Criptomoedas

Criptomoedas são moedas digitais que são criadas por criptografia e verificadas através de blockchain.

A “fábrica” que produz as criptomoedas é a criptografia, daí seu caráter digital. Outro item importante neste universo é o blockchain, que é um método que verifica dados e, portanto, é auditável. A ideia principal do blockchain é ser uma espécie de selo de garantia: ele comprova que a moeda ali criada é autêntica, além de evitar qualquer tipo de fraude. 

É através dele, do blockchain, que o sistema faz a mineração (vamos falar mais sobre isso logo abaixo) de moedas digitais e ainda valida quem é o dono do ativo e sua movimentação. O contrário de moeda digital é a moeda fiat, que é o dinheiro oficial usado por um país e que é impresso, como o real, o dólar e o euro. 

Veja este e outros vídeos explicando o bê-a-bá das finanças e investimentos no nosso canal do Youtube: youtube.com/sigaif

A segurança é fator primordial nesse processo. Até porque, o mercado de criptomoeda não é regulado. Não existe um Banco Central ou uma Comissão de Valores ou qualquer órgão de governo que fiscalize as operações, por isso se diz que as criptomoedas são moedas descentralizadas.  

Além das criptomoedas, existem os tokens, que são criptomoedas que dependem de outras criptos como plataforma para operar. Os tokens são criados em blockchains que já existem.

As principais criptos

Existem cerca de 4.000 criptomoedas. As mais negociadas, segundo o site de rastreamento de preços de criptos CoinMarketCap, são: 

Bitcoin

É a primeira criptomoeda criada no mundo. Ele é baseado em uma rede descentralizada, chamada de blockchain, e não depende de nenhum banco para circular. Por outro lado, não é regulado pelo mercado financeiro.

Ethereum

Ethereum é uma plataforma baseada em blockchain e que permite a programação de aplicativos descentralizados, contratos inteligentes (ou smart contracts) e transações de tokens e da sua criptomoeda, chamada Ether.

Ripple

Foi criado pelo empresário Chris Larsen, o programador Jed McCaleb e o desenvolvedor Ryan Fugger. O Ripple é um protocolo de pagamento distribuído, ou seja, é um sistema em que qualquer moeda pode ser negociada. Ele também tem uma moeda nativa de seu sistema, a XRP.

Dogecoin

Foi criada em 2013 pelos engenheiros de software Billy Markus e Jackson Palmer. Trata-se de uma memecoin, já que foi inspirada no meme “doge”, que tem como estrela um cão da raça Shiba Inu. Apesar da origem cômica, é possível investir na Dogecoin, que passou a ser vista como uma porta de entrada no mercado de criptomoedas.

Cardano

Plataforma criada em 2015 por Charles Hoskinson, que também foi um dos fundadores da Ethereum. Um dos principais objetivos da Cardano é ser uma moeda digital, assim como o bitcoin, e servir como meio de pagamento alternativo em diversos países.

Além dessas cinco criptomoedas, outros nomes também são bastante conhecidos e negociados no mercado, como Binance Coin, Tether, Solana e Polkadot e USD Coin.

Já ouviu falar em mineração de criptomoedas? 

Para entender o que é a mineração de criptomoedas, vamos usar um exemplo que você já deve conhecer: o ouro. Até que ele vire um colar, o mineral passa por um longo processo. Primeiro, é preciso ter estudos topográficos que comprovem que na região de interesse há ouro. Só depois acontecem as perfurações do solo, a extração e o beneficiamento do material encontrado. Dali ele vai para o ourives, designers e, enfim, chega nas lojas. 

Com as criptomoedas, o processo é semelhante. Primeiro, um grupo de mineradores registra as moedas no blockchain. Esses mineradores, então, dão início ao trabalho de colocar seus computadores para rastrear as moedas digitais. Validado o bloco onde há criptos, o minerador precisa correr contra o tempo para ser o primeiro a solucionar um problema numérico. Em troca, recebem mais moedas, como taxa de transação. Tudo é feito a partir de algoritmos, em altíssima velocidade e que usam funções matemáticas e criptográficas, feitas por hardwares de mineração. 

