Como os dividendos, a recompra de ações pode beneficiar o acionista. Entenda os prós e contras

Desde o início deste ano, os anúncios de recompra na B3 chegam a 57, o que equivale a mais da metade da quantidade de todo o ano de 2021

Guia para você começar a operar na B3
– Ilustração: Marcelo Andreguetti

A forte correção nos preços de ações diante de mercados voláteis e sensíveis ao cenário econômico global tem levado companhias de diversos setores, no Brasil e em outros países, a lançar mão de programas de recompra de seus próprios papéis.

No mercado doméstico, os anúncios de recompra aceleraram o ritmo em maio, quando 21 empresas deram início a programas para adquirir papéis de sua própria emissão. O número quase quadruplicou em relação aoT mesmo mês do ano passado e reflete o desempenho fraco da bolsa nas semanas anteriores – o Ibovespa caiu 10,1% em abril, no segundo pior desempenho desde o início da pandemia.

Maio deste ano foi o segundo mês com mais programas abertos desde março de 2020, quando o coronavírus deflagrou uma crise mundial sem precedentes.

Desde o início deste ano, os anúncios de recompra na B3 chegam a 57, o que equivale a mais da metade da quantidade de todo o ano de 2021, quando 108 empresas realizaram Oferta Pública de Aquisição (OPA). O número também supera em 63% o anunciado entre janeiro e maio do ano passado, que teve boa parte das aberturas concentradas no segundo semestre.

Os programas adotados em 2022 podem movimentar até R$ 72 bilhões, levando-se em conta a cotação atual das companhias, caso todo o volume seja exercido. Somente as operações anunciadas no mês abrangem um volume que pode superar R$ 17 bilhões caso plenamente executadas. Gerdau, CSN, Suzano, JBS, Bradesco, XP, Cosan e Hapvida são alguns dos grupos que deram a largada em rodadas de aquisição de seus próprios papéis no mês de maio.

Arte: Reprodução Valor Econômico

O que é a recompra de ações?

Recompra de ações é um mecanismo muito útil para as empresas de capital aberto e que tem se popularizado muito nos últimos tempos. Se você investe em ações já deve ter recebido um comunicado de recompra de ações.

A recompra de ações é um método em que a empresa compra ações no mercado para custodiá-las em sua tesouraria ou cancelá-las. Em geral, a ação é feita quando a companhia considera que o preço de suas ações está abaixo do seu valor.

“Então ela compra abaixo do valor que o mercado estava pagando. É uma maneira de as empresas diminuírem o custo de capital. Toda empresa analisa quanto custa deixar suas ações no mercado e o valor dessa dívida. Se não vale a pena, ela muda de estratégia”, afirma Caio Camargo, especialista em investimentos do Itaú Unibanco.

Como funciona recompra ações?

De certa forma, a intenção de recomprar ações é vista pelo mercado como uma sinalização da empresa de que acredita no potencial de suas ações.

Caso as ações sejam canceladas, o número de acionistas diminui. Logo, o lucro total da companhia é dividi-lo por menos pessoas. O que significa que a empresa retém mais o lucro pelas ações que possui.
Já se as ações forem mantidas pela empresa em sua tesouraria, ela irá esperar o melhor momento para vendê-las. Como acredita que o seu preço irá subir, terá um lucro com a operação. Dessa forma, a empresa realiza essa ação por ser lucrativa para ela.

A recompra de ações beneficia o acionista?

Para o acionista, a recompra de ações pode ser vantajosa. Isso porque mesmo o acionista minoritário passa a ser dono de uma porcentagem maior da empresa, aumentando assim seu patrimônio.
Por exemplo: se o investidor tem 1% das ações de uma empresa e essa campanha recompra 10% de suas ações disponíveis no mercado, o investidor que mantiver seus ativos terá 1,11% do total da companhia.

A analista do Inter Gabriela Joubert observa que, para o investidor, o plano de recompra contribui para segurar as perdas do papel num primeiro momento.

“Estamos [maio de 2022] entrando em ‘bear market’ [nível técnico que indica tendência negativa, definido por uma queda de 20% do pico recente], então, faz sentido as companhias anunciarem suas recompras”, diz a analista.

A Vale, no fim de abril, pavimentou o caminho de programas mais robustos com o anúncio de recompra de até 500 milhões de ações – equivalente a mais de R$ 40 bilhões. A operação está prevista para durar até o segundo semestre do próximo ano.

Em teleconferência com analistas sobre os resultados trimestrais, o vice-presidente executivo de finanças e relações com investidores, Gustavo Pimenta, declarou que a recompra de ações “é o melhor investimento” que a empresa tem. E, de acordo com o executivo, isso não quer dizer que a mineradora não pagará dividendos extraordinários. “Vai depender do fluxo de caixa. Podemos fazer ambos [dividendo e recompra], mas a recompra tem ótima perspectiva”, afirmou.

Joubert afirma ter discordado da recompra anunciada pela companhia em outubro do ano passado, de até 200 milhões de papéis – programa concluído neste mês, com aquisição de todas as ações, antes da abertura da atual recompra. Na avaliação da analista, a operação poderia ter sido convertida em dividendos para os acionistas.

De acordo com ela, a Vale quis transmitir uma mensagem de confiança na companhia. “As empresas continuam pagando dividendos, mas também compram ações passando a ideia de que estão investindo nelas mesma. A mensagem é unânime. Estou com excedente de caixa, vou te pagar dividendos. Mas também vou comprar ações da minha empresa e façam o mesmo, acionistas”, diz a analista do Inter ao descrever essa lógica.

Pontos negativos da recompra de ações

Para a analista do Inter, é preciso olhar para o pós-recompra e entender o objetivo de cada companhia ao fazer esse tipo de operação. “Precisamos nos atentar para o que a empresa fará com a aquela quantidade de papel que comprou. Vai cancelar, vai manter em tesouraria ou vai fazer follow-on [uma oferta subsequente de ações] para capturar o para capturar o dinheiro novamente?”, diz Joubert.

Pontos negativos da recompra de ações

O sócio e analista da Nord Research Guilherme Tiglia observa que as recompras podem refletir negativamente na liquidez das ações. “Tem programas que não alteram, enquanto outros mexem bastante com a liquidez”, diz.

Recompra de ações vem acontecendo em toda América Latina

A recompra é mais comum nos EUA, mas vem acontecendo em toda América Latina. “Pela ótica do investidor, é uma redução do custo de capital que pode melhorar os indicadores da companhia. É um bom indicativo das empresas porque é uma correção de curto prazo”, disse Caio, do Itaú.

Com Anne Dias e informações do Valor Econômico.

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

1 min
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

6 min
Manhã Inteligente Publicado em 01.jul.2022 às 11h11
Queda generalizada nas Bolsas de Valores do Brasil e EUA, PEC aprovada pelo Senado

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seu bolso nesta sexta (1)

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 08h34
Cenário de recessão pode piorar mercado acionário nos EUA, alerta pesquisador

Noriel Roubini considera como 'perigosamente ingênua' a visão de analistas que a recessão será leve e de curta duração

4 min
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h48
Fleury compra Pardini e se aproxima da Dasa no setor de diagnóstico; fusão não altera perspectiva de crescimento, diz Itaú BBA

As ações da Pardini fecharam com alta de 18,99%, negociadas a R$ 19,99, e as da Fleury subiram 16,10%, cotadas a R$ 16,30

5 min