A Bolsa está barata? Fomos ouvir os especialistas para mostrar o que fazer com os investimentos

Relação entre o preço das ações do Ibovespa e o lucro líquido projetado para as empresas do índice está abaixo da média

Foto: Pixabay

A relação entre o preço das ações do Ibovespa e a média do lucro líquido projetado pelo mercado financeiro para as respectivas empresas que compõem o índice, o chamado P/L, aponta que o principal indicador do mercado acionário brasileiro está no patamar mais barato desde 2008, ano da crise financeira.

É um indicador muito utilizado por investidores para entender se o preço da ação de uma empresa está atrativo e serve para medir a relação entre o preço de uma ação no momento atual e o lucro líquido por ação dos últimos 12 meses ou dos 12 meses à frente.

Para calcular o P/L basta dividir o preço atual da ação pelo lucro líquido projetado no período analisado. Quanto maior o resultado desta divisão, chamado apenas de P/L, mais tempo levará para o investidor ter o retorno do valor investido, pois mais anos seriam necessários para que o lucro anual por ação resulte no preço atual do papel. Ou seja, quanto maior o P/L, mais cara a ação de acordo com esta métrica. Quanto mais baixo o P/L, a ação fica mais atrativa.

Segundo o professor do Insper, Michael Viriato, atualmente o P/L do Ibovespa é de cerca de 7x —ou seja, o preço dos papéis é sete vezes maior que o lucro por ação projetado para este ano. Em 2008, o P/L do índice chegou a cerca de 6x. No início deste ano, porém, o P/L estava na casa dos 12x e, em 2020, chegou a mais de 80x. Neste ano, o Ibovespa recua 14%, o que automaticamente reduz o P/L.

“Há uma combinação de dois fatores: fuga de risco, com venda generalizada de vários ativos, e a desconfiança sobre a estimativa de lucros. O mercado aparentemente desconfia se o lucro projetado será realmente esse”, diz Fabio Focaccia, diretor de estratégia da Santa Fé Investimentos.

O P/L do Ibovespa é calculado da mesma forma que o índice, ou seja, empresas como Vale, Petrobras e Itaú têm um peso maior.

“Há muita empresa de commodity no índice e elas geralmente negociam com um múltiplo mais baixo. Sem elas, o múltiplo do Ibovespa sobe”, explica Viriato.

Considerando estimativa para os próximos 13 meses (dezembro e todo o ano de 2022), a Vale negocia a 2,7x o lucro estimado e a Petrobras, a 7,5x.

“A Vale parece estar barata. Se comprá-la hoje para o longo prazo, a chance de ganhar dinheiro é alta. No momento, porém, o P/L dela está baixo porque o preço do minério está em queda”, diz Victor Natal, estrategista em ações do Itaú BBA.

Fonte: Bloomberg

A Bolsa está barata?

Tirando Vale e Petrobras de jogo, o Ibovespa não aparenta estar tão barato assim. Segundo cálculos do Itaú BBA, sem essas duas gigantes, o P/L do Ibovespa, considerando o lucro projetado para os próximos 12 meses, é de cerca de 11,2x, um desconto de cerca de 15% da média histórica dos últimos dez anos (13,1 x).

“Isso indica que há empresas baratas sob a perspectiva do preço em relação ao lucro estimado, mas isso se deve ao momento macroeconômico desafiador que temos por conta da combinação inflação e juros elevados”, afirma Natal.

Outro ponto que impacta o preço dos papéis é a proximidade das eleições de 2022. A incerteza quanto ao futuro do Brasil afasta grandes investidores ao mesmo tempo em que traz mais volatilidade para o mercado brasileiro.

“Há a impressão de que a Bolsa está muito barata, mas precisamos tomar muito cuidado com isso. Esse número pode ser ajustado”, diz Natal.

Segundo Viriato, do Insper, o Ibovespa é o único dos principais índices acionários globais em que a previsão de P/L para os próximos anos sobe. “Isso acontece porque a estimativa de lucros futuros está caindo dado o crescimento econômico ameaçado”.

Ainda seguem com o P/L projetado para 2022 mais elevado empresas dos setores de saúde e varejo (cerca de 20x na média) e de transporte, logística e bens de capital (26x), segundo cálculos do Itaú BBA com base nas empresas que o banco acompanha.

“Se olharmos só varejo, o Ibovespa não está barato. Por isso é importante olhar todos os setores”, afirma Focaccia, da Santa Fé.

P/L

Apesar de importante, a métrica P/L não diz muito por si só e nem serve para a análise de todas as empresas. É necessário uma avaliação do cenário macroeconômico do país, além de um estudo do setor e da empresa.

“Não da para dizer que está barato olhando só o preço. Pense em imóveis, não é porque um apartamento está com um preço por m² menor que o outro que ele está barato. O apartamento pode estar detonado, com vários problemas. O barato pode ser ilusão. O mesmo serve para o P/L. Sozinho, não significa muita coisa”, diz Viriato.

Companhias como bancos ou com muitas variáveis no balanço não têm um P/L tão significativo.

Para bancos, o ideal é usar a métrica preço por ação divido pelo patrimônio líquido por ação (P/Book Value, ou P/PL), já que o lucro das instituições financeiras vem da rentabilização do patrimônio líquido.

No caso das empresas de commodities, o mais indicado é olhar o Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Já as empresas de comércio eletrônica são melhor avaliadas pela métrica valor da empresa em relação ao faturamento anual com vendas (EV/SALES, em inglês).

“Não se deve ignorar o P/L, ele é mais uma das informações que o investidor deve levar em conta, mas está longe de ser a informação mais importante, principalmente quando se olha para o Ibovespa como um todo”, afirma Natal.

O que fazer com os investimentos?

É possível aproveitar a baixa da Bolsa e investir em empresas relativamente baratas com foco no longo prazo.

“Em momento de pânico, o investidor com apetite para risco tem que fazer contas e descobrir as pechinchas na Bolsa. Agora, quem tem aversão ao risco deveria se posicionar renda fixa pós-fixada e com liquidez curta”, afirma Focaccia.

Para escolher a empresa, Natal recomenda buscar por consistência nos resultados passados, com estabilidade no fluxo de caixa e baixa correlação com o Ibovespa, com o crescimento do país e com a taxa de juros. “A empresa que vinha bem pode continuar indo bem, mas é difícil que a empresa que não vinha tendo bons resultados se dar bem em um cenário desafiador”, diz o analista.

Ele também recomenda diversificar a exposição em Bolsa, com investimento em cerca de 20 empresas diferentes. “Ter uma carteira que perde menos em momento ruim é melhor que carteira que ganha muito em momento bom”, afirma Natal.

Em momentos de grande incerteza, tanto os ganhos quanto as perdas podem ser maiores, o que requer especial atenção do investidor, pontua Viriato. “Comprar Bolsa depende do perfil do investidor, não é para todo mundo. Pode ser uma boa oportunidade ou um potencial desastre, dado o cenário incerto”, diz o professor.

Ele recomenta, para todos os perfis de risco, a renda fixa. “A Selic deve subir mais ainda, para mais de 10% ano que vem, o que deixa títulos de renda fixa de forma geral muito bons. Na Bolsa, há risco de 2022 ser ruim.”


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale