Reajuste dos combustíveis pressiona preço de alimentos e encarece viagens de fim de ano

Economista vê cenário preocupante enquanto o preço do barril do petróleo não baixar e o câmbio não aliviar

Foto: Edilson Dantas/Agência O Globo

Pontos-chave

  • IPCA de outubro não considera ainda o último reajuste da gasolina anunciado pela Petrobras
  • Aumento do custo do frete tende a ser repassado aos consumidores
  • Preço das passagens aéreas subiu mais de 30% em um mês

A inflação de outubro (1,25%) medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) surpreendeu negativamente e veio acima das expectativas do mercado (1,05%). O resultado no mês teve entre os destaques a alta de 2,62% no grupo dos transportes puxada principalmente pelo avanço de 3,21% nos preços dos combustíveis. Subiram a gasolina (3,10%), o óleo diesel (5,77%), o etanol (3,54%) e o gás veicular (0,84%).

Para o economista Matheus Peçanha, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGVIbre), o cenário para novembro não é nada promissor. Ele explica que o IPCA atual não contemplou o reajuste da gasolina e do diesel nas refinarias anunciado pela Petrobras em 25 de outubro. “Os dados refletem reajustes passados. Então ainda veremos mais pressão dos combustíveis no índice em novembro”, avalia.

O pesquisador do FGVIbre observa que não é possível descartar novos aumentos nas próximas semanas e lista os dois fatores que influenciam a política de preços da Petrobras. “O petróleo continua o movimento de valorização e o câmbio não dá sinal de arrefecimento”, comenta. “Então é um cenário tenebroso, já que os combustíveis têm uma capacidade de difusão muito grande e poderemos ver um estrago com o repasse escalonado para os demais grupos”, alerta.

O economista vê um reflexo disso no encarecimento dos alimentos. “Boa parte da pressão está ligada ao aumento do frete”, diz.

Planeja viajar no fim do ano? Prepare o bolso

Quem vai pegar estrada já sabe que vai pagar mais caro pelo combustível. Caso a opção seja pelo transporte aéreo, o IPCA sinalizou uma perspectiva complicada. Os preços das passagens aéreas aceleraram 33,86% entre setembro e outubro. A disparada nos valores dos bilhetes também está relacionada ao controle da pandemia à medida que a maioria da população completa o ciclo de imunização contra a Covid-19.

“A depreciação cambial e a alta dos preços dos combustíveis, em particular do querosene de aviação, têm contribuído com o aumento das passagens aéreas”, destaca o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov. “A melhora do cenário da pandemia, com o avanço da vacinação, levou a um aumento no fluxo de circulação de pessoas e no tráfego de passageiros nos aeroportos. Como a oferta ainda não se ajustou à demanda, isso também pode estar influenciado alta dos preços”, acrescenta Kislanov.

Matheus Peçanha considera que o início da alta temporada de viagens pode fazer “explodir o caldeirão dos preços ainda mais”. “O setor vai ficar aquecido e a procura por passagens vai aumentar. Ou as pessoas se programam para comprar com antecedência, ou vão ter que abrir a carteira e gastar mais dinheiro”, completa.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 10h38
O que Elon Musk deve discutir na passagem pelo Brasil

Bilionário terá encontro com o presidente Jair Bolsonaro e empresários

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 18h15
Trabalhador poderá usar até 50% do saldo do FGTS na privatização da Eletrobras

Valor mínimo do investimento é de R$ 200. Governo estabeleceu R$ 6 bilhões como teto global para uso do Fundo, o que pode reduzir percentual que cada trabalhador poderá investir

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção