Benchmark

Benchmark é um termo inglês para “referência padrão”, que, no contexto financeiro, é utilizado como métrica de desempenho de um determinado ativo. Nos casos dos fundos de investimento em ações brasileiros, o benchmark costuma ser o Ibovespa, principal índice acionário do país. Já os fundos de renda fixa geralmente têm como referência o CDI.

Fora da análise de investimentos, o benchmark pode ser aplicado em diversos contextos, como um padrão a ser buscado. O uso de um parâmetro como guia é chamado de benchmarking.

Para que serve o benchmark? 

Muitas vezes um benchmark pode sintetizar desempenhos distintos de um conjunto de ativos, facilitando a leitura de mercado e a comparação entre produtos, bem como o acompanhamento de seu desempenho no longo prazo.  

Dessa forma, é preciso cuidado para escolher o benchmark correto em cada análise e contexto, já que um comparativo errôneo pode levar a uma interpretação equivocada.  

Para analisar um ativo de renda variável, o mais adequado é a comparação com o Ibovespa, que corresponde a uma média ponderada das principais ações listadas no Brasil, no mesmo intervalo de tempo. Para a renda fixa, o CDI é a régua mais adequada, já que a maioria dos ativos deste tipo no país tem a taxa DI como base de rentabilidade.

A análise fundamentalista de um ativo ainda está em voga? Ou num período de oscilação e incertezas é melhor optar pela técnica nos investimentos?
– Ilustração: Renata Miwa

Como tudo começou 

Acredita-se que o termo benchmark venha do século XIX, quando exércitos passaram a adotar rifles fixos em bancos (“bench”, em inglês). Ao contrário de flechas, as armas de fogo deixavam apenas uma marca (“mark”, em inglês) no ponto atingido. Juntando os termos “banco” e “marca”, formou-se benchmark. 

Mas só depois de muitos anos é que o termo passou a ser usado no meio corporativo. Nos anos 1980, a Xerox, que perdia market share, começou um levantamento para comparar seus custos de produção e as funcionalidades de suas fotocopiadoras com a concorrência. A empresa americana então viu que estava em desvantagem em relação aos pares japoneses, que tinham custos e/ou qualidades melhores e conseguiam produzir em menor tempo. David Kearns, o presidente da Xerox na época, foi quem conduziu a pesquisa de mercado e implementou uma série de mudanças para aprimorar o negócio, reduzindo os custos e priorizando o controle de qualidade. Com o benchmark, a Xerox conseguiu recuperar seu espaço e fazer frente à concorrência. O processo foi tão bem-sucedido que diversas companhias adotaram o benchmarking. 

Os benchmarks que você precisa conhecer 

No mercado de ações americano, os três benchmarks mais importantes são os índices S&P 500, o Dow Jones e o Nasdaq Composite. Por sua abrangência, eles são um termômetro do mercado financeiro global.  

As ações que compõem os índices mudam conforme o mercado evolui, para que eles se mantenham atualizados e representativos. São escolhidas as mais líquidas e representativas da Nyse (Bolsa de Valores de Nova York) e da Nasdaq.  

S&P 500 é uma abreviação de Standard & Poor’s 500, um índice que, como o nome já diz, tem aproximadamente 500 ativos — 505, para ser mais preciso — e é feito pela Standard & Poor’s, que também é responsável pelo Dow Jones. Segundo a empresa, o S&P 500 abrange cerca de 80% da capitalização de mercado disponível, o que representa aproximadamente US$ 4,6 trilhões.  

Já o índice Dow Jones Industrial Average, conhecido como Dow Jones no Brasil é um dos benchmarks mais antigos ainda em uso. Ele foi desenvolvido em 1896 e acompanha as 30 principais companhias de todos os setores, com exceção de transporte e serviços básicos, que estão representados nos seus respectivos índices: Dow Jones Transportation Average e Dow Jones Utility Average.  

O Nasdaq Composite, por sua vez, é mais amplo. Ele leva em conta quase todos os ativos listados na Nasdaq, com exceção de derivativos, ações preferenciais, fundos, ETFs (fundos de índice) e debêntures. Assim, o índice é composto em sua maior parte por ações ordinárias e ADRs. 

Como a Nasdaq reúne a maior parte de empresas da nova economia, ou seja, mais ligadas à tecnologia, o Nasdaq Composite é um termômetro para o setor.  

No Brasil, além do Ibovespa, existem outros benchmarks desenvolvidos pela B3, como o Ifix (Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários) e o SMLL (Índice Small Cap).  

