Pesquisa mostra que mercado financeiro ainda não adotou os critérios ESG

Gestoras e bancos entendem a importância da sustentabilidade, mas poucos incluem o tema nos códigos de conduta

– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Há uma distância entre a importância da sustentabilidade e a adoção de medidas práticas
  • Entre as gestoras, houve avanço no mercado: em 2018 apenas 34% delas tinham estrutura para tratar de ESG; agora são 71%

Pesquisa realizada pela Anbima mostra que a maioria das empresas do mercado financeiro enxerga a sustentabilidade como relevante: aproximadamente 85% das casas classificam a importância das práticas ESG com notas de 7 a 10 (sendo 10 a mais alta). Cerca de 44% deram notas 9 e 10 e 42% atribuíram notas 7 e 8. Apenas 3% das casas deram notas entre 0 e 4, indicando que veem pouca ou nenhuma importância nas questões ESG. Os resultados fazem parte da nossa pesquisa de sustentabilidade feita com as instituições financeiras.

“A sustentabilidade não é um tema novo no mercado, no entanto, com a pandemia de covid-19, ganhou tração por conta da mudança da percepção de risco dos investidores. Esse movimento é positivo e, sem dúvida, ajudará a alavancar essa pauta”, afirma Carlos Takahashi, nosso vice-presidente e coordenador do Grupo Consultivo de Sustentabilidade.

Na prática, a história é outra

Entretanto, foi identificada uma assimetria entre a atribuição de importância para a sustentabilidade e a adoção de medidas práticas. Muitas instituições que respondem de forma positiva às perguntas sobre percepção e importância do tema ESG dizem estar em processo de implementação ou ainda não ter implementado ações concretas.

Enquanto 85% das gestoras de recursos e 90% dos bancos deram notas acima de 7 para a importância que veem na sustentabilidade, apenas 26% das gestoras e 43% dos bancos incluem esse tema em seus códigos de conduta. Apenas para 18% dos entrevistados a sustentabilidade é parte essencial do desenvolvimento da divulgação de produtos.

De olho nas gestoras

Quando o estudo olhou apenas para as gestoras de recursos, houve avanço na existência de política de investimento responsável: 80% das casas afirmam ter uma política de investimento responsável ou um documento que formalize seu tratamento ao tema – se não estiver pronta, ao menos em desenvolvimento. Na edição de 2018 do levantamento eram 68%. Um terço (35%) está em processo de desenvolvimento de um documento incorporando questões ESG. Entre as gestoras que não têm política nem estão desenvolvendo uma, destacam-se as assets de menor porte, com até R$ 100 milhões em ativos sob gestão.

“O mercado caminha para uma evolução. Chama atenção o percentual de casas que estão trabalhando o assunto no momento ou que, ainda que não tenham nada concreto, planejam implementar políticas e processos ESG. Especificamente nas gestoras de recursos é possível ver um amadurecimento. Mais casas têm políticas de investimento responsável, aumentou o volume de ativos analisados pelas lentes ESG e também a quantidade de empresas que têm uma estrutura interna específica para tratar o assunto”, afirma Cacá.

Com relação à análise dos ativos sob as lentes ESG, 49% das gestoras avaliam entre 100% e 50% dos papéis. Apesar de ainda tímido, esse percentual é superior ao registrado na pesquisa da ANBIMA em 2018, quando era 27%.

Sobre a estrutura das assets, houve avanço no mercado: enquanto em 2018 apenas 34% das gestoras declarou ter alguma estrutura para tratar de ESG, agora 71% afirma ter alguma estrutura (exclusiva ou não) para tratar de sustentabilidade, mas com funcionários diretamente envolvidos ou treinados ou com comitê específico dedicado ao tema.

Por que o ESG deve, sim, ser uma preocupação dos minoritários?

O ESG engloba a empresa como um todo, do ponto de vista ambiental, social e da transparência com a gestão. Uma empresa alinhada com estes três pontos tem o que os analistas chamam de bons fundamentos, um valor muito procurado por investidores estrangeiros. E é, no fundo, uma maneira a mais para você ganhar dinheiro. O mercado já oferece fundos com esse direcionamento e nossa Bolsa de Valores tem um índice, o ISE B3, que lista todas as empresas em conformidade com os critérios ESG. Este índice você pode acompanhar por aqui.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 17h52
Ibovespa sobe 1,39% com alta das commodities; na semana, avanço é de 1,46%

Investidores estão otimistas com a retomada dos estímulos econômicos pela China

Papo de Finanças Publicado em 20.maio.2022 às 17h09
Você confia no robô-investidor?

O robô investidor é um algoritmo que negocia ativos financeiros sozinho. Saiba como eles funcionam no Papo de Finanças

Anne Dias Publicado em 20.maio.2022 às 11h12
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 17h58
Dólar tem queda de 0,89% com corte de juros na China e acumula baixa de 3,64% na semana

O real seguiu o movimento das moedas de países emergentes nesta sexta (20)

Manhã Inteligente Publicado em 20.maio.2022 às 10h40
ETFs de renda fixa, privatização da Eletrobras, queda de lucro de empresas

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos nesta sexta (20)

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 09h28
Rio ou São Paulo: onde o aluguel é mais barato?

Se for para investir, cuidado. Até a poupança tem rentabilidade melhor do que a locação

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras