Benchmark

Direto ao Ponto
Benchmark

Benchmark é um termo inglês para “referência padrão”, que, no contexto financeiro, é utilizado como métrica de desempenho de um determinado ativo. Nos casos dos fundos de investimento em ações brasileiros, o benchmark costuma ser o Ibovespa, principal índice acionário do país. Já os fundos de renda fixa geralmente têm como referência o CDI.

Fora da análise de investimentos, o benchmark pode ser aplicado em diversos contextos, como um padrão a ser buscado. O uso de um parâmetro como guia é chamado de benchmarking.

Para que serve o benchmark? 

Muitas vezes um benchmark pode sintetizar desempenhos distintos de um conjunto de ativos, facilitando a leitura de mercado e a comparação entre produtos, bem como o acompanhamento de seu desempenho no longo prazo.  

Dessa forma, é preciso cuidado para escolher o benchmark correto em cada análise e contexto, já que um comparativo errôneo pode levar a uma interpretação equivocada.  

Para analisar um ativo de renda variável, o mais adequado é a comparação com o Ibovespa, que corresponde a uma média ponderada das principais ações listadas no Brasil, no mesmo intervalo de tempo. Para a renda fixa, o CDI é a régua mais adequada, já que a maioria dos ativos deste tipo no país tem a taxa DI como base de rentabilidade.  

Como tudo começou 

Acredita-se que o termo benchmark venha do século XIX, quando exércitos passaram a adotar rifles fixos em bancos (“bench”, em inglês). Ao contrário de flechas, as armas de fogo deixavam apenas uma marca (“mark”, em inglês) no ponto atingido. Juntando os termos “banco” e “marca”, formou-se benchmark. 

Mas só depois de muitos anos é que o termo passou a ser usado no meio corporativo. Nos anos 1980, a Xerox, que perdia market share, começou um levantamento para comparar seus custos de produção e as funcionalidades de suas fotocopiadoras com a concorrência. A empresa americana então viu que estava em desvantagem em relação aos pares japoneses, que tinham custos e/ou qualidades melhores e conseguiam produzir em menor tempo. David Kearns, o presidente da Xerox na época, foi quem conduziu a pesquisa de mercado e implementou uma série de mudanças para aprimorar o negócio, reduzindo os custos e priorizando o controle de qualidade. Com o benchmark, a Xerox conseguiu recuperar seu espaço e fazer frente à concorrência. O processo foi tão bem-sucedido que diversas companhias adotaram o benchmarking. 

Os benchmarks que você precisa conhecer 

No mercado de ações americano, os três benchmarks mais importantes são os índices S&P 500, o Dow Jones e o Nasdaq Composite. Por sua abrangência, eles são um termômetro do mercado financeiro global.  

As ações que compõem os índices mudam conforme o mercado evolui, para que eles se mantenham atualizados e representativos. São escolhidas as mais líquidas e representativas da Nyse (Bolsa de Valores de Nova York) e da Nasdaq.  

S&P 500 é uma abreviação de Standard & Poor’s 500, um índice que, como o nome já diz, tem aproximadamente 500 ativos — 505, para ser mais preciso — e é feito pela Standard & Poor’s, que também é responsável pelo Dow Jones. Segundo a empresa, o S&P 500 abrange cerca de 80% da capitalização de mercado disponível, o que representa aproximadamente US$ 4,6 trilhões.  

Já o índice Dow Jones Industrial Average, conhecido como Dow Jones no Brasil é um dos benchmarks mais antigos ainda em uso. Ele foi desenvolvido em 1896 e acompanha as 30 principais companhias de todos os setores, com exceção de transporte e serviços básicos, que estão representados nos seus respectivos índices: Dow Jones Transportation Average e Dow Jones Utility Average.  

O Nasdaq Composite, por sua vez, é mais amplo. Ele leva em conta quase todos os ativos listados na Nasdaq, com exceção de derivativos, ações preferenciais, fundos, ETFs (fundos de índice) e debêntures. Assim, o índice é composto em sua maior parte por ações ordinárias e ADRs. 

Como a Nasdaq reúne a maior parte de empresas da nova economia, ou seja, mais ligadas à tecnologia, o Nasdaq Composite é um termômetro para o setor.  

No Brasil, além do Ibovespa, existem outros benchmarks desenvolvidos pela B3, como o Ifix (Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários) e o SMLL (Índice Small Cap).  

Glossário  Índices Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto
Ifix

O Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários (IFIX) foi criado em 2012 pela B3 para mostrar o retorno médio dos fundos imobiliários.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Monitor do PIB-FGV

O Monitor do PIB do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre) estima mensalmente o PIB brasileiro em volume e em valor. Isso porque a base de cálculos do levantamento usa a mesma metodologia das Contas Nacionais apuradas pelo IBGE, que também faz o levantamento do PIB.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central)

O IBC-Br é divulgado todos os meses pelo Banco Central (BC) desde março de 2010. O objetivo do índice é mensurar a evolução da atividade econômica do país e ajudar na estratégia de política monetária.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Dow Jones

Dow Jones Industrial Average, conhecido como Dow Jones, é um dos principais índices acionários do mundo. Ele acompanha o desempenho das 30 principais ações listadas na Bolsa de Valores dos Estados Unidos e é um dos termômetros mais utilizados por investidores para se medir o sentimento de Wall Street. …

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
CDI

CDI (Certificado de Depósito Interbancário) é benchmark para grande parte dos investimentos de renda fixa e ainda serve como termômetro para quase todas as aplicações no Brasil. …

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar 🔽

Redação IF Publicado em 15.ago.2022 às 11h57
Minério de ferro recua 4,1% no norte da China, para US$ 104,40 por tonelada

Os preços do minério de ferro iniciaram a semana em forte queda no mercado transoceânico, em meio à inesperada desaceleração da economia chinesa em julho. O país asiático é o maior consumidor da commodity no mundo. No norte da China, o minério com teor de 62% de ferro caiu 4,1%, para US$ 104,40 por tonelada, […]

Redação IF Publicado em 15.ago.2022 às 11h52
Cosan tem Ebitda no 2º tri acima do consenso, com melhores volumes em Raízen, diz Goldman Sachs

O Goldman Sachs tem recomendação neutro para as ações da Cosan, com preço-alvo de R$ 20,40, abaixo do valor de R$ 21,03 negociado no momento na B3

Redação IF Atualizado em 15.ago.2022 às 11h47
Cemig tem 2º tri acima de expectativas apesar de pressões inflacionárias, diz XP

A XP manteve recomendação neutra para Cemig com preço-alvo de R$ 13, potencial de alta de 6,6% ante o valor negociado no momento na B3

Valor Econômico Publicado em 15.ago.2022 às 11h39
No vermelho, Natura vai enxugar a holding

Se cortes tivessem sido feitos em 2021, as despesas corporativas poderiam ter caído 40%, diz CEO global

Itaú Meu Negócio