Apenas três ETFs nacionais tiveram mais captação do que resgate em abril

O instrumento é tido como barato para diversificar a carteira

Pontos-chave

  • Os fundos brasileiros que ficaram no azul são: SMAL11, IBOV11 e TECB11
  • O favorito estrangeiro é o USAL11, que investe em Google, Facebook, Amazon, NVIDIA, Tesla, Microsoft e Disney

Apenas três Exchange Traded Funds (ETFs) de ações nacionais tiveram captação líquida positiva no mês de abril. Ou seja, eles tiveram mais dinheiro sendo investido do que resgatado no mês, segundo o levantamento mensal da Teva Índices. Os ETFs são considerados um dos instrumentos mais fáceis e baratos para diversificar a carteira de investimentos. Eles são fundos passivos que replicam índices de ações ou de renda fixa e são negociados por meio do home broker da corretora. Como acompanham esses índices já prontos da Bolsa (e, por isso, os gestores têm menos trabalho) eles costumam ter baixa taxa de administração.

O que é um fundo de gestão passiva?

Você conhece a diferença entre fundo com gestão ativa e um outro, que tenha gestão passiva, como é o caso dos ETFs? O economista Pedro Paulo Silveira, diretor de gestão de investimentos da Nova Futura, explica no Entrevista da Semana que está logo abaixo:

ETFs de ações nacionais

A soma da captação dos únicos três ETFs de ações nacionais que fecharam o mês com mais entrada de dinheiro do que saída foi de R$ 214,38 milhões. Os três somam 48,2 mil cotistas e têm um patrimônio líquido de R$ 2,5 bilhões.

Os fundos em questão são o SMAL11, que acompanha o índice de “small caps”, onde estão empresas com menor valor de mercado; o IBOV11, que acompanha o índice Ibovespa e é administrado pelo BTG Pactual; e o TECB11, que acompanha o índice Ações Tech Brasil, onde estão empresas de tecnologia.

Para se ter uma ideia da queda na captação, em março, o ranking dos cinco fundos que mais captaram somava R$ 833 milhões de captação, uma alta de 460% em relação a fevereiro.

ETFs de ações internacionais

Já entre os cinco ETFs de ações internacionais que mais captaram em abril, a soma da captação foi de R$ 72,77 milhões. Eles reúnem, ao todo, 37,3 mil cotistas e têm um patrimônio líquido de R$ 495,3 milhões.

Assim como em março, o favorito do mês foi o USAL11, que investe nas grandes empresas dos Estados Unidos, como Google, Facebook, Amazon, NVIDIA, Tesla, Microsoft e Disney. Em seguida, aparece o WRLD11, que acompanha um índice que reúne mais de 9.000 empresas internacionais. Em terceiro lugar no ranking de captação vem o NASD11, que busca seguir o desempenho das 100 maiores empresas listadas na Bolsa americana Nasdaq.

Em quarto lugar vem o USTK11, que replica outro ETF, o VGT, que reúne empresas de tecnologia da bolsa de Nova York, a NYSE. Por fim, aparece o ESGD11, que investe em companhias que cumprem os principais requisitos da agenda ESG (sigla que designa empresa com boas práticas nos âmbitos ambiental, social e de governança).

O resultado da captação desses produtos também foi pior do que o visto em março, quando os cinco índices que compunham o ranking das maiores captações somavam R$ 87,9 milhões.

Com conteúdo do site Valor Investe, um veículo Globo Notícias


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

4 min
Glossário IF Publicado em 24.maio.2022 às 17h24
B3: como surgiu, qual é sua história, o que ela faz?

A Bolsa de Valores brasileira é uma das dez maiores do mundo e a maior da América Latina. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões

2 min
Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 11h20
Dólar inverte sinal e passa a cair abaixo de R$ 4,80

Moeda americana era negociada a R$ 4,78 na mínima do dia

2 min
Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 10h23
Presidente do Bradesco diz que inflação deve começar a ficar ‘mais controlada’ a partir de 2023

Octavio de Lazari Junior acredita também que a taxa de juros 'só poderá ser reduzida no ano que vem'

2 min
Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 07h56
Citi: nova troca cria riscos na estratégia de longo prazo da Petrobras

Banco destaca em relatório uma 'significativa interferência externa' na empresa

2 min
Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 20h01
3 min