Sem sinal de elevação de juros nos EUA, dólar cai para menos de R$ 5,60

O Ibovespa, principal índice da B3, ficou praticamente estável enquanto uma alta de 13,3% das Americanas compensou uma queda de 7,6% da Vale

Jerome Powell, presidente do Fed (Foto: Fed/Divulgação)

Investidores ficaram aliviados nesta quarta-feira (3) após o Fed (banco central dos Estados Unidos) apontar que não deve subir juros tão cedo. Apesar de a autoridade monetária ter divulgado o início do temido tapering —redução de estímulos econômicos envolvendo a injeção de dinheiro no mercado via compra de títulos—, Jerome Powell, presidente do Fed, disse que o processo não envolve uma alta de juros no momento. Nos EUA, a taxa básica de juros é de 0 a 0,25% desde o início da pandemia.

Juros baixos beneficiam ativos de risco, como ações. Assim, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira, chegou a subir 1%, mas acabou fechando perto da estabilidade, com leve ganho de 0,06%, aos 105.616 pontos.

O real também se favorece da diferença de juros para os EUA, que permanece alta. Com a Selic a 7,25% e com perspectiva de alta, o dinheiro rende mais no Brasil, o que torna uma operação conhecida como carry trade mais rentável. Nela, se pega um empréstimo em um país de juro baixo, como os Estados Unidos, e o investe em um país de juros altos, como o Brasil. Com isso, mais dólares entram no país, o que reduz a taxa de câmbio.

O dólar comercial fechou em queda de 1,43%, a R$ 5,5892. O dólar turismo está a R$ 5.8111.

Vale

As ações da Vale foram o destaque negativo da sessão, puxando o Ibovespa para baixo. Os papéis recuaram 7,59%, a R$ 66,83 cada um, refletindo a queda de 7,4% do contrato de referencia do minério de ferro na terça (2), quando a B3 esteve fechada por feriado.

Lojas Americanas

As ações da Lojas Americanas, por outro lado, tiveram a maior alta da sessão, subindo 13,33%, a R$ 5,78 cada uma. A controladora, hoje chamada apenas Americanas SA, trouxe mais detalhes sobre a fusão das bases acionárias de Lojas Americanas e B2W. A estimativa é de uma sinergia de R$ 2,3 bilhões até 2024. Tirando o custo da operação, a sinergia líquida prevista é de R$ 1,6 bilhão em valor presente.

Grupo Soma

O Grupo Soma foi outro destaque da sessão, com as ações em alta de 8,90%, a R$ 14,80, após a coluna Pipeline, do jornal Valor Econômico noticiar que a Arezzo entrou em contato com o Grupo Soma para comprá-lo. Os papéis da Arezzo fecharam em alta de 5,33%, a R$ 80,06.

COP26

O Brasil assinou o Compromisso Global sobre Metano durante a COP26, na terça (2). O objetivo é reduzir 30% das emissões globais do gás até 2030, em comparação com os números de 2020. O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que o país terá um prazo para adaptar sua agropecuária ao acordo, mas não especificou números. Segundo fontes ouvidas pelo jornal Folha de S.Paulo, a pressão dos EUA nas últimas semanas foi decisiva para a adesão.


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 12h37
Dólar opera em queda, abaixo dos R$ 4,95, de olho no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA