Conheça os ETFs de ações no Brasil que pagam até 1% de dividendo mensal

Populares nos Estados Unidos, os ETFs com dividendos mensais são uma alternativa para investidores que buscam renda passiva

Os ETFs (cotas de fundos negociados em bolsa) de ações estão crescendo como alternativa para investidores brasileiros em busca de renda passiva. Dessa maneira, além dos produtos cujos dividendos são reinvestidos na compra de mais cotas, nos últimos meses surgiram na B3 alguns dividendos que pagam cotas mensais em dinheiro mesmo.

O que são ETFs?

Dessa maneira, como explicado acima, ETFs são cotas de fundos negociados normalmente em bolsas de valores.

Os dois primeiros desta categoria de ETFs que pagam dividendos foram listados na B3 no final de 2023. E o Itaú lançou o seu na semana passada para captação. Todos têm números sedutores.

EFT de dividendos mensais do Nubank

O primeiro listado nessa categoria é o Nu Renda Ibov Smart Dividendos (NDIV11). O fundo tem como referência o índice Smart Dividendos B3, que inclui 21 empresas do Ibovespa com histórico de dividendos nos últimos 6 anos.

Assim, com 9,8 mil cotistas o ETF é um dos maiores do mercado brasileiro em número de investidores, com patrimônio total de R$ 33,8 milhões.

Então, o ETF paga proventos no 10º dia útil de cada mês.

Confira o histórico de dividend yield, ou seja, o valor pago por cota desde o lançamento do ETF.

PeríodoProvento pago por cota
Outubro/230,25069
Novembro/231,87530
Dezembro/230,48887
Janeiro/240,24736
Fevereiro0,47189
Março0,58616
Abril1,31899
Fonte: Nubank

Consultado, o Nubank não tinha porta-voz disponível até a publicação desta matéria.

ETF da Buena Vista

O outro é o Buena Vista US High Income (SPYI11). O produto espelha o índice norte-americano NEOSSPYI (SPYI), que investe numa cesta de ações de gigantes dos Estados Unidos, incluindo Apple, Microsoft, Amazon, Nvidia, Alphabet, Meta, Berkshire Hathaway e Tesla.

Dessa maneira, ele foi lançado na B3 em novembro de 2023 e o produto vem pagando desde então média superior a 1% mensalmente em proventos, em dólar.

Desempenho do ETF SPYI11

MêsRentabilidade
dez/231%
jan/241,05%
fev/241,02%
mar/241,03%
abr/240,99%
Fonte: Einar Rivero

Gerido pela asset brasiliense Buena Vista Capital, o SPYI11 tem atualmente um patrimônio de R$ 38 milhões, distribuídos entre cerca de 3 mil cotistas.

Diferente dos produtos tradicionais, que apenas repassam lucros das empresas aos cotistas, os proventos deste tipo ETF são resultado de um engenharia financeira.

Assim, operam com opções com o objetivo de maximizar ganhos aproveitando o sobe e desce do mercado, mas protegendo a carteira de oscilações muito acentuadas.

“É um produto que cabe bem tanto para investidor conservador quanto agressivo”, disse Renato Nobile, sócio e gestor da Buena Vista Capital.

ETF da Itaú Asset com renda mensal

No caso do Itaú, o ETF com renda mensal é o DIVD11.

Trata-se de um espelho de outro ETF do banco, o DIVO11.

Com a diferença de que no DIVO11 há automaticamente o reinvestimento dos dividendos na compra de mais cotas.

Já no DIVD11, os proventos são pagos em dinheiro, todo 10º dia útil de cada mês. E segue o IDIV, índice cujo cálculo considera a incorporação dos valores de proventos das empresas.

Já o novo ET espelha-se no IDIV B3 Price Return, versão do IDIV, mas que considera o pagamento dos dividendos aos acionistas.

Dessa maneira, segundo Renato Eid, líder de estratégias indexadas da Itaú Asset, o ETF responde à demanda do mercado por um produto que reúna três características: diversificação, histórico consistente de investimentos e previsibilidade de calendário dos proventos.

Naturalmente, a pessoa física é o público-alvo mais óbvio do produto, mas ele pode valer para qualquer classe de investidor, disse ele.

Uma vez que é recente, o DIVD11 não tem histórico de dividendos.

No entanto, é possível conferir no gráfico abaixo uma simulação do desempenho da remuneração paga desde 2018, na comparação com o Ibovespa (IBOV) e o Índice de Small Caps.

Segundo Eid, esse tipo de ETF pode ser uma alternativa para o investidor que quiser compor uma cesta de ativos que proporcionam renda regular, além de produtos de renda fixa, por exemplo.

Renato Eid Tucci, superintendente de estratégia beta e integração ESG da Itaú Asset, fala sobre o ETF de bitcoin e como investir nele.
Renato Eid Tucci, superintendente de estratégia beta e integração ESG da Itaú Asset. Foto: Divulgação/Iaú-Unibanco

Contudo, o investidor deve sempre observar que desempenhos passados não garantem rentabilidade futura, acrescentou.

ETF com dividendo mensal: novidade no Brasil, sucesso nos EUA

Embora ETFs sejam um produto em ascensão no Brasil, os focados em dividendos ainda são minoria.

Dos 85 ETFs listados na B3, somente cinco têm essa temática.

Além disso, não existe regra que obriga os ETFs a transferir os dividendos aos cotistas. 

Então, o mais comum é a prática similar à usada pelos fundos, com os proventos sendo incorporados para comprar novas cotas.

Desde janeiro do ano passado, porém, a B3 passou a permitir a listagem de novos ETFs que pagam dividendos.

Nos Estados Unidos, os ETFs que pagam dividendos regulares são populares entre investidores de varejo como fonte de renda passiva.

Lá existem mais de 80 fundos desta categoria, segundo o site Trading View.

“Lá, esse tipo de ETF virou uma espécie de fundo de previdência para investidores de varejo”, disse Nobile.

Raio X dos ETFs de ações na B3 que pagam dividendos mensais

AtivoBuena Vista US High Income Nu Renda Ibov Smart DividendosIt Now IDIV Renda Dividendos Fundo de Índice
TickerSPYI11NDIV11DIVD11
Gestor Buena Vista CapitalNu Asset ManagementItaú Asset
Índice de referênciaNEOSSPYI (SPYI)Ibovespa Smart Dividendos B3Índice de Dividendos (IDIV)
Investimento mínimoR$ 103,68R$ 112,84R$ 50
Taxa de administração0,83% ao ano0,5%0,5%
PatrimônioR$ 38 milhõesR$ 33,8 milhões
Número de cotistas3 mil9,8 mil
Rentabilidade no ano13%-2%
Fonte: ETFsBrasil e Itaú

ETFs com dividendos reinvestidos

Além dos ETFs que pagam dividendos em dinheiro, há mais alguns na B3 também com proventos regulares, mas os valores são reinvestidos automaticamente na compra de novas cotas.

Aqui listamos os dois que têm liquidez, ou seja, são negociados diariamente.

  • NU Ibov Smart Dividendos Fundo de Índice (NSDV11): É um espelho do NDIV11
  • IT Now Idiv Fundo de Índice (DIVO11): Lançado em 2012 sob gestão do Itaú Unibanco, busca seguir o índice Dividendos (IDIV) da B3