Com máquinas funcionando 24 horas por dia, sete dias por semana, a mineração demanda um alto consumo de energia. Por isso muitos mineradores transferem sua produção para países onde este custo é mais baixo. Outro ponto importante é o clima: lugares frios ajudam a evitar o superaquecimento dos computadores, que precisam ser resfriados o tempo todo. Por isso países que tenham regiões com temperaturas mais baixas como Rússia e Estados Unidos são bastante procurados pelos mineradores. 

O que são as wallets (carteiras)? 

wallet (carteira) é como o nome dado ao local onde se deixam as criptomoedas. São como carteiras de dinheiro, com uma vantagem: as moedas digitais ficam ali guardadas para que não sejam perdidas no mundo da internet, nem roubadas. Cada wallet tem uma senha e só com esta senha é que a pessoa que investe consegue usar suas moedas. Toda operação feita fica registrada no blockchain. Caso você decida deixar suas criptos na corretora, não precisará se preocupar em ter uma wallet. Mas veja: as wallets foram criadas para dar ainda mais segurança ao sistema e para que, de uma certa forma, você consiga controlar seu próprio investimento. 

O que as criptomoedas compram? 

Apesar de não existirem fisicamente, algumas criptomoedas já começam a ser aceitas como meio de pagamento, e não apenas como modo de investimento. Mas não são todas. Mais especificamente, as bitcoins são as queridinhas do comércio e do setor de serviços. Louco, né? Até que nem tanto. Na história da economia mundial, podemos observar que os meios de pagamentos vão mudando.

Foi assim que a humanidade foi deixando de lado sementes de cacau e outras commodities alimentícias, dentes de baleia, tecidos, passando até por escravos, e chegando aos metais, altamente valorizados pela dificuldade de aquisição, facilidade de transporte e por serem aceitos em diversas regiões (diferentemente de uma pele de urso, por exemplo, muito útil no Canadá, mas não no México). 

Assim, cada vez menos vemos a circulação de papel moeda, que vem sendo substituído por cartões de plástico e transações virtuais e assiste à chegada das criptomoedas. Há alguns exemplos recentes de empresas que já aceitam as criptos como forma de pagamento, como a Dell e a Microsoft. 

No Brasil, elas são aceitas desde galerias de arte (QAZ, em São Paulo, capital) a estúdios de tatuagem (Wayne Tattoo, também na capital paulista). Na Las Magrelas, em Pinheiros (bairro de São Paulo) você consegue pagar o conserto da sua bicicleta abrindo sua wallet. Já em Brasília, o Nobile Plaza troca uma noite bem dormida por bitcoins também. E em 2018, a marca Reserva passou a aceitar a moeda nas compras online.  

O que são as exchanges?

Exchange é a plataforma digital onde você consegue comprar e vender suas criptomoedas e tokens. São corretoras, mais especificamente, mas que operam unicamente criptomoedas. São elas que fazem a custódia dos ativos digitais, antes de você colocar as moedas em sua wallet. 

Você pode comprar e vender as moedas para outro investidor ou investidora? Sim, essa modalidade até tem nome: pair to pair (ou p2p), mas neste caso é impossível ter certeza da origem dos recursos, e isso pode dar algum problema futuro.  

Para evitar este tipo de risco, as exchanges surgiram no mercado, num modelo muito parecido aos das corretoras de valores tradicionais. Elas cobram taxas pela intermediação e liquidez, além de impostos.  

Como investir em criptomoedas

Corretoras ou exchanges

Uma das maneiras mais fáceis de investir em bitcoin e outros ativos é comprando direto em uma corretora de criptomoedas, também conhecida como exchange. Nesse caso, o investidor tem acesso a um portfólio de ativos e pode definir o valor do aporte, que é feito em reais e convertido na moeda digital. A maioria das corretoras já aceitam até mesmo depósitos via Pix, permitindo que investidores operem 24 horas por dia.

Para começar a investir em criptomoedas, é preciso abrir uma conta (o que, geralmente, é gratuito) e fazer a transferência do seu dinheiro para lá. Você, então, escolhe a moeda que deseja e faz a ordem de compra, que pode ter definição de quantidade e preço – e aí, quando o mercado atinge o que você determinou, a negociação é executada.

Fundos de investimento

O investimento em criptomoedas também pode ser feito via fundos de investimento. Eles funcionam da mesma forma que os fundos de multimercado, ações ou imobiliário: o investidor compra uma cota, sem se apoderar dos ativos, e um gestor fica responsável pela administração do fundo. São cobradas taxas de administração ou, em alguns casos, de performance.

Peer to peer

É a negociação direta entre duas pessoas, sem intermediários. Nesse caso, não é preciso criar uma ordem de compra, como nas exchanges, e a transferência de criptomoedas é feita de forma mais ágil e barata. Os negociadores conversam entre si e o comprador encaminha a transferência, o comprovante e o ID de envio das criptos. Em seguida, aguarda o recebimento. Apesar de mais rápida, a negociação peer to peer requer cuidados, já que os riscos de fraude são altos.

ETFs

Também é possível investir em criptomoedas por meio de um ETF (Exchange Traded Funds) disponível na Bolsa de valores. A opção é recente – o primeiro a ser negociado na bolsa brasileira foi o HASH11, lançado pela Hashdex em abril de 2021. ETF é um fundo de investimento que tem como referência um determinado índice. O HASH11, por exemplo, replica o Nasdaq Crypto Index (NCI) – que inclui outras moedas além do bitcoin. O ETF é negociado em bolsa e segue as oscilações do seu índice.

Qual o valor mínimo para investir em criptomoedas?

Comprar um bitcoin inteiro custa caro. O valor da moeda já chegou a ultrapassar mais de R$ 380 mil na sua máxima histórica. A boa notícia é que dá para comprar uma fração dessa e outras criptomoedas. No caso do bitcoin, a moeda é fracionável em 100 milhões de unidades. O valor mínimo para investir nos ativos depende da exchange ou corretora envolvida. A maioria têm valor mínimo de R$ 50.

Qual a melhor forma de investir em criptomoedas?

Não existe uma fórmula mágica ou receita de bolo para investir em criptomoedas. Por se tratar de um ativo volátil, é importante começar aos poucos. Para um perfil mais convervador ou alguém que está começando, o ideal é separar cerca de 1% ou 2% do portfólio em cripto.

Nesse caso, os riscos são menores. Este é um mercado que oscila muito, tanto para cima quanto para baixo. A recomendação dos especialistas é que você deva começar com calma, com pouco dinheiro.

Quanto vale 1 criptomoeda em real?

Por ser um mercado muito dinâmico e volátil, o valor das criptomoedas oscila o tempo todo. Em dezembro de 2022, esses são os valores, em real, para as criptomoedas mais negociadas:

1 unidadeValor aproximado
BitcoinR$ 94.118
EthereumR$ 6.989
RippleR$ 2,08
DogecoinR$ 0,48
CardanoR$ 1,64
Binance CoinR$ 1.426
TetherR$ 5,31
SolanaR$ 71,84
PolkadotR$ 27,13
USD CoinR$ 5,25

Explore mais termos
Swiper Anterior
Swiper Próximo

Direto ao Ponto Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD)

A PNAD, elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é o indicador que mostra a força de trabalho no curto, médio e longo prazos em todo território nacional e regionalmente.…

Leia Mais Ir para: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD)
Direto ao Ponto Fed (Federal Reserve)

Federal Reserve Bank (FED) é o Banco Central dos Estados Unidos e é o responsável pela política monetária daquele país.…

Leia Mais Ir para: Fed (Federal Reserve)
Direto ao Ponto Corretoras de valores

São instituições financeiras que fazem o meio de campo entre as pessoas e os investimentos disponíveis no mercado, como Tesouro Direto e a compra ou venda de ações.…

Leia Mais Ir para: Corretoras de valores
Direto ao Ponto DI

DI ou taxa DI (Depósito Interbancário) é referência para grande parte dos investimentos de renda fixa. O DI é uma média do custo de empréstimos realizados entre bancos, via CDI, que acompanha a Selic. Geralmente, o DI equivale à Selic descontada de 0,10 ponto percentual.…

Leia Mais Ir para: DI
Direto ao Ponto Open finance

O open finance é uma iniciativa do Banco Central (BC) para compartilhar seus dados entre instituições financeiras. Tudo só pode ser feito com a sua permissão. Você, então, passa a receber ofertas de tarifas bancárias, opções de investimentos e uma gama de serviços de outros bancos, sem ser cliente deles até então.…

Leia Mais Ir para: Open finance
Direto ao Ponto Blue Chip

Blue chips (ou large caps) são empresas listadas na Bolsa de Valores e que têm valor de mercado acima de R$ 40 bilhões.…

Leia Mais Ir para: Blue Chip

Você também pode gostar
Camyla Serpa Publicado em 25.fev.2024 às 10h15
Bitcoin: por que o mercado está otimista para 2024?

Afinal, quais fatores estão influenciando o otimismo na cripto economia?

3 min.
Redação IF Publicado em 23.fev.2024 às 18h21
Cripto: em correção de rali pós-Nvidia, bitcoin e ethereum caem

Preços do bitcoin dobraram nos últimos seis meses, apoiados pela aprovação dos ETFs cripto à vista nos EUA

1 min.
Redação IF Publicado em 22.fev.2024 às 18h55
Criptos sobem com perspectivas da Nvidia; Nigéria barra acesso a bolsas de moedas digitais

Analistas acreditam que um rali na indústria de tecnologia dos EUA poderia complementar o bitcoin e ajudar em alta do criptoativo

2 min.
Redação IF Publicado em 21.fev.2024 às 18h34
Cripto: bitcoin e ethereum caem em reação à ata do Fed e na expectativa por Nvidia

Chance de uma política monetária restritiva por mais tempo tende a pesar no apetite por risco e expectativas por resultado da Nvidia também pesam no humor

2 min.
íon Itaú Publicado em 21.fev.2024 às 18h20
Por que o halving do bitcoin é tão importante para a cripto economia? 

O halving é um evento emblemático que reforça a filosofia de escassez e valorização do bitcoin

Redação IF Publicado em 20.fev.2024 às 20h00
Cripto: após rali em quadro de expectativa por Nvidia, bitcoin anda de lado

Foco do mercado está voltado para a divulgação de resultados da Nvidia, que tem potencial para impulsionar o apetite por risco

1 min.
Redação IF Publicado em 19.fev.2024 às 18h11
Cripto: em dia de liquidez menor por feriado nos EUA, bitcoin e ethereum avançam

Além da aprovação dos ETFs, os criptoativos são apoiados pela força recente do mercado acionário americano, que sustenta o apetite por risco em geral

2 min.
Redação IF Publicado em 16.fev.2024 às 17h58
Cripto: limitado por incertezas sobre juros nos EUA, bitcoin oscila entre ganhos e perdas

Investidores consolidam a aposta de que o Fed será mais cauteloso no processo de relaxamento monetário, em uma semana que trouxe surpresas em leituras de inflação ao consumidor e ao produtor

2 min.
Redação IF Publicado em 16.fev.2024 às 12h13
Coinbase lucra pela 1ª vez em quase dois anos

Resultado superou as expectativas dos agentes financeiros

Redação IF Publicado em 15.fev.2024 às 18h50
Cripto: bitcoin estende ganhos e analistas já avaliam que preço pode atingir US$ 60 mil

Em meio ao contínuo avanço, analistas já consideram que o ativo pode alcançar a marca dos US$ 60 mil e se aproximar do recorde histórico perto de US$ 70 mil

2 min.
Isabella Carvalho Publicado em 15.fev.2024 às 18h03
4 criptoativos para investir no pré-halving, segundo especialista

Analista consultado pela Inteligência Financeira mostra o que deve movimentar o mercado nos próximos meses

Clique e veja mais

Caso ainda não esteja recebendo nossas mensagens, cheque sua caixa de spam e permita o recebimento dos emails da Inteligência Financeira.

Continue acompanhando a gente aqui no nosso site, pelo seu e-mail e nas nossas redes sociais. Informação é investimento!

A partir de agora, enviaremos a você as últimas notícias e análises para orientar seus investimentos com inteligência. Não esqueça de checar se nossa mensagem de boas vindas caiu na sua caixa de "Spam" ou "Promoções". Se isso acontecer, transfira a mensagem para a sua caixa de "Entrada". Obrigada!
Caso ainda não esteja recebendo nossas mensagens, cheque sua caixa de spam e permita o recebimento dos emails da Inteligência Financeira.

Verifique se o e-mail com o vídeo caiu na caixa de "Spam" ou "Promoções". Se isso acontecer, transfira essa mensagem para a sua caixa de "Entrada".

< Voltar ao site