Fed irá reduzir as compras de títulos do Tesouro e hipotecários – e retirar US$ 15 bilhões por mês da economia dos EUA

Ao fim de reunião realizada nesta quarta-feira, autoridade monetária manteve a taxa de juro entre 0% e 0,25% ao ano

Foto: PIxabay

O Federal Reserve (Fed, banco central americano) anunciou, nesta quarta-feira (3), que começará a reduzir, já nas próximas semanas, o ritmo de suas compras mensais de títulos. Este é o primeiro passo para retirar a enorme ajuda emergencial para a economia dos Estados Unidos. O Fed também informou que mantém a taxa de juro entre 0% e 0,25% ao ano.

Em uma base mensal, a redução da compra de títulos resultará em US$ 10 bilhões a menos em títulos do Tesouro e US$ 5 bilhões a menos em títulos atrelados a hipotecas.

“O Comitê julga que reduções semelhantes no ritmo de compras de ativos líquidos provavelmente serão apropriadas a cada mês, mas está preparado para ajustar o ritmo de compras se justificado por mudanças nas perspectivas econômicas”, disse o comitê.

O movimento estava em linha com as expectativas do mercado após uma série de sinais do Fed de que começaria a encerrar um programa que se acelerou em março de 2020 como uma resposta à pandemia de Covid.

Os mercados reagiram positivamente, com as ações reduzindo as perdas e os rendimentos dos títulos do governo subindo cada vez mais.

Junto com a mudança para redução gradual do pacote de benefícios, o Fed também alterou sua visão sobre a inflação, reconhecendo que os aumentos de preços têm sido mais rápidos e duradouros do que os bancos centrais haviam previsto, mas ainda não recuou do uso da palavra “transitório” para descrever o evento de subido de preços.

“A inflação está elevada, refletindo em grande parte fatores que se espera sejam transitórios”, disse o comunicado. “Os desequilíbrios de oferta e demanda relacionados à pandemia e à reabertura da economia contribuíram para aumentos consideráveis ​​de preços em alguns setores.”

A inflação atingiu a maior alta em 30 anos, impulsionada por uma cadeia de suprimentos engargalada, alta demanda do consumidor e aumento dos salários que resultaram de uma escassez de mão de obra. As autoridades do Fed afirmam que a inflação acabará retornando, em breve, para a meta de 2%.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 08h53
Bolsas europeias e futuros de NY são pressionados por dados fracos da China

A atividade econômica na China perdeu força de forma acentuada em abril

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 07h20
China: com lockdowns, produção industrial tem forte desaceleração em abril

Atividade recuou 2,9% na base anual; mercado esperava avanço de 1,0%