Saiba tudo sobre o DEFI11, novo ETF de criptomoedas, que chega à B3 em fevereiro

Período de reservas para o novo ETF começa nesta terça-feira (18); cota será negociada inicialmente por cerca de R$ 50 e taxa de administração total de 1,3%

Ilustração de criptoativos. (Foto/Arte: Pixabay)

Pontos-chave

  • O índice deve contar com 12 ativos que vão estar divididos em três categorias
  • Desenvolvido em parceria com a provedora de índices CF Benchmarks, o DEFI11 replica o desempenho do "CF DeFi Modified Composite Index", que busca representar o mercado de finanças descentralizadas

Começa nesta terça-feira (18) o período de reserva do novo ETF que aterrissa na bolsa brasileira. O DEFI11, da gestora carioca Hashdex, pretende garantir exposição ao ecossistema de finanças descentralizadas, ou DeFi em inglês, como o próprio nome do fundo sugere.

Inicialmente, o índice deve contar com 12 ativos que vão estar divididos em três categorias.  O ecossistema DeFi busca replicar os serviços financeiros existentes de uma forma mais aberta e transparente. Em particular, o DeFi não depende de intermediários e instituições centralizadas.

Em vez disso, é baseado em protocolos abertos e aplicativos descentralizados (DApps). Segundo a Hashdex, os acordos são feitos por código e as transações são executadas de maneira segura e verificável. As mudanças de estado persistem em um blockchain público.

O pouso do novo ETF na B3 está previsto para fevereiro. O período de reservas, cuja cota será negociada inicialmente por cerca de R$ 50, começa nesta terça-feira (18). A Hashdex possui outros três ETFs de criptoativos listados na B3, além do DEFI11, que é o primeiro do gênero.

A gestora carioca faz a gestão do HASH11, ETF que segue um índice de criptomoedas criado pela própria Hasdex e pela Nasdaq, além do BITH11 e o ETHE11, que investem em bitcoin e ether, respectivamente. Eles têm a companhia de outros dois ETFs cripto na bolsa brasileira, o QBTC11 e QETH11, da gestora QR Asset Management.

Categorias do DEFI11

Desenvolvido em parceria com a provador de índices CF Benchmarks, o DEFI11 replica o desempenho do “CF DeFi Modified Composite Index”, que busca representar o mercado de finanças descentralizadas. O índice deve contar com 12 ativos, divididos em três categorias:

  • Protocolos DeFi: oferecem soluções práticas e modernas para serviços financeiros: Unisawap, AAVE, Compound, Maker, Yearn, Curve, Synthetix e AMP;
  • Protocolos de Suporte: auxiliam protocolos DeFi com serviços de armazenamento e consulta de dados, verificação de identidade e soluções de escalabilidade, os tokens Polygon, Chainling e The Graph;
  • Plataformas de Registro: o blockchain nas quais as transações são validadas e registradas, o ativo da carteira será o Ethereum.

A XP, o Itaú BBA e o Banco Genial serão os coordenadores da oferta do novo ETF, que terá taxa de administração total de 1,3%.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h48
Fleury compra Pardini e se aproxima da Dasa no setor de diagnóstico; fusão não altera perspectiva de crescimento, diz Itaú BBA

As ações da Pardini fecharam com alta de 18,99%, negociadas a R$ 19,99, e as da Fleury subiram 16,10%, cotadas a R$ 16,30

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h54
Ibovespa cai 11,50% em junho no pior mês para o mercado local desde março de 2020

Índice perde 5,99% no primeiro semestre; destaque no pregão de hoje, Fleury disparou 16,1% após assinar acordo de fusão com Pardini, que subiu 18,99%

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 19h10
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq cai quase 30% no semestre

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008

Manhã Inteligente Publicado em 30.jun.2022 às 12h06
PIB dos Estados Unidos, investimentos em debêntures, golpes financeiros

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli comentam esses e outros assuntos que podem afetar seu bolso nesta quinta (30)