IPO

Direto ao Ponto
IPO

Uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) é um processo em que uma empresa privada decide abrir o capital e tem as suas ações vendidas pela primeira vez em Bolsa de Valores.

A operação faz com que a companhia deixe de ter um dono específico ou um grupo restrito de sócios e passe a ter muitos acionistas, como fundos e pequenos investidores pessoa física. Como exigência, as organizações se comprometem a divulgar balanços financeiros periodicamente e devem seguir regras de transparência e de boas práticas de gestão.

Qual a vantagem para uma empresa abrir capital e ter acionistas?

Você pode se perguntar: se está tudo indo bem, por que uma empresa abre capital, então? Vamos usar um exemplo recente: a entrada do Magazine Luiza no mercado acionário. Em um cenário de incertezas e de desaceleração do consumo, a rede fundada em 1957 em Franca (SP) deu um salto com os recursos levantados em seu IPO, realizado em abril de 2011. Turbinada com o dinheiro dos sócios recém-chegados, a empresa de Luiza Helena Trajano investiu na abertura e reforma de lojas, fez aquisições de concorrentes e, de olho no avanço do comércio eletrônico, expandiu suas operações, ganhou capilaridade para acelerar as entregas e construiu um caixa sustentável para inovar e se antecipar às transformações tecnológicas. Se outras tradicionais varejistas ficaram pelo caminho anteriormente (Mesbla, por exemplo), o Magalu teve uma valorização astronômica desde então, virou uma gigante nacional e deu muito retorno aos investidores.

Por onde se começa?

O primeiro passo para uma companhia que planeja o IPO é se transformar em sociedade anônima (SA). Um banco de investimentos é contratado para alinhar as burocracias – e são muitas -, fazer o escrutínio da saúde financeira da firma, promover ajustes na mentalidade do comando e as adequações às regras do mercado. O suporte é necessário para definir se a abertura de capital é viável, quando poderá ocorrer, o total e o tipo de ações que serão emitidas e principalmente o preço dos papéis e quanto de recursos a empresa poderá captar. A assistência ainda é primordial para estabelecer como o dinheiro levantado será aplicado. Pode ser para recompensar financeiramente os fundadores, pagar dívidas, consolidar a credibilidade no setor, mas o principal motivo costuma ser para expansão – abrindo novas unidades ou incorporando rivais -, melhorar a infraestrutura ou ainda para apressar o processo de inovação.

Vencida essa longa, cara e árdua marcha, a empresa precisa se registrar como companhia aberta no órgão que controla o mercado em que ela pretende fazer o IPO. No Brasil, a regulação é feita pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O mesmo papel é desempenhado nos Estados Unidos pela Securities and Exchange Commission (SEC). Organizações nacionais naturalmente preferem ter seus papéis listados na B3, a Bolsa de Valores de São Paulo. No entanto, as empresas nascidas já em um ambiente digital podem optar por fazer a listagem na Nasdaq, Bolsa americana que reúne gigantes da tecnologia, como Apple, Microsoft, Facebook e Google.

Ilustração traz representação abstrata de um IPO: a oferta pública inicial de ações de uma empresa
– Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

O período que antecede o IPO é marcado por muita expectativa e avaliação por bancos, corretoras, casas de análises e a mídia especializada em geral. A empresa divulga um prospecto de oferta, um documento para contar a sua história, seu negócio, área de atuação e outras informações pertinentes para tentar seduzir e convencer os investidores de que ela é uma boa aposta para ter na carteira. As ações ficam disponíveis para reserva às vésperas da esperada estreia na Bolsa. Essa movimentação prévia é que vai marcar o preço inicial do papel e o total de dinheiro que irá para os cofres da companhia. As bolsas tradicionalmente recebem com festa as novas companhias listadas, tendo como gesto mais simbólico o famoso toque da campainha que abre o pregão inaugural quando ela passa oficialmente a ser negociada.

Quatro fatos para entender a importância do IPO

  1. A Saudi Aramco detém o título de maior IPO já realizado no mundo. A estatal de petróleo da Arábia Saudita levantou US$ 25,6 bilhões em sua estreia em Wall Street, em dezembro de 2019;
  2. O recorde nacional pertence ao Santander Brasil. A subsidiária do banco espanhol captou R$ 14,1 bilhões em outubro de 2009;
  3. 2007 foi o ano com o maior número de IPOs no país: 64;
  4. A queda dos juros básicos (Selic) nos últimos anos e o aumento consistente de investidores pessoa física na B3 têm incentivado um maior volume de aberturas de capital, o que deve fazer de 2021 o novo ano recordista de IPOs.

Glossário  Ações Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto
Blue Chip

Blue chips (ou large caps) são empresas listadas na Bolsa de Valores e que têm valor de mercado acima de R$ 40 bilhões.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Oferta hostil

Também conhecida como aquisição hostil, a oferta hostil acontece quando uma empresa ou um grande investidor toma o controle de uma companhia listada em Bolsa, comprando suas ações.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Minoritários

Acionista minoritário é aquele que tem menos de 50% das ações de uma empresa.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Mercado fracionário

O lote padrão de uma empresa listada na Bolsa de Valores tem 100 ações. No mercado fracionário, este lote é "quebrado" e o investidor pode comprar de uma a 99 ações.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Direito de subscrição

Direito de subscrição é a preferência dada ao acionista para adquirir mais ações, quando uma empresa decide fazer uma nova captação (follow on).…

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar 🔽

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

4 min
Redação IF Atualizado em 24.jun.2022 às 18h49
Ibovespa fecha semana em baixa de 1,15%; dólar alcança maior valor desde fevereiro e sobe 2,13% na semana

Moeda americana voltou a superar R$ 5,25 e tem 4ª semana consecutiva de alta frente ao real

3 min
Papo de Finanças Publicado em 24.jun.2022 às 17h04 Duração 8 min.
Como ter segurança nos investimentos?

Você está se sentindo aflita com tanta instabilidade na economia? Nina Silva explica o que fazer em momentos tão tensos

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

3 min
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 14h46
Ataque hacker leva US$ 100 milhões em criptomoedas

Furto aconteceu na Horizon, ponte blockchain de finanças descentralizadas

2 min
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

2 min
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 11h46
2 min
Manhã Inteligente Publicado em 24.jun.2022 às 11h15 Duração 19 min.
Demissões na Netflix, queda dos IPOs no Brasil, indicadores dos EUA abaixo da expectativa

O Manhã Inteligente de sexta (24) está disponível sob demanda por aqui na IF, LinkedIn e YouTube