Explore mais termos
Swiper Anterior
Swiper Próximo

Direto ao Ponto Renda variável

A renda variável é uma classe de ativos que não tem retorno estabelecido. Ao contrário da renda fixa, na variável o investidor não consegue ter uma estimativa do quanto vai ganhar com a aplicação. Ações, fundos multimercados e fundos imobiliários são alguns exemplos de investimentos em renda variável. …

Leia Mais Ir para: Renda variável
Direto ao Ponto Comitê de Política Monetária (Copom)

O Comitê de Política Monetária (Copom) é o órgão do Banco Central (BC) responsável por definir os juros básicos (Selic). …

Leia Mais Ir para: Comitê de Política Monetária (Copom)
Direto ao Ponto Dividend Yield

Dividend yield é a relação entre os dividendos pagos por uma empresa e os valores da ação.…

Leia Mais Ir para: Dividend Yield
Direto ao Ponto Dividendo

Dividendo é o lucro de uma empresa distribuído aos acionistas. A partilha fica a cargo dos diretores da empresa, que definem se haverá pagamento, qual a quantia a ser paga, quando isso deve acontecer e quais acionistas terão direito ao recebimento. …

Leia Mais Ir para: Dividendo
Direto ao Ponto O que é CDB (Certificado de Depósito Bancário)?

A sigla CDB significa Certificado de Depósito Bancário. CDB é um título de renda fixa emitido por bancos. É como um empréstimo que o investidor faz a um banco com um prazo predeterminado e cuja taxa de remuneração varia de CDB para CDB. …

Leia Mais Ir para: O que é CDB (Certificado de Depósito Bancário)?
Direto ao Ponto ETF

ETF é a sigla em inglês para fundo negociado em Bolsa (Exchange Traded Fund). Esses fundos replicam o desempenho de índices, como o Ibovespa e a Nasdaq. Eles também são chamados de fundos de índice.…

Leia Mais Ir para: ETF

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 22.fev.2024 às 12h59
Ações da Nvidia (NVDA) sobem 6,7% após empresa reportar resultados acima do esperado 

A companhia anunciou US$ 22,10 bilhões em receitas, superando a estimativa dos analistas, que era de US$ 20,63 bilhões

Aluísio Alves Publicado em 22.fev.2024 às 12h02
Nvidia (NVDC34) dá show no 4° tri e Itaú BBA dobra aposta

Analista usou uma frase de Warren Buffett para justificar a manutenção de compra do papel, mesmo após uma disparada de mais de 200% em 12 meses

Raphael Coraccini Publicado em 22.fev.2024 às 10h36
Ibovespa apaga alta e dólar avança após PMI dos EUA mostrar avanço industrial acima do esperado

Bolsa de valores hoje: saiba o desempenho do Ibovespa e do dólar no pregão desta quinta (22) e os motivos da movimentação dos ativos

Redação IF Publicado em 22.fev.2024 às 10h22
Saiba os motivos da briga da Gerdau (GGBR4) contra as empresas asiáticas

A companhia brasileira sinalizou que vai entrar com pedido de defesa antidumping contra os asiáticos

Redação IF Publicado em 22.fev.2024 às 06h00
Morning call: expectativa elevada em torno dos balanços de Vale (VALE3) e Nubank (ROXO34)

Temporada de balanços também leva a uma série de anúncios sobre o pagamento de dividendos; confira

Redação IF Publicado em 21.fev.2024 às 19h14
Nvidia surpreende em lucro no 4º tri com receita recorde e projeta receita maior que esperado

Avanço reflete uma demanda maior pela plataforma de computação NVIDIA Hopper GPU, usada em modelos de linguagem, mecanismos de recomendação e aplicativos generativos de inteligência artificial

Lucas Andrade Publicado em 21.fev.2024 às 16h29
Tese de investimento em WEG (WEGE3) permanece sólida para o longo prazo, avalia BB Investimentos

Banco reitera a recomendação de compra para as ações da companhia, com preço-alvo de R$ 40 para o final de 2024

Redação IF Publicado em 21.fev.2024 às 15h31
Jeff Bezos recebe US$ 8,5 bilhões da venda de ações da Amazon (AMZO34)

Amazon já havia informado em seu relatório anual que Bezos planejava vender até 50 milhões de ações até janeiro do próximo ano

Clique e veja mais

Caso ainda não esteja recebendo nossas mensagens, cheque sua caixa de spam e permita o recebimento dos emails da Inteligência Financeira.

Continue acompanhando a gente aqui no nosso site, pelo seu e-mail e nas nossas redes sociais. Informação é investimento!

A partir de agora, enviaremos a você as últimas notícias e análises para orientar seus investimentos com inteligência. Não esqueça de checar se nossa mensagem de boas vindas caiu na sua caixa de "Spam" ou "Promoções". Se isso acontecer, transfira a mensagem para a sua caixa de "Entrada". Obrigada!
Caso ainda não esteja recebendo nossas mensagens, cheque sua caixa de spam e permita o recebimento dos emails da Inteligência Financeira.

Verifique se o e-mail com o vídeo caiu na caixa de "Spam" ou "Promoções". Se isso acontecer, transfira essa mensagem para a sua caixa de "Entrada".

< Voltar ao site