Saiba como funciona a Selic e sua importância para a economia brasileira

A rentabilidade dos investimentos e os juros cobrados nos financiamentos são definidos a partir da taxa básica dos juros

Pontos-chave

  • A Selic é a principal ferramenta do Banco Central para controlar o dinheiro em circulação
  • O aumento da Selic beneficia a renda fixa, cuja remuneração é baseada em juros
  • Quando uma aplicação oferece 100% do DI, ela paga ao investidor o equivalente à taxa média dos empréstimos realizados entre os bancos

A Selic é a taxa básica de juros do Brasil. Definida pelo Banco Central (BC) em reuniões a cada 45 dias (a mais recente aconteceu ontem, 27), ela é uma referência tanto para os empréstimos como para as aplicações financeiras no país.

Quando o BC aumenta ou diminui a Selic, os outros bancos podem seguir o movimento e elevar ou reduzir os juros cobrados dos clientes nos seus financiamentos. Por isso, a Selic é um instrumento que ajuda o BC a proteger o valor da moeda, o Real, ao controlar a quantidade de dinheiro disponível na economia.

Se a Selic é reduzida, os juros bancários acompanham e mais clientes vão se interessar em tomar crédito barato; com mais dinheiro circulando, a economia se aquece e cresce. Porém, o BC não quer que a economia aqueça demais, porque muito dinheiro sobrando encoraja as empresas a aumentar os seus preços, levando à inflação. E, nesse caso, nossa moeda perde valor. Então, o BC faz o contrário: aumenta a Selic para esfriar os ânimos. Como aconteceu ontem.

No mercado financeiro, a Selic serve de parâmetro para os investimentos. A elevação da taxa aumenta os juros pagos nas aplicações de renda fixa, e a redução faz o rendimento cair. Em momentos de crise, a Selic chegou a 45% ao ano. Desde 2017, a taxa vinha sendo reduzida. Mas ontem, o BC fixou ela em 7,75%, um aumento de 1,5 ponto percentual em relação à última taxa. A Selic vigente agora vale até a próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), que acontece nos dias 7 e 8 de dezembro.

E o CDI?

O Certificado de Depósito Interbancário (CDI) é um título que funciona como uma nota promissória entre instituições financeiras. Na prática, um banco que encerrou o dia com caixa negativo procura outro que tem um bom saldo e faz um empréstimo para conseguir fechar no azul, entregando ao seu credor um CDI.

Os juros cobrados são a chamada taxa DI, que acompanha os movimentos da Selic, mas é calculada diariamente (muita gente chama de taxa CDI, o que é errado tecnicamente). Pessoas físicas não podem investir no CDI, entretanto, a taxa DI serve de referência para diversas outras aplicações, como o CDB, a Letra de Crédito Imobiliário (LCI), a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) e a Letra de Câmbio (LC).

Quando uma aplicação oferece 100% do DI quer dizer que ela paga ao investidor o equivalente à taxa média dos empréstimos realizados entre os bancos.

O que você precisa saber sobre a Selic

  • A Selic representa os juros básicos da economia brasileira e seus movimentos influenciam todas as taxas de juros praticadas no país, sejam as cobradas em empréstimos, sejam as que um investidor recebe ao realizar uma aplicação financeira.
  • Ela é a principal ferramenta do Banco Central para controlar o volume de recursos em circulação. Quando a economia está aquecida e há risco de inflação alta, a Selic é elevada, o que desestimula o consumo. Quando a Selic diminui, o consumo aumenta, e a economia tende a aquecer.
  • A cada ano são realizadas oito reuniões do Copom, órgão ligado ao Banco Central, para definição da taxa. Então, a cada 45 dias os responsáveis se reúnem para definir se a meta da Selic se mantém, se aumentará ou se será reduzida.
  • O aumento da Selic beneficia os investimentos de renda fixa (CDBs, letras de crédito, debêntures), que oferecem uma remuneração baseada em juros.

Você também pode gostar

Valor Econômico

Publicado em 07.dez.2021 às 08h09

Novo foco do Banco Central, expectativas para 2023 voltam a subir

Até a reunião de outubro, o BC vinha calibrando o ritmo de alta de juros para trazer a inflação para o centro da meta ainda em 2022

Júlia Moura

Atualizado em 07.dez.2021 às 08h59

IF HOJE: IGP-DI recua 0,58% em novembro

O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) caiu 0,58% em novembro, ante elevação de 1,60% no mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta terça-feira