ETF: o que é e como funciona esse investimento

As cotas de fundo negociadas em Bolsa conferem diversificação à carteira e oscilam de acordo com o índice de referência

Pontos-chave

  • ETF é atrelado a um índice de ações, de títulos de renda fixa, criptomoedas ou de outros ativos
  • As cotas podem ser negociadas na Bolsa de Valores como se fossem uma ação
  • O investidor deve conhecer o gestor do fundo, as características do índice de referência e as taxas cobradas

ETF é um fundo de índice, que pode estar atrelado a um índice de ações, ou à renda fixa ou ainda a criptomoedas. Por exemplo: um ETF que tenha como referência o Ibovespa é composto por todas as ações que fazem parte do índice brasileiro de ações, na mesma proporção. O que torna o ETF um fundo diferente é que suas cotas podem ser negociadas na própria Bolsa de Valores. O fundo de índice é administrado por uma gestora de investimentos.

Como funciona?

O ETF oscila de acordo com o índice de referência, seu benchmark. Por isso, é considerado um investimento passivo, ao contrário de outros fundos, que podem trocar os ativos da carteira conforme muda o cenário da economia.

Uma das suas vantagens é o custo menor do que outros tipos de fundos, que cobram taxas de administração e performance, e a facilidade de comprar e vender as cotas. Você só precisa solicitar a uma corretora de valores, que sempre é a intermediária entre o investidor e a Bolsa. No entanto, no começo, quando têm poucos investidores, os ETFs podem apresentar baixa liquidez, fazendo com que as eventuais vendas demorem um pouco.

Na hora de escolher, é importante que você conheça o gestor do fundo e as características de referência. É importante você notar que os ativos do índice estejam alinhados aos seus interesses e objetivos.

O conservador pode optar por um ETF de Ibovespa, enquanto o mais ousado pode escolher um de criptomoedas. Assim, o ETF também funciona como um elemento para diversificar a carteira do investidor sem demandar muito esforço.

O ETF gera lucro quando a cota é vendida no mercado por um preço maior do que você o pagou, e isso depende da variação do índice. A cada venda de ETF, o investidor paga 15% de Imposto de Renda sobre o lucro. A corretora também cobra taxas pela negociação.


Você também pode gostar
Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 07h47
Maior parte das ações na Bolsa acumula queda desde início de 2021

Das 100 ações do IBrX, 64 têm perda no período

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 20h04
Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 19h58
Twitter tem sétimo dia de queda e recua 8,2% em NY em meio a incertezas de aquisição

Elon Musk disse que as negociações estão suspensas até ter mais dados sobre a atuação de contas falsas na plataforma

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h25
Ações da Infracommerce têm forte queda após notícia de demissões na empresa

Os desligamentos teriam ocorrido por conta de 'mudanças no orçamento'

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h16
Estrangeiros já sacaram R$ 12,6 bilhões da Bolsa em maio

Movimento positivo no ano diminuiu para R$ 45,03 bilhões