Qual a chance de o Ibovespa ficar acima dos 120 mil pontos no fim de 2022?

Pesquisa do Bank of America consultou agentes com US$ 94 bilhões sob gestão

Foto: Divulgação

Pontos-chave

  • Avanço dos juros nos EUA está entre os principais riscos citados
  • A eleição brasileira ganha terreno entre as incertezas

O mercado está mais otimista com a performance do Ibovespa, mas entende que as eleições ainda devem impactar os negócios, dizem gestores de 31 fundos latino-americanos, com aproximadamente US$ 94 bilhões bilhões sob gestão, ao Bank of America, na edição de junho do “LatAm Fund Manager Survey”.

Segundo a pesquisa, 48% dos agentes entrevistados acreditam que o índice brasileiro pode alcançar ou ultrapassar os 120 mil pontos até o final de 2022, contra 33% no mês passado. O dado mostra que, apesar da melhora no sentimento, a maior parte dos participantes ainda enxerga o índice abaixo deste patamar.

Nessa linha, os principais riscos citados pelos profissionais são: avanço dos juros nos Estados Unidos, China e commodities e desaceleração da economia americana. Em quarto lugar, ganhando terreno em junho, está a política latino-americana, impulsionada pela eleição brasileira.

Quase 80% dos participantes esperam que o mercado reaja às pesquisas eleitorais e mais de 60% estão preocupados com as eleições em si. “Temos ouvido de investidores que as eleições no Brasil podem não fazer preço, pois os candidatos já são conhecidos e devem caminhar para o centro à medida que as eleições se aproximam. Mas os investidores do Fund Manager Survey dizem o contrário”, aponta o documento.

Com isso, e apesar de uma melhora nas expectativas, os níveis de caixa permanecem próximos às máximas da pesquisa (iniciada em 2018) em 6,8%, contra 7% no mês passado e 4,5% da média histórica. Os níveis de proteção estão ligeiramente acima da média histórica e a tomada de risco ligeiramente abaixo.

“A maioria dos participantes continua dizendo que ativos de “valor’ e commodities terão desempenho superior nos próximos seis meses, com energia e finanças entre os setores com maior alocação. Na outra ponta, aparecem comércio discricionário, bens de consumo, e serviços de comunicação”, diz o texto.

Já no ambiente macro, 81% dizem que o crescimento do PIB do Brasil deve ser maior que 1% este ano, contra 35% no mês passado. As expectativas para a Selic permanecem bastante estáveis, com 71% esperando uma taxa entre 13% e 13,75% no final do ano. Em relação ao real, agentes esperam cotação entre R$ 4,8 e R$ 5,10 ao fim de 2022. E apenas 35% esperam um dólar mais forte em relação aos pares (contra 50% no mês passado).

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico

Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições