After market

Direto ao Ponto
After market

After market é o termo em inglês para as negociações que acontecem após o fechamento do mercado. Ele também é conhecido como after hours. No caso da Bolsa brasileira, que encerra o pregão às 17h, ele acontece das 17h30 às 18h.

Nesta meia hora as opções de negociação são mais limitadas e os investidores podem operar apenas no mercado à vista e no mercado futuro de commodities. Também há limites estabelecidos pela B3 no que diz respeito aos valores por operação e de oscilação para os papéis, que não podem passar de 2%. Por CPF, há um teto de R$ 900 mil de movimentação neste horário.  

No after market podem ser negociados todos os ativos do mercado à vista, ETFs, BDRs, fundos de investimentos, e ativos do mercado a Termo e do Bovespa Mais, além do mercado de balcão organizado. Não podem ser negociados no after-market opções e demais ativos de renda fixa privada.   

Outro detalhe interessante é que é possível cancelar as ordens de compra e venda entre 17h25 e 17h30, antes do início das negociações no after market.  

Caso haja a divulgação de um fato relevante durante este horário, os ativos referentes à companhia em questão serão submetidos à leilão até o final do after market. 

Como começou o after market 

A Bolsa de Nova York (Nyse) começou a adotar o after market em 1991, quando aumentou a concorrência com as Bolsas de Valores de Tóquio e de Londres, que tinham um pregão mais longo. Inicialmente, a Nyse ofereceu uma hora a mais de negociação. 

Hoje em dia, nos EUA o after market começa às 16h de Nova York e pode se estender até 20h. O maior volume de negociação, porém, acaba por volta das 18h30. 

Premarket  

Também há o premarket ou leilão antes da abertura, que funciona entre 9h45 e 10h. Nestes 15 minutos, as ordens de compra e venda de ativos são apenas registradas pela B3 e efetuadas, se possível, após as 10h. A efetividade das operações não é garantida pois precisa haver sincronia entre as demandas de compra e venda. Outra especificidade do premarket é que as ordens lançadas durante seu funcionamento não podem ser canceladas. É o premarket que determina o preço de abertura dos ativos.  

Nos Estados Unidos, o premarket acontece entre 8h e 9h30 do EST (Eastern Standard Time), horário local de Nova York.  

Acompanhar o premarket é importante para que investidores vejam qual a tendência do pregão no dia.  

After market: só termina quando acaba  

Para determinar o preço de fechamento, há o call de fechamento, que acontece das 16h55 às 17h. Para ETFs (fundos de índice) e opções, o call de fechamento é mais longo e vai até 18h15.  

Horário de verão  

Os horários de negociação na B3 costumam ser alterados com o fim do horário de verão dos EUA. Geralmente, no início de novembro, o pregão da Bolsa brasileira ganha uma hora, se estendendo até as 18h, sem o after market.  

A mudança visa acompanhar o pregão americano, que se encerra às 16h de Nova York que, com o horário de verão americano correspondem às 17h de Brasília e, sem o horário de verão dos EUA, às 18h de Brasília.  

Nesta época, também mudam os limites de negociação de contratos futuros e de opções, que passam a acontecer das 9h às 18h30, com exceção de contratos futuros de Ibovespa e do minicontrato de Ibovespa, que param de ser negociados às 18h25.  

Em março, o horário de verão volta aos EUA e a Bolsa brasileira passa a fechar às 17h.   

É importante que o mercado de ações do Brasil acompanhe Wall Street, pois, além de ser o principal centro financeiro global, cerca de metade do volume negociado na B3 são de investidores estrangeiros, em sua maioria americanos.   

Fique de olho no relógio 

Acompanhe abaixo os horários da Bolsa:

  • Horário de funcionamento da Bolsa de Valores: das 10h às 17h 
  • Cancelamento de ofertas: das 9h30 às 9h45  
  • Premarket: das 9h45 às 10h  
  • Mercado à vista: das 10h às 16h55  
  • Call de fechamento: das 16h55 às 17h00  
  • Cancelamento de ofertas do after market: das 17h25 às 17h30 
  • After market: das 17h30 às 18h  
  • Mercado Futuro: das 9h às 18h

Glossário  Bolsa de Valores Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto
Ifix

O Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários (IFIX) foi criado em 2012 pela B3 para mostrar o retorno médio dos fundos imobiliários.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Blue Chip

Blue chips (ou large caps) são empresas listadas na Bolsa de Valores e que têm valor de mercado acima de R$ 40 bilhões.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Oferta hostil

Também conhecida como aquisição hostil, a oferta hostil acontece quando uma empresa ou um grande investidor toma o controle de uma companhia listada em Bolsa, comprando suas ações.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Acionista

Acionista é o investidor pessoa física ou jurídica que tem uma ou mais ações – ou até frações - de uma empresa.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
B3

A B3, sigla para ‘Brasil, Bolsa e Balcão’, é a Bolsa de Valores do Brasil, que está sediada em São Paulo.…

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar 🔽

Redação IF Publicado em 19.ago.2022 às 08h04
Alerta de seca na China e perdas no setor de tecnologia derrubam bolsas da Ásia

Onda de calor mais intensa em seis décadas pode prejudicar a expectativa de recuperação rápida da economia chinesa

Valor Econômico Atualizado em 19.ago.2022 às 06h40
Leilão de aeroportos arrecada R$ 2,72 bilhões em outorgas

Única interessada no bloco liderado por Congonhas, a espanhola Aena arrematou o lote com ágio de 231%. O certame também marcou a estreia da XP Asset no setor aeroportuário

Redação IF Publicado em 18.ago.2022 às 16h51
Juros futuros fecham em alta após megaleilão do Tesouro

Os juros futuros encerraram o pregão desta quinta-feira (18) em alta, na contramão dos rendimentos dos títulos do Tesouro americano

Itaú Meu Negócio