A renda fixa tem dois grandes grupos de ativos; entenda as diferenças entre os títulos da dívida pública e privada

Isabella Carvalho

Atualizado em 20.nov.2021 às 09h49

Como fazer o dinheiro render enquanto os preços sobem?

Ativos atrelados à inflação ou mesmo ao dólar e fundos imobiliários são opções para você diversificar sua carteira neste momento