Morning call: Ibovespa caminha para terminar o mês de agosto no vermelho

Na semana, vindo de ganhos nas duas sessões anteriores, o principal índice da bolsa sobe 1,47% e, no ano, avança 7,11%

No padrão de idas e vindas que tem pautado o Ibovespa desde a série histórica de 13 quedas – concluída no dia 17 quando fechou abaixo dos 115 mil pontos -, o índice se aproxima do fim de agosto com perda de 3,61% no mês.

Nesta quarta-feira (30), oscilou de 117.470,87, perto do fechamento, até os 118.840,80 pontos, saindo de abertura a 118.404,16. E encerrou em baixa de 0,73%, aos 117.535,10 pontos, com giro financeiro mais uma vez bem fraco, limitado a R$ 16,7 bilhões.

Na semana, vindo de ganhos nas duas sessões anteriores, o principal índice da bolsa sobe 1,47% e, no ano, avança 7,11%.

Investidor estrangeiro na ponta de venda

“Mercado não anima: enquanto a China não melhorar, e o investidor estrangeiro continuar na ponta de venda, vai subir por quê?”, questiona Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença, acrescentando que os ativos em bolsa têm reagido, pontualmente, ao noticiário das empresas.

Assim, enquanto as ações de bancos subiram na terça-feira (29) com expectativa mais favorável sobre Juros Sobre Capital Próprio (JCP), na quarta-feira (30) voltaram a cair, realizando o avanço do dia anterior, ainda em meio às incertezas sobre a questão.

Depois do fechamento da Bolsa, fontes do governo em Brasília, ouvidas pelo Estadão, indicaram que o pacote de receitas, no âmbito da Proposta de Lei Orçamentária para 2024 (PLOA 2024), vai considerar o fim da dedutibilidade do JCP para todos os setores.

Para André Luiz Rocha, operador de renda variável da Manchester Investimentos, o mercado doméstico “transcreveu o resultado do PIB dos Estados Unidos, que cresceu 2,1% no segundo trimestre, abaixo do consenso de 2,4%, e dados do Brasil, com o Caged em linha com as expectativas, e queda do IGP-M, de 0,14% em agosto”.

Bolsas em Nova York

Em Nova York, a leitura do PIB americano foi olhada como copo meio cheio, no momento em que o mercado ainda segue atento à orientação da política monetária nos EUA, especialmente quanto ao espaço para aumentos adicionais nos juros de referência.

Em Nova York, na quarta-feira, o Dow Jones fechou em alta de 0,11%, o S&P 500 ganhou 0,38%, e o Nasdaq subiu 0,54%.

Olhando para frente, um grupo de empresas se prepara para abrir seu capital em Wall Street. O Goldman Sachs lidera uma série de ofertas públicas iniciais (IPOs) que ocorrerão no mês que vem e podem ajudar a abrir o setor depois de uma calmaria de quase dois anos.

Esses IPOs, que incluem a da designer de chips Arm e a da empresa de entrega de alimentos Instacart, também podem ajudar a renovar o interesse em outras partes do setor de bancos de investimento.

Bolsas da Ásia

Os mercados acionários da Ásia não tiveram sinal único, nesta quinta-feira (31), mas caíram em sua maioria. O quadro em Xangai foi negativo, com indicadores da China sendo avaliados, mas Tóquio subiu.

Na China, a Bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,55%, em 3.119,88 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, caiu 0,58%, a 2.037,32 pontos. Na agenda de indicadores, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria da China subiu de 49,3 em julho a 49,7 em agosto, ante previsão de 49,5 dos analistas ouvidos pela FactSet. Já o PMI de serviços recuou de 51,5 em julho a 51,0 em agosto, como esperado por analistas. Os números mistos não empolgaram analistas.

Em Tóquio, o índice Nikkei registrou alta de 0,88%, a 32.619,34 pontos. Ações ligadas ao setor de tecnologia estiveram entre os destaques, em quadro de menor preocupação com mais aperto monetário pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Entre ações em destaque, Recruit Holdings subiu 3,7% e Mitsubishi Corp., 3,2%.

O índice Kospi, em Seul, fechou em baixa de 0,19%, em 2.556,27 pontos. O mercado sul-coreano vinha de três dias de ganhos, o que abriu espaço para ajuste. Hansol Chemical e Korea Zinc caíram 3,9% e 3,3%, respectivamente. Em Taiwan, o índice Taiex recuou 0,51%, a 16.634,51 pontos.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng registrou baixa de 0,55%, a 18.382,06 pontos. Sinais de perda de fôlego na economia chinesa pesaram, em meio a avaliações sobre os números do PMI. Incorporadoras estiveram sob pressão, com Longfor Group em queda de 4,7% e Yuexiu Property, de 3,2%.

Agenda econômica da quinta-feira (31)

09h: PNAD Contínua/Taxa de desemprego de julho no Brasil (IBGE)

09h30: Índice de Preços para Despesas com Consumo Pessoal (PCE) de julho nos Estados Unidos

22h45: PMI Industrial Caixin de agosto na China

Com informações do Estadão Conteúdo