FGV: inflação do Dia das Mães é a maior em 20 anos

As atrações culturais aparecem entre as melhores candidatas para um bom programa para celebrar a data

(Foto: Pixabay)

Levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), a partir de 31 produtos e serviços do Índice de Preços ao Consumidor – Mercado (IPC-M), indicou que os presentes e os serviços mais procurados para o Dia das Mães apresentaram o maior aumento registrado para essa cesta nos últimos 20 anos: em 2003, o reajuste foi de 10,83%. Já nos últimos 12 meses o aumento médio foi de 9,07%, ligeiramente abaixo da inflação acumulada no período, de 10,37%.

A pesquisa também mostrou que os serviços foram os protagonistas dessa inflação, subindo 13,79%, sendo a alta puxada pelas passagens aéreas, cujos preços quase dobraram no período: avanço de 72,83%. Também na cesta de serviços, restaurantes (8,13%), hotéis (5,72%), excursões e tours (4,54%) e salões de beleza (4,19%) sofreram aumentos, mas abaixo da inflação geral. As atrações culturais, assim como no ano passado, seguem sendo as melhores candidatas para um bom programa com a mamãe, com seus preços perto da estabilidade em relação ao ano passado: shows (0,12%), cinemas (1,33%) e teatros (1,42%) ainda apresentam reajuste bem tímido na medida em que as atividades retornam à normalidade pós-pandemia.

O economista Matheus Peçanha, pesquisador do FGV Ibre, avalia que a retomada pós-pandemia tem um papel importante nessa dinâmica. “O setor turístico apresentou um incremento na demanda que estava reprimida desde a pandemia da Covid-19, e os preços estão refletindo isso. No caso dos restaurantes, ainda há o agravante do custo dos alimentos, que tem sido o foco da inflação recente”, explicou.

Pelo lado dos produtos mais comumente escolhidos como presente, a cesta de 22 bens duráveis e semiduráveis teve um crescimento médio de 4,25%. As maiores altas vieram principalmente dos eletrodomésticos e do setor têxtil: cama, mesa e banho (11,04%), geladeira e freezer (8,73%), máquina de lavar roupas (7,5%), micro-ondas (6,75%) e roupas femininas (6,62%). Na parte inferior da lista, os menores aumentos ficaram na conta da linha marrom e alguns bens semiduráveis: perfume (0,15%), computadores e periféricos (0,34%), celulares (0,65%), artigos de maquiagem (0,92%) e fogão (1,97%).

“Pelo lado dos presentes, a tônica parece ser a inércia”, comentou Peçanha. “Após um período difícil para o custo da indústria de bens duráveis com as commodities metálicas acumulando sucessivos aumentos em 2020 e 2021, a matéria-prima alcançou um patamar de estabilidade, mas nem isso e nem os benefícios tarifários proporcionados pelo governo parecem surtir efeito para segurar a ainda persistente (apesar de mais fraca) volatilidade nos preços ao consumidor final”, destacou.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 18h02
Prévia da inflação de maio deve elevar projeções para a Selic, avaliam economistas

Analistas do mercado consideram que ciclo de aperto monetário pode se estender mais um pouco

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 10h23
Presidente do Bradesco diz que inflação deve começar a ficar ‘mais controlada’ a partir de 2023

Octavio de Lazari Junior acredita também que a taxa de juros 'só poderá ser reduzida no ano que vem'

Redação IF Publicado em 23.maio.2022 às 09h16
Macy’s pode oferecer pistas sobre força dos gastos do consumidor nos EUA

Investidores monitoram pistas sobre o comportamento da inflação no país