Ibovespa sobe 0,72% na sessão e termina setembro no azul; dólar recua 0,26%, mas tem alta no mês

No dia, pesaram sobre as decisões dos investidores a inflação americana e o mercado de trabalho brasileiro

A bolsa de valores hoje fechou em alta, enquanto o dólar desceu. O dia foi marcado pelo PCE dos EUA, principal indicador de inflação utilizado pelo Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) para calcular a taxa de juros. Além disso, o mercado avaliou os números da Pnad Contínua, que mede o desempenho do mercado de trabalho no Brasil.

Assim, o Ibovespa fechou esta sexta-feira (29) em alta de 0,72%, a 116.565,17 pontos. Mais cedo, na máxima, o índice chegou a 116.899,02. Com isso, o Ibovespa fez a terceira alta seguida.

No mês, o principal índice da bolsa avançou discretamente: alta de 0,71%, em boa parte, impulsionado pelo bom desempenho da semana, quando subiu 0,48%. No entanto, acabou fechando o terceiro trimestre com uma queda de 1,29%. Ainda assim, preserva desempenho positivo no ano, até aqui, com alta de 6,22%.

Confira o balanço dos principais índices da bolsa em setembro

Índice29 de setembroVariação do diaVariação do mêsVariação no ano
Ibovespa116.565+0,72%+0,71%+6,22%
IFIX3.219+0,82%+0,20%+12,28%
IDIV7.917+0,28%+1,32%+10,67%
BDRX12.972-0,21%-3,46%+17,23%
Fonte: B3

Dólar hoje

Em relação ao câmbio, o dólar voltou a perder força contra o real. A moeda norte-americana fechou o dia em queda de 0,26%, a R$ 5,0268. Na mínima, a divisa chegou a R$ 4,98.

O desempenho do dólar em setembro foi de alta de 1,49%, boa parte, acumulado na última semana do mês, quando a divisa avançou 1,84% na relação com o real. No ano, o dólar cai 4,92%.

No cenário internacional, o dólar também perdeu valor com relação a outras moedas importantes nesta sexta. O DXY caiu 0,04%, a 106,18 pontos. No mês, o índice avançou 2,48%.

Ações em alta na bolsa de valores hoje

Americanas saltou mais de 20% no pregão desta sexta e voltou a figurar entre as melhores do dia depois de um longo período sem oscilações positivas dessa dimensão. A empresa, que movimentou mais de R$ 34 milhões, foi seguida, de longe, por empresas de baixo volume. Veja a lista de melhores ações da sessão.

  • Americanas (AMER3) +21,79%
  • Alliar (AALR3) +6,78%
  • Log (LOGG3) +6,71%
  • Westwing (WEST3) +6,47%
  • Armac (ARML3) +6,12%

Ações em baixa

Entre as ações que mais perderam valor nesta sexta, destaque para a CVC. A empresa de turismo e viagens desceu mais de 3% e fechou entre as cinco com pior desempenho no pregão, com volume movimentado de mais de R$ 55 milhões no dia. No ano, os papéis descem mais de 42%. Veja a lista das cinco ações que mais caíram no dia.

  • Multilaser (MLAS3) -3,83%
  • Sequoia (SEQL3) -3,77%
  • Dasa (DASA3) -3,74%
  • CVC (CVCB3) -3,02%
  • Azevedo e Travassos (AZEV4) -2,63%

Os rankings contemplam ações com volume acima de R$ 1 milhão. As cotações foram apuradas entre 17h15 e 17h30, depois do fechamento, mas estão sujeitas a alterações.

Bolsas mundiais

As bolsas de Nova York fecharam sem direção única nesta sessão, com o PCE e o impasse orçamentário pesando sobre os índices. S&P 500 e Nasdaq registraram as maiores perdas mensais de 2023.

Assim, o índice Dow Jones fechou em queda de 0,47%, aos 33508,85 pontos; o S&P 500 teve perdas de 0,27%, aos 4288,26 pontos, e o Nasdaq subiu 0,14%, aos 13219,32 pontos. No acumulado da semana, Dow Jones perdeu 1,35%, S&P 500 cedeu 0,74% e Nasdaq ganhou 0,06%.

No mês, os três índices registraram baixas, de 3,86%, 4,66% e 5,20%, respectivamente. Já em relação ao fim do trimestre anterior, o Dow Jones caiu 2,61%, o S&P 500 recuou 3,64% e o Nasdaq devolveu 4,12%.

Europa

As bolsas da Europa fecharam ao dia em alta, com novos dados da inflação na zona do euro sustentando a tese de que o BCE chegou ao fim de sua alta de juros.

O FTSE 100 subiu 0,08% em Londres, a 7608,08 pontos. O DAX avançou 0,41%, a 15386,58 pontos, em Frankfurt. Em Paris, o CAC 40 teve alta de 0,26%, a 7135,06 pontos. Em Milão, o FTSE MIB subiu 0,28%, a 28243,26 pontos. Em Madri, o IBEX 35 teve alta de 0,15%, a 9.453,80 pontos. E o PSI 20 avançou 0,63%, a 6090,33 pontos, em Lisboa.

A sexta-feira marcou o último dia do terceiro trimestre de 2023, com Londres, Milão e Lisboa acumulando altas marginais no acumulado dos três meses. O índice Dax, porém, teve perdas de 4,71% no trimestre, Paris caiu 3,58% e Milão recuou 1,57%.

O que fez preço na bolsa de valores hoje

A Pnad Contínua, que mede a taxa de desemprego no Brasil, mexeu com a bolsa de valores hoje. O índice, divulgado esta manhã, apresentou queda para 7,8% no trimestre encerrado em agosto. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado veio em linha com as previsões de analistas, de acordo com Projeções Broadcast.

Essa é a menor taxa para um trimestre encerrado em agosto desde 2014. “O mercado de trabalho segue forte e com uma composição saudável, recuperando suas características intrínsecas”, avaliam Marco Caruso e Igor Cadilhac, economistas do PicPay.

“Olhando à frente, entendemos que os efeitos defasados da política monetária contribuirão para um aumento da taxa de desemprego, que ainda resistirá em patamares historicamente baixos por mais um tempo”, complementam.

Massa salarial em destaque

Além disso, a renda média real do trabalhador subiu para R$ 2.947 no trimestre encerrado em agosto. Dessa maneira, o resultado representa alta de 4,60% em relação ao mesmo trimestre de 2022.

Assim, para o economista André Perfeito, o mercado de trabalho fortalecido e o aumento da renda, que compõem a Massa Salarial Real Habitual, indicam que “o PIB deste ano deve avançar de maneira mais significativa”, podendo chegar a 3,5% na projeção do economista “caso outros indicadores corroborem o bom momento”, completa.  

Inflação nos EUA também impactou Ibovespa

O índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, medida de inflação preferida do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), registrou alta de 0,4% em agosto na comparação com julho, informou nesta sexta-feira (29) o Departamento do Comércio. Analistas ouvidos pela FactSet previam avanço de 0,5%.

Com informações do Estadão Conteúdo