Dólar fecha em forte alta após subida dos juros no Brasil e nos EUA

Nesta quinta-feira (5), a moeda norte-americana avançou 2,38%, a R$ 5,0166

Foto: Pixabay

O dólar fechou em alta esta quinta-feira (4), após a elevação dos juros no Brasil e nos Estados Unidos e com os mercados avaliando os próximos passos de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e do Comitê de Política Monetária (Copom).

A moeda norte-americana subiu 2,38%, cotada a R$ 5,0166. Na máxima da sessão, chegou a R$ 5,0578.

Na quarta-feira, o dólar recuou 1,26%, cotado a R$ 4,90. Com o resultado desta quinta, passou a acumular alta de 1,50% no mês. No ano, no entanto, tem queda de 10,01% no ano frente ao real.

Na véspera, o Fed aumentou os juros em 0,5 ponto percentual, para uma faixa de 0,75% a 1,0%, o maior aumento desde 2000. O chefe do banco central norte-americano, Jerome Powell, afirmou que as autoridades de política monetária não estão considerando intensificar ainda mais a dose de aperto em suas próximas reuniões, para 0,75 ponto percentual, como temiam alguns agentes financeiros.

A declaração aliviou ativos de risco na última sessão e fez o dólar despencar tanto no exterior quanto no mercado local. Esse movimento, no entanto, teve forte reversão nesta quinta-feira, com investidores continuando a acreditar que o Fed será forçado a endurecer a postura no combate à inflação, que está nos maiores patamares em 40 anos na maior economia do mundo.

Já o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou a taxa Selic de 11,75% ao ano para 12,75% ao ano e indicou uma extensão do ciclo de alta dos juros. Com a nova alta, a Selic atingiu o maior patamar em mais de cinco anos e o Brasil retomou a liderança do ranking mundial de juros reais.

Um aumento dos juros tem vários reflexos na economia como encarecimento do crédito e do custo da dívida pública. Com um financiamento mais caro, empresas podem também passar a investir menos, impactando negativamente o Produto Interno Bruto (PIB), o emprego e a renda.

Já juros mais altos nos EUA elevam a atratividade de se investir na segura renda fixa norte-americana, o que tende a aumentar o ingresso de recursos na maior economia do mundo e, consequentemente, valorizar o dólar frente a outras moedas.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 17h58
Dólar tem queda de 0,89% com corte de juros na China e acumula baixa de 3,64% na semana

O real seguiu o movimento das moedas de países emergentes nesta sexta (20)

1 min
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

1 min
Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 17h38
Em sessão volátil, dólar fecha em queda de 0,14%, a R$ 5,05

O movimento acompanhou o enfraquecimento da moeda americana no mercado externo

1 min
Redação IF Atualizado em 12.maio.2022 às 17h54
Dólar recua a R$ 5,1395 e fecha em queda nesta quinta-feira

Moeda americana chegou a R$ 5,20 na máxima do dia

2 min