Carteira recomendada Itaú: sai Banco do Brasil entra Bradesco

Banco faz parte das recomendações de duas carteiras: Top 5 e a de Dividendos

Dividendos
– Ilustração: Renata Miwa

Pontos-chave

  • Ambos portfólios não têm a intenção de superar um indicador específico

O Bradesco acaba de fazer parte de duas carteiras recomendadas do Itaú: a Top 5 e a de Dividendos. Antes disso, porém, em abril, o gestor já havia feito uma troca relevante, tirando o BTG e colocando o Banco do Brasil (BB) em seu lugar na Top 5. Desde então, as ações do Banco do Brasil superaram o Ibovespa em quase 13 pontos percentuais, enquanto as ações do BTG empataram em performance com o índice. Naquele momento, a administração do portfólio percebeu que a melhor alocação em bancos deveria ser focada nos mais tradicionais, os chamados “bancões”.

A estratégia permanece a mesma, mas desta vez houve uma nova atualização visando o curto prazo. A gestão das carteiras, que estão sob a responsabilidade de Victor Natal (CPA, CNPI, CGA e CFA), substituiu o Banco do Brasil pelo Bradesco.

Qual foi o motivo da mudança?

Segundo o relatório do Itaú, no começo do segundo trimestre, o BB estava barato em termos de P/PL. Apesar disso ainda ser verdade, Bradesco parece ter um futuro de curto prazo mais interessante. A inadimplência da carteira deva piorar com menor intensidade no segundo semestre e o banco deva conseguir aumentar a margem financeira. Daí surgiu a oportunidade da inversão da tendência.

O que é a Carteira Top 5

A Carteira Top 5 é composta pelos cinco papéis que buscam capturar oportunidades de médio prazo. As ações que estão na carteira têm sempre pesos iguais e não há restrição de concentração setorial nem do número de alterações que podem ser realizadas. A escolha de cada uma delas leva em conta não somente a análise fundamentalista, mas também o momento de mercado e fundamentos macroeconômicos.

Qual é o objetivo de retorno da Top 5?

A Top 5 busca retorno absoluto, ou seja, não tem a intenção de superar nenhum indicador específico, o chamado benchmark. Ela é voltada para investidores que tenham interesse em oportunidades de médio prazo, com apetite para risco acima da média e que tenham conforto com alta volatilidade.

Quais papéis fazem parte da Top 5?

  • Petrorio (PRIO3);
  • Bradesco ( BBDC4);
  • Suzano ( SUZB3);
  • B3 (B3SA3);
  • Eletrobras (ELET3).

O que é a Carteira de Dividendos?

Já a Carteira de Dividendos é composta por cinco ações de empresas que se destacam em pagamento de dividendos. Os papéis têm pesos iguais e são selecionadas as ações que com altos índices de distribuição de dividendos (dividend yield), de empresas com previsibilidade de geração de caixa, o que traz um caráter defensivo ao investimento. O gestor explica que não há restrição de concentração setorial nem do número de alterações que podem ser realizadas.

Qual é o objetivo de retorno da Carteira de Dividendos?

A Carteira de Dividendos busca retorno absoluto, ou seja: não tem a intenção de superar um benchmark, assim como a Top 5. É importante ressaltar que, devido à característica mais defensiva da Carteira de Dividendos e a menor diversificação, não é ideal compará-la ao Ibovespa.

Quais papéis fazem parte da Carteira de Dividendos?

  • Bradesco (BBDC4);
  • CPFL Energia (CPFE3);
  • Copasa (CSMG3 );
  • Telefônica Brasil (VIVT3);
  • Vibra Distribuidor (VBBR3).

A Inteligência Financeira é um canal jornalístico e este conteúdo não deve ser interpretado como uma recomendação de compra ou venda de investimentos. Antes de investir, verifique seu perfil de investidor, seus objetivos e mantenha-se sempre bem informado.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 10h46
Ibovespa começa semana em alta acompanhando pares globais

Investidores monitoram de perto os riscos fiscais e políticos

Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 08h44
IF Hoje: Indicadores da atividade econômica nos EUA são destaque

No Brasil, atenções estão no risco fiscal e na mudança de gestão na Petrobras

Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 08h26
Dólar deve permanecer pressionado no exterior com melhor desempenho de mercado global de ações

O dólar inicia a semana mais fraco no mercado internacional, de olho nos proximos movimentos do banco central dos EUA

Valor Econômico Publicado em 27.jun.2022 às 07h48
Risco-Brasil aumenta e ativos locais têm piora com discussão fiscal

Medidas em debate para mitigar alta dos combustíveis geram desconfiança entre investidores

Redação IF Publicado em 27.jun.2022 às 07h37
‘Teremos petróleo elevado dois ou três anos’ , afirma CEO da 3R Petroleum

Executivo vê cotação do barril alta por mais tempo, o que favorece produção, mas diz que a saída não é ‘mudar arcabouços legais por razões transitórias’