Twitter reavalia oferta de Musk e pode ser mais receptivo a um acordo

O bilionário fez uma proposta de US$ 43 bilhões para comprar a rede social

Foto: Reprodução/TED

O Twitter está reexaminando a oferta de aquisição de US$ 43 bilhões de Elon Musk depois que o bilionário conseguiu financiamento para a oferta, em um sinal de que a empresa de mídia social pode ser mais receptiva a um acordo.

Esperava-se que o Twitter rejeitasse a oferta que Musk fez no início deste mês, sem dizer como pagaria por ela. Mas depois que ele divulgou na semana passada que agora tem US$ 46,5 bilhões em financiamento, o Twitter está reavaliando a oferta e está mais propenso do que antes a tentar negociar, disseram pessoas familiarizadas com o assunto. A situação é muito volátil e ainda está longe de ser garantido que o Twitter venha a aceitar a proposta.

O Twitter ainda está trabalhando em uma estimativa de seu próprio valor, que precisaria chegar perto da oferta de Musk, e também poderia insistir em adicionais como a concordância de Musk em cobrir custos se o acordo não for adiante, algumas das pessoas disseram.

Os dois lados se reunirão neste domingo para discutir a proposta de Musk, disseram as pessoas.

Espera-se que o Twitter avalie a oferta quando divulgar os resultados do primeiro trimestre na quinta-feira, se não antes, disseram as pessoas. A resposta do Twitter não será necessariamente em preto e branco, e pode deixar a porta aberta para convidar outros ofertantes ou negociar com Musk em outros termos que não o preço. Musk reiterou ao presidente do Twitter, Bret Taylor, nos últimos dias, que não vai desistir de sua oferta de US$ 54,20 por ação, disseram as pessoas.

A possível reviravolta por parte do Twitter ocorre depois que Musk reuniu-se em particular na sexta-feira com vários acionistas da empresa para exaltar as virtudes de sua proposta, repetindo que o conselho tem uma decisão de “sim ou não” a tomar, segundo pessoas familiarizado com o assunto. Ele também se comprometeu a resolver os problemas de liberdade de expressão que ele considera que assolam a plataforma e o país de forma mais ampla, independentemente de sua oferta ter sucesso ou não, disseram eles.

O presidente-executivo da Tesla fez seu discurso para alguns acionistas em uma série de chamadas de vídeo, com foco em fundos de gestão ativa, disseram as pessoas, na esperança de que eles pudessem influenciar a decisão da empresa.

Musk disse que não vê como a administração do Twitter pode fazer com que a ação atinja seu preço de oferta por conta própria, dados os problemas no negócio e a persistente incapacidade de corrigi-los. Não foi possível saber se ele detalhou etapas específicas que tomaria, embora tenha tuitado sobre querer reduzir a dependência da plataforma em publicidade, bem como fazer mudanças mais simples, como permitir tuítes mais longos.

Musk já tem alguns acionistas o apoiando depois das tele conferências. Lauri Brunner, que administra o fundo de empresas de alto valor de mercado da Thrivent Asset Management, vê Musk como um operador habilidoso. “Ele tem um histórico estabelecido na Tesla”, disse ela. “Ele é o catalisador para entregar um forte desempenho operacional no Twitter.” A Thrivent, com sede em Mineapólis, tem uma participação de aproximadamente 0,4% no Twitter no valor de US$ 160 milhões e também é acionista da Tesla.

Musk já disse que considera levar sua oferta diretamente aos acionistas por meio de uma oferta pública de aquisição (OPA). Mesmo se ele obtivesse um apoio significativo dos acionistas em uma oferta desse tipo — o que está longe de ser garantido — ele ainda precisaria de uma maneira de contornar a “pílula de veneno” da empresa, uma manobra legal empregada que efetivamente o impede de aumentar sua participação para 15% ou mais.

Uma tática frequentemente empregada para levar adiante uma oferta, tentar ganhar o controle do conselho da empresa-alvo, está fora de alcance por enquanto. Os conselheiros do Twitter tem mandatos escalonados, o que significa que um acionista dissidente precisaria de vários anos para obter o controle, em vez de um único voto de acionista. O Twitter tentou no ano passado eliminar gradualmente os mandatos escalonados do conselho, uma vez que são desaprovados pelas regras de governança, mas poucos acionistas votaram na medida. A empresa está tentando fazer isso novamente na assembleia anual deste ano, marcada para 25 de maio. Apenas dois conselheiros estão concorrendo à reeleição, e é tarde demais para Musk nomear seu próprio.

As ações do Twitter estão sendo negociadas abaixo de seu preço de oferta desde que ele fez a oferta em 14 de abril, normalmente um sinal de que os acionistas estão céticos de que um acordo acontecerá, embora tenham fechado cerca de 4% na sexta-feira a US$ 48,93, um dia depois que ele revelou o financiamento para o acordo. Ele sugeriu que, se a oferta atual não for adiante, ele poderá vender sua participação, de mais de 9%.

O financiamento inclui mais de US$ 25 bilhões em dívidas provenientes de quase todos os bancos de investimento de primeira linha do mundo, além dos dois assessores do Twitter. O restante são US$ 21 bilhões em ações que Musk forneceria a si mesmo, provavelmente vendendo participações existentes em seus outros negócios, como a Tesla. A velocidade com que o financiamento foi montado e queda do mercado nos últimos dias — o que faz com que a oferta em dinheiro pareça relativamente mais atraente — provavelmente contribuiu para a maior vontade de acolher a proposta de Musk.

O conselho do Twitter deve conversar com Musk, já que suas ações “não chegaram a lugar nenhum” desde que a empresa abriu seu capital há oito anos, disse Jeff Gramm, um gerente de portfólio da Bandera Partners, um fundo de hedge de Nova York com cerca de US$ 385 milhões sob gestão. A empresa comprou ações do Twitter pela última vez em fevereiro e possui cerca de 950 mil no total, o que representa cerca de 11% de seu portfólio.

Gramm disse que o conselho do Twitter não pode desistir da oferta de Musk sem fornecer uma alternativa que dê valor real aos acionistas. “Não tenho certeza do que isso pode ser neste estágio, além de encontrar um lance mais alto”, disse ele.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 19h14
NY: Empresas de tecnologia recuperam perdas; ações de aéreas americanas fecham em alta

Dados positivos de vendas no varejo nos EUA e sinais de reabertura na China alimentam otimismo

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h48
Ação da Hapvida despenca 16% e lidera perdas do Ibovespa

Itaú BBA tem recomendação "outperform" para o papel, com preço-alvo de R$ 17 para o fim de 2022

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h36
Muitos investidores de criptomoedas não sabem o que estão comprando, diz dirigente do BoE

Jon Cunliffe, do banco central britânico, intensificou o pedido para que as autoridades regulem os criptoativos

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 15h20
Dólar recua e toca R$ 4,94 com alívio externo

Clima favorável para ativos de risco domina o mercado internacional nesta terça