Veja quanto renderam os seus investimentos em outubro

Com o aumento do risco fiscal com a polêmica do Auxílio Brasil, o real se desvalorizou e a Bolsa de Valores teve forte queda no mês passado

Foto: Antonio Molina/Fotoarena/Agência O Globo

Outubro foi um mês negativo para os ativos brasileiros. Com o aumento do risco fiscal devido à polêmica do Auxílio Brasil, o real se desvalorizou e a Bolsa de Valores teve forte queda.

O Ibovespa, principal índice acionário da B3, caiu 6,74% no mês passado, a maior queda mensal do ano. Até o momento, o índice recua 13% em 2021.

A aversão a risco do mercado brasileiro está relacionada ao fim do Bolsa Família e do auxílio emergencial, que se encerraram em outubro. O substituto, Auxílio Brasil, ainda não tem um financiamento definido pelo governo. O programa, que é maior, depende de mudança no cálculo do teto de gastos, inclusa na PEC dos Precatórios. A proposta tem enfrentado resistência na Câmara dos Deputados, onde deve ser votada nesta quarta (3).

Investidores temem um aumento de despesas governamentais fora do teto de gastos como ele é, bem como uma eventual prorrogação do auxílio emergencial. O teto é tido como a âncora fiscal do Brasil e o seu desrespeito pode passar uma imagem de descompromisso fiscal ao mercado, o que geraria uma retirada de capital do país.

A piora no cenário fiscal elevou os juros futuros e deteriorou as expectativas para a economia brasileira. Há quatro semanas, o mercado esperava um PIB (Produto Interno Bruto) de 5,04% neste ano e de 2,57% no próximo, de acordo com dados do boletim Focus. Hoje, a estimativa é de 4,94% em 2021 e de 1,20% em 2022.

Ao mesmo tempo, a inflação segue em alta. O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de outubro ficou muito acima das expectativas: 1,2%, contra a previsão média do mercado financeiro de 0,97%. No acumulado de 12 meses, chega a 10,34%. O IPCA-15 é uma espécie de prévia do IPCA, que é o índice oficial de inflação do país.

Antes de outubro, o mercado esperava uma desaceleração da inflação, o que não ocorreu. Agora, se espera um IPCA de 9,17% neste ano e de 4,55% no próximo.

Fonte:Yubb

Foram poucos os investimentos que superaram a inflação no mês passado, segundo levantamento do buscador Yubb com base nos ativos mais populares. Apenas dólar, ouro, S&P 500, BDRs e bitcoin ficaram acima do IPCA-15. Estes ativos são, tradicionalmente, opções de defesa na carteira contra o aumento dos preços.

A maior queda do mês foi do índice de small caps (empresas pequenas) da B3, que recuou quase o dobro do Ibovespa.

Além da piora do cenário macroeconômico, há uma razão matemática para a queda das ações na Bolsa. Os juros mais altos elevam o custo de capital das companhias, o que afeta o seu “valuation”. Segundo a XP, a cada 1 ponto percentual de aumento no custo de capital das empresas, há um impacto médio de -12% sobre o preço justo das empresas que o grupo acompanha.

Já os títulos do Tesouro seguem com suas cotas desvalorizadas, o que derruba a rentabilidade. Caso o investidor os carregue até o vencimento, porém, o ganho será o contratado no momento de compra. Caso venda a cota antes, pode sofrer a perda indicada pela marcação a mercado.

Segundo analistas, o cenário tende a se estender nos próximos meses e pode complicar ainda mais nas eleições.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 12h37
Dólar opera em queda, abaixo dos R$ 4,95, de olho no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente