Juros devem continuar subindo

Ata do Copom é marcada por uma só palavra: "incerteza"

Pontos-chave

  • Foco ainda é o controle da inflação
  • Há uma distância entre a expetativa de inflação feita pelo mercado financeiro e a do BC

A ata do Copom, divulgada nesta semana depois de o Comitê elevar os juros básicos do país para 12,75%, trouxe alguma luz para os investidores entenderem o que deve acontecer daqui para frente, ainda que essa luz esteja bem fraquinha. “Esta ata é mais clara do que a anterior, principalmente no que diz respeito aos próximos passos do Banco Central (BC). O mercado ficou com muitas dúvidas. O que temos agora é um documento mais claro”, disse Victor Vietti, especialista líder em investimentos do Itaú Unibanco, no Manhã Inteligente desta quarta-feira (11).

Segundo Victor, a ata reforça que os juros devem continuar subindo, mas em magnitude menor para controlar a inflação. “Desta vez, o BC põe peso nos indicadores de inflação para tomar uma nova decisão para a próxima reunião. Isso é bastante positivo porque fica claro que estão monitorando esses indicadores bem de perto”, afirma Victor.

De fato, o documento divulgado pelo Copom ressaltou que os dados de crescimento da economia estão dentro do esperado, mas que para os próximos meses deve se observar uma desaceleração devido ao aumento das taxas de juros. O Comitê menciona ainda os riscos globais, como a guerra na Ucrânia e a política de covid zero na China, que tem pressionando a inflação global.

Palavra de ordem é “incerteza”

“Mas o destaque da ata foi a quantidade de vezes que as palavras “incerto” e “incerteza” aparecem: nove vezes. Na ata anterior, eram 8. E na de fevereiro, 4. Ou seja: o próprio BC coloca dúvida sobre indicadores a serem divulgados. Há um gap entre expetativa de inflação feita pelo mercado financeiro, que vai de 8% a 8,5% para 2022, enquanto o BC trabalha com 7,3%”, pondera Victor. “De toda forma, nossa expectativa é de que haja mais dois aumentos nos juros brasileiros, que devem chegar a 13,75% no final do ano.”


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 12h37
Dólar opera em queda, abaixo dos R$ 4,95, de olho no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção