Bolsa acumula queda de 2,6% e dólar vai a R$ 5,65; veja o que impactou os investimentos na semana

Final de outubro foi marcado por falas de Bolsonaro em relação à Petrobras e alta nos juros e na inflação. Veja mais destaques no fechamento da semana

Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Isac Nóbrega/PR)

A Bolsa de Valores brasileira amargou mais uma sessão de perdas nesta sexta-feira (29). Desta vez, a queda de 2,09% do Ibovespa, principal índice acionário do país, aos 103.500,71 pontos, foi impulsionada pelas críticas de Jair Bolsonaro à Petrobras.

“Petrobras é obrigada a aumentar o preço porque ela tem que seguir a legislação e nós estamos tentando aqui buscar uma maneira de mudar a lei nesse sentido”, disse o presidente em sua tradicional live nas redes sociais na noite de quinta (28).

A declaração se sobrepôs à notícia positiva do lucro líquido de R$ 31,142 bilhões da estatal no terceiro trimestre de 2021, que veio bem acima do esperado, e fez as ações preferenciais (mais negociadas) da Petrobras despencarem 5,90%, a R$ 27,25 cada uma. As ordinárias (com direito a voto) recuaram 6,49%, a R$ 27,67.

A mudança sugerida por Bolsonaro assusta investidores da companhia, pois impactaria em muito o seu caixa. Uma política de preços que não é atrelada ao dólar e à variação do preço internacional do petróleo pode levar a companhia, ainda muito endividada, de volta ao prejuízo.

O resultado da Vale, por sua vez, veio abaixo do esperado (lucro líquido de R$ 21,80 bilhões no terceiro trimestre de 2021) e as ações da mineradora caíram 2,84%.

Na semana, o Ibovespa acumulou queda de 2,63%. No mês, caiu 6,74% e no ano despenca 13,04%.

O dólar comercial terminou a sexta em alta de 0,41%, a R$ 5,6476. O dólar turismo está a R$ 5,810.

Na semana, a moeda americana acumulou alta de 0,34%. Em outubro, subiu 3,71%. No ano, se valoriza 8,88% ante o real.

Selic a 7,75%

Na quarta (27), o Banco Central subiu a Selic em 1,5 ponto percentual, para 7,75% ao ano, deixando a renda fixa mais atrativa. O BC sinalizou que deve fazer uma juste semelhante em 8 de dezembro, levando o juro para 9,25% ao ano.

Em alta: inflação, gasolina e desemprego

IPCA-15

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de outubro, divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta semana, ficou muito acima das expectativas: 1,2%, contra a previsão média do mercado financeiro de 0,97%. No acumulado de 12 meses, chega a 10,34%. O IPCA-15 é uma espécie de prévia do IPCA, que é o índice oficial de inflação do país.

IGP-M

A FGV (Fundação Getulio Vargas) divulgou nesta semana que o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) de outubro ficou em 0,64%, bem acima do 0,17% esperado pelos analistas de mercado. O acumulado de 12 meses desse índice, que é muito frequentemente usado para reajustar os contratos de aluguel, ficou em 21,73%.

Segundo a FGV, o que mais pesou no IGP-M de outubro foi o óleo diesel, que subiu 6,61% no mês – ainda sem considerar o reajuste anunciado no dia 25. Além de servir de referência para o reajuste de contratos, o IGP-M é visto como mais uma prévia do IPCA, embora tenha um peso maior de matérias-primas e por isso venha avançando mais rápido.

Gasolina

O preço da gasolina vendida pela Petrobras nas refinarias está mais alto desde a última terça (26), após reajuste de 7% – o que equivale a R$ 0,21 a mais.

Desemprego

Segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, a taxa de desemprego no Brasil caiu para 13,2% no trimestre móvel encerrado em agosto, uma queda de 1,4 ponto percentual em relação ao trimestre fechado em maio (14,6%). O número, divulgado na quarta (27) pelo IBGE, veio melhor que o esperado pelo mercado.

O que vem por aí

COP 26

Neste domingo (31) começa a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima de 2021. O evento reunirá representantes de 196 países na Escócia para discutir as principais ações contra as mudanças climáticas.

O objetivo é limitar o aumento de de temperatura em 1,5º C até o fim do século, mas a falta de engajamento dos dois maiores poluidores China e Estados Unidos preocupa.

O evento também irá debater o financiamento do clima de US$ 100 bilhões anuais pagos por países desenvolvidos a países desenvolvimento.

PEC dos Precatórios

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos Precatórios, que eleva o valor do Auxílio Brasil (substituto do Bolsa Família) e muda a correção inflacionária do teto de gastos, teve sua votação na Câmara adiada desta semana para o dia 3 de novembro.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%