Debênture

Direto ao Ponto

Debênture

Debênture é uma dívida que as empresas fazem com a sociedade para se financiarem. Este empréstimo é feito por meio de um título com vencimento, geralmente, entre dois e dez anos.

Pessoas físicas e jurídicas podem comprar debêntures e virar credores da empresa emissora. Em troca, recebem juros periódicos; a frequência e o valor variam em cada caso.

Já o pagamento do montante principal pode ser todo no vencimento do título ou de pouco em pouco, em amortizações periódicas. Há também a debênture perpétua, que não tem uma data de vencimento pré-estabelecida. 

Todas as características desse ativo devem estar descritas na sua escritura de emissão e é importante que o investidor a leia antes de comprar este título em sua corretora ou banco. 

Mas atenção: é bom que você saiba que as debêntures são menos negociadas que as ações. Ou seja: isso dá menos margem para entrada e saída do investimento.

Há um tipo de debênture que pode se converter em ações. É o caso das debêntures conversíveis. Ao fim de um certo prazo ou no vencimento da emissão, o debenturista passa a ser acionista da empresa. 

Quem pode emitir uma debênture? 

Ela não é para qualquer empresa. Podem emitir esses títulos empresas SA (sociedade por ações ou sociedade anônima) registradas na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), de capital fechado ou aberto.  

Para que serve? 

Empresas emitem debêntures para angariar capital de modo a financiar projetos de médio a longo prazo, como expansão, obras de infraestrutura, ou ainda para melhorar a saúde financeira da companhia, ampliando o capital de giro ou fazendo dívidas mais longas para pagar as que têm um vencimento próximo. 

Geralmente, as debêntures são mais baratas para as empresas do que empréstimos bancários ou demais tipos de financiamento tradicionais. 

Quanto rende? 

A remuneração de uma debênture muda caso a caso. Ela pode ser prefixada, pós-fixada ou híbrida. 

Na debênture prefixada, a remuneração é fixa e conhecida na hora da aplicação. 

Na pós-fixada, a rentabilidade da debênture acompanha índices variáveis como o CDI ou o IPCA. 

Já a híbrida combina juros fixos definidos e índices variáveis. 

Quanto custa uma debênture? 

O preço de uma debênture varia de acordo com o emissor, mas geralmente segue o valor padrão de R$ 1.000 no lançamento.  

No mercado secundário, o preço varia de acordo com a demanda, o prazo para vencimento e a remuneração do papel, além de fatores macroeconômicos, como a curva de juros, que é a precificação das apostas do mercado quanto à Selic.  

Como o mercado de debêntures não tem tanta liquidez como o de ações, o investidor pode encontrar dificuldade para vender este papel antes de seu vencimento. Pode ter que cobrar menos do que ele vale. 

A vantagem das debêntures incentivadas 

Debêntures têm incidência de Imposto de Renda, com exceção das debêntures incentivadas. Elas têm isenção de IR porque seu destino é o financiamento de projetos de infraestrutura. É uma maneira de o governo incentivar obras. 

Os riscos desse tipo de investimento 

As debêntures podem ou não ter garantias. As emissões com garantia podem ser do tipo real ou flutuante. 

A garantia real compromete bens ou direitos da empresa que não poderão ser negociados sem a aprovação dos debenturistas em eventual caso de falência ou recuperação judicial, para que a garantia não fique comprometida. 

Já a garantia flutuante dá ao debenturista preferência sobre os ativos da emissora, mas não impede que os bens desse ativo sejam negociados. 

Emissões sem garantia são quirografárias (debênture sem privilégio) ou subordinadas. Ambas não dão garantia no caso de falência do emissor do título. A diferença está na ordem de um eventual recebimento em caso de liquidação da companhia, com as quirografárias na frente das subordinadas. 

Glossário  Investimentos Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto

Mercado fracionário

O lote padrão de uma empresa listada na Bolsa de Valores tem 100 ações. No mercado fracionário, este lote é "quebrado" e o investidor pode comprar de uma a 99 ações.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto

Letra de câmbio

Letra de câmbio (LC) é um título de renda fixa, que pode ter rentabilidade pré, pós-fixada ou híbrida e é emitida por financeiras, que usam o dinheiro para emprestar para outros clientes.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto

Bancos de investimento (BI)

Bancos de investimento (BI) são instituições financeiras especializadas em operações estruturadas, emitindo ativos como debêntures, e prestando assessoria financeira, como nos processos de abertura de capital na Bolsa de Valores.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto

Direito de subscrição

Direito de subscrição é a preferência dada ao acionista para adquirir mais ações, quando uma empresa decide fazer uma nova captação (follow on).…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto

Swing trade

Swing trade é uma operação feita na Bolsa de Valores, na qual o investidor compra e vende ações em pregões diferentes, com intervalo de dias ou semanas.…

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar

Leonardo Guimarães

Atualizado em 07.dez.2021 às 19h52

O que não fazer com seus investimentos em 2022

Elaboramos dicas essenciais para 2022, que será um ano desafiador e vai exigir preparo dos investidores

Redação IF

Atualizado em 07.dez.2021 às 12h04

Poupança deve voltar a ter rendimento pela regra antiga após reunião do Copom; entenda como funciona e onde investir

Com uma Selic acima de 8,5% ao ano, poupança passará a ter retorno fixo de 0,5% ao mês + TR, ou 6,17% ao ano. Mesmo rendendo mais, aplicação segue perdendo para a inflação

Redação IF

Publicado em 06.dez.2021 às 16h17

Saques na poupança superam depósitos em R$ 12,3 bilhões em novembro

Foi o quarto mês seguido com saída líquida de recursos da modalidade de investimento

Valor Econômico

Atualizado em 06.dez.2021 às 08h07

Poupador não se anima com Tesouro Prefixado

Segundo o Tesouro Nacional, esses foram os papéis que menos venderam nos últimos meses

Isabella Carvalho

Publicado em 03.dez.2021 às 17h13

Cinco dicas para escolher um fundo de investimento

Só durante a pandemia foram lançados 3.201 fundos. Com tantas opções no mercado, você deve analisar alguns pontos para fazer a melhor seleção

Anne Dias

Atualizado em 03.dez.2021 às 18h39

“Meu erro é não parar para estudar mais sobre o que fazer com o dinheiro”

O filósofo Magnus Cesar Bouchardet tem uma paixão: a bicicleta. E um problema: a má organização das finanças

Leonardo Guimarães

Atualizado em 06.dez.2021 às 10h24

Queda de 0,1% do PIB pode mudar a trajetória da Selic e, radicalmente, a dos seus investimentos

Desaceleração do PIB no terceiro trimestre pode parecer pequena, mas o fraco desempenho da economia afeta o seu bolso

Valor Econômico

Atualizado em 03.dez.2021 às 07h41

Com loja parada, ação de grandes redes cai

Expectativas começam a ser reduzidas e investidor vem “precificando” um mês de dezembro difícil