IF HOJE: Ata do Copom prevê desaceleração maior da economia e juros altos por mais tempo

Na semana passada, comitê do Banco Central aumentou Selic de 12,75% ao ano para 13,25% ao ano

Sede do Banco Central, em Brasília-DF (Foto: Rodrigo Oliveira/Caixa Econômica Federal)

O Banco Central informou nesta terça-feira (21) que prevê uma desaceleração da atividade econômica mais acentuada e acrescentou que, para conter a inflação, ainda elevada e disseminada, precisará subir mais os juros e mantê-los altos por um período maior de tempo.

As informações foram divulgadas por meio da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central realizada na semana passada, quando a taxa básica de juros da economia foi elevada de 12,75% ao ano para 13,25% ao ano – um aumento de 0,5 ponto percentual. Foi décimo primeiro aumento seguido na taxa Selic, que atingiu o maior patamar desde dezembro de 2016.

Para calibrar o nível dos juros, o sistema adotado é o de metas de inflação. Neste momento, o BC já está ajustando a taxa Selic para atingir a meta de inflação do ano que vem, uma vez que as decisões sobre juros demoram de seis a 18 meses para terem impacto pleno na economia. Para 2023, a meta de inflação foi fixada 3,25%, e será considerada formalmente cumprida se oscilar entre 1,75% e 4,75%.

No cenário de referência com o qual o BC trabalhava para a taxa de juros, segundo a instituição, tendo por base pesquisa feita com o mercado financeiro, os juros avançariam para 13,25% ao ano em 2022, recuariam para 10% em 2023 e para 7,5% ao ano em 2024. Entretanto, a instituição avaliou que os juros terão de ser maiores, e permanecer altos por um período maior de tempo, para atingir a meta de inflação de 2024 — cujo teto é de 4,75%.

“O Comitê avalia, com base nas projeções utilizadas e seu balanço de riscos, que a estratégia requerida para trazer a inflação projetada em 4% [para 2023] para o redor da meta no horizonte relevante conjuga, de um lado, taxa de juros terminal acima da utilizada no cenário de referência e, de outro, manutenção da taxa de juros em território significativamente contracionista [juros altos] por um período mais prolongado que o utilizado no cenário de referência”, diz o comunicado.

Agenda do dia

  • 9h30 – EUA: Índice de atividade nacional (maio), do Fed de Chicago
  • 10h: Sondagem da indústria da construção (maio), da CNI
  • 10h15: Monitor do PIB (abril), da FGV
  • 11h – EUA: Vendas de imóveis residenciais usados (maio), da associação de corretoras de imóveis

Com conteúdo g1 e VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais