Ações da Petrobras despencam com ameaça política no radar

Bolsonaro e Lira prometem ofensiva contra a companhia

Petrobras: como fica as ações da Petrobrás, que é de capital misto, em ano eleitoral? Melhor vender esses papeis? Ou compra mais? Baseado em eleições passadas, o que acostuma acontecer? Depois de novembro, o cenário para elas muda completamente?

Após confirmar o reajuste de 5,18% no preço da gasolina e o aumento de 14,26% no valor do diesel vendido em suas refinarias, a Petrobras voltou ao centro do palco político e suas ações passaram a despencar em sessão que já era de correção para o Ibovespa. Às 15h10, o índice cedia 3,71%, aos 98.991 pontos, enquanto as ações preferenciais da estatal tombavam 9,94% e as ordinárias cediam 10,44%.

Em Brasília, após o reajuste, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que o presidente da Petrobras, José Mauro, tem que renunciar “imediatamente” ao cargo. “Ele só representa a si mesmo e o que faz deixará um legado de destruição para a empresa, para o país e para o povo. Saia!!! Pois sua gestão é um ato de terrorismo corporativo”, disse Lira em seu perfil no Twitter.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro havia dito que a Petrobras “pode mergulhar o Brasil num caos”. A declaração foi feita em suas redes sociais, ainda antes de a estatal anunciar o reajuste nos preços da gasolina e do diesel. “O governo federal como acionista é contra qualquer reajuste nos combustíveis, não só pelo exagerado lucro da Petrobras em plena crise mundial, bem como pelo interesse público previsto na Lei das Estatais”, disse.

Analistas ouvidos pelo Valor PRO entendem que a volatilidade dos papéis deve se manter elevada. Para a Levante, um reajuste nos preços dos combustíveis era esperado, e necessário, para que se diminua a defasagem com os preços internacionais e reduza o risco de desabastecimento. Mas, apesar de a medida ser positiva para a estatal, as fortes declarações de importantes personagens políticos aumentam consideravelmente a pressão sobre a companhia, o que deve se traduzir em uma maior volatilidade nas ações no curto prazo.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h48
Fleury compra Pardini e se aproxima da Dasa no setor de diagnóstico; fusão não altera perspectiva de crescimento, diz Itaú BBA

As ações da Pardini fecharam com alta de 18,99%, negociadas a R$ 19,99, e as da Fleury subiram 16,10%, cotadas a R$ 16,30

5 min
Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 18h54
Ibovespa cai 11,50% em junho no pior mês para o mercado local desde março de 2020

Índice perde 5,99% no primeiro semestre; destaque no pregão de hoje, Fleury disparou 16,1% após assinar acordo de fusão com Pardini, que subiu 18,99%

1 min
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 17h13
S&P 500 registra pior primeiro semestre desde 1970, Nasdaq fecha trimestre com queda de 1%

O índice Nasdaq, que reúne empresas não financeiras e as de tecnologia, caiu mais de 20% nos últimos três meses, seu pior desempenho desde 2008

1 min
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 15h17
Dólar apaga ganhos e fica abaixo dos R$ 5,20

Moeda americana chegou a R$ 5,27 na máxima do dia

1 min
Redação IF Publicado em 30.jun.2022 às 14h23
4 min