Veja 10 ações recomendadas pelos especialistas para investir em julho de 2024

Entre os destaques nas carteiras de indicações do mercado financeiro para o mês estão os papéis de Petrobras, JBS e Equatorial

O Ibovespa abre o segundo semestre de 2024 com perdas acumuladas perto de 8%. Mas isso não significa que não há oportunidades na bolsa de valores brasileira. Fomos conferir as principais carteiras do mercado financeiro para saber quais são as ações recomendadas para julho.

Antes de tudo, e você já vai entender, vale registrar também a disparada de mais de 15% do dólar até aqui. A cotação da americana passou a rondar a casa de R$ 5,60 pela primeira vez desde janeiro de 2022.

Então, de um lado a queda da bolsa abre brechas para o investidor que busca garimpar “ações descontadas”. Ou seja, papéis que estão sendo negociados abaixo do potencial de valorização.

Enquanto isso, a alta do dólar favorece as companhias exportadoras. Principalmente aquelas que têm as despesas financeiras atreladas ao real.

Dito isso, quais são as ações recomendadas pelos especialista para o mês?

Além dos dois quesitos observados acima, a nossa lista traz ainda papéis que podem pagar dividendos e BDRs para quem mira exposição global sem sair da B3.

PETR4

“Recentemente, a Petrobras teve uma mudança em seu comando, o que suscitou dúvidas sobre o rumo a ser adotado em alguns tópicos. Como pagamento de dividendos e alocação de capital.

No entanto, as primeiras sinalizações indicaram que os rumos a serem adotados são positivos. Com reforço da continuidade de dimensões importantes do plano estratégico 2024-28, como a política comercial, o investimento em energias renováveis e a reposição de reservas.

As expectativas sobre o resultado 2T24 são positivas, com câmbio e petróleo em patamares que mantém a boa rentabilidade. Por isso, PETR4 segue entre nossas ações recomendadas para julho.

Assim, a manutenção em nossa carteira de ações recomendadas conta com tais perspectivas. Além de uma visão de longo prazo que mantém as boas perspectivas de crescimento da produção, com custos de extração reduzidos.

Logo, uma combinação que deve seguir produzindo boa geração de caixa e retorno ao acionista.” (BB Investimentos)

JBSS3

“A JBS é uma das principais empresas de alimento do mundo, com uma atuação diversificada entre segmentos e países. No Brasil, a companhia conta com renomadas marcas como Friboi, Swift e Seara, a segunda maior produtora e exportadora de carne de frango e suína do país.

Ao mesmo tempo, a JBS opera nos mercados de carne bovina e preparados nos EUA, Canadá, Austrália. Além de carne suína nos EUA, e é controladora da Pilgrims’s Pride Corporation, companhia de capital aberto e listada na Nasdaq. Essa com operação de carnes in natura e preparados nos EUA, México e Europa.

Após um 2023 desafiador, com diferentes fatores macro e micro afetando negativamente todas as linhas de negócio da companhia simultaneamente, avaliamos que a JBS deva atravessar um caminho de recuperação pela frente.

Principalmente decorrente da melhora sequencial no segmento de frango no Brasil (Seara) e nos EUA (PPC).

Mesmo com a sua operação de bovinos nos EUA rodando em um nível subótimo de rentabilidade ao longo dos próximos anos, vemos a JBS entregando um FCFE yield de 12% para 2024 e 10% para 2025. Reforçando a resiliência de seu balanço e vantagem competitiva da sua diversificação.

Por fim, avaliamos que a JBS possa se beneficiar da apreciação do dólar frente ao real, tendo em vista ~85% da sua operação em moeda estrangeira. Ela é uma das nossas ações recomendadas deste mês.” (Itaú BBA)

KLBN11

“Estamos adicionando a Klabin ao nosso portfólio de ações recomendadas. Isso devido a seus atributos defensivos, exposição cambial, sólida dinâmica de lucros e valuation barato.

Ainda que mantenhamos uma recomendação neutra em relação à Klabin, acreditamos que a empresa deverá se beneficiar de perspectivas melhores em todas as suas unidades de negócios no curto prazo. Levando a um sólido (e melhorado) momento de lucros nos próximos trimestres – prevemos um crescimento de aproximadamente 20% no EBITDA no segundo trimestre.

Embora os preços da celulose possam sofrer uma queda nos próximos meses, eles permanecem em níveis elevados. Enquanto observamos tendências positivas de demanda e preços para kraftliner e caixas de papelão ondulado.

Como os projetos Puma II e Figueira continuam a se desenvolver, prevemos que a empresa apresentará um crescimento de volume de aproximadamente 10% em 2024. O que acreditamos que o mercado dá muito pouco crédito.

Também vemos a Klabin como um bom veículo para exposição ao dólar: cada 10% de depreciação do real = +14% de impacto no EBITDA.

Adicionalmente, a Klabin está sendo negociada a um múltiplo descontado de ~6,5x EV/EBITDA para 2024 (bem abaixo de 8-8,5x justo/histórico). E esperamos ver uma expansão de múltiplos à medida que o consenso aumente gradualmente suas estimativas de lucros nos próximos meses.” (BTG Pactual)

EQTL3

“Taticamente, optamos pela troca da nossa posição em Sabesp pela Equatorial entre nossas ações recomendadas. Entendemos que deve ser a nova acionista da Sabesp, por ter sido a única a realizar uma proposta (para ser sócio de referência em privatização).

Devido ao seu histórico de disciplina financeira em aquisições realizadas no passado, vemos como provável um valuation adquirido favorável aos acionistas da Equatorial.

No longo prazo, ainda enxergamos a tese de saneamento como positiva.” (Ativa Investimentos)

CPLE6

“A Copel é uma empresa integrada. Ou seja, atua nos quatro subsegmentos do setor de energia elétrica. São eles: geração, transmissão, distribuição e comercialização.

A empresa possui 62 usinas próprias. Sendo 18 hidrelétricas, 1 térmica e 43 eólicas). Bem como participação em outros 14 empreendimentos de geração de energia (1 térmica, 8 hidrelétricas, 4 parques eólicos e 1 solar).

Em agosto de 2023, a Copel concluiu o processo de transformação da companhia em uma corporation, sem acionista controlador, diante da liquidação financeira de oferta base secundária de ações do Estado do Paraná e da oferta primária de novas ações.

Nesse sentido, o governo paranaense reduziu participação das ações com direito de voto de 69,66% para cerca de 32,32%. Uma vez privatizada, reforçamos nossa recomendação de compra e preço-alvo de R$ 12,50 para 2024. A partir de premissas que incluem redução de despesas e menor custo de capital para nossas ações recomendadas.

Por isso, em nossa visão, a Copel é um dos nomes mais atrativos no setor, negociando com uma TIR (taxa interna de retorno) real próxima dos 10%.” (Ágora Investimentos)

RDOR3

“A Rede D’Or é o maior grupo hospitalar do Brasil. A empresa tem forte presença em quase todas as regiões do país, apoiada por uma robusta agenda de fusões e aquisições.

Assim, a Rede D’Or também oferece uma ampla e crescente gama de serviços. Incluindo serviços hospitalares, consultas, diagnósticos e oncologia, em um portfólio diversificado que varia de preços intermediários a premium.

A companhia fez uma aquisição transformacional da SulAmérica e está presente no setor de planos de saúde.

Mantemos a nossa perspectiva positiva sobre a ação, apoiada pelo seu forte posicionamento na indústria. O que ajudou a mitigar os desafios enfrentados por outros prestadores de serviços ultimamente.

Além disso, a empresa está passando por um bom momento operacional, à medida que acrescenta capacidade ao longo de 2024.

A SulAmérica também está se beneficiando de um melhor controle de sinistros e reajuste de preços.

Portanto, avaliamos que a Rede D’Or está bem posicionada para dominar o segmento de renda média-alta do setor de saúde.” (Itaú BBA)

WEGE3

“Os movimentos recentes das ações da WEG seguem demonstrando resiliência e descorrelação do ativo frente ao índice. Bastante similar à tese de investimentos da companhia, que busca uma atuação ampla e global, com foco em eficiência energética.

Sua diversificação de negócios, produtos, geográfica e de moedas (receita) é fundamental para atravessar momentos de incerteza. Como os de agora, com menos solavancos.

Em junho, as ações da WEG valorizaram ~+12%, contra ~+1,4% do Ibovespa. Em nossa visão, beneficiada pela alta do dólar, o que deve inclusive impulsionar os resultados da companhia no segundo trimestre. Dada sua alta exposição à divisa americana (~50% de sua receita).

Para o segundo trimestre, há também a expectativa de conhecermos os números da Regal Rexnord. A mais relevante aquisição recente da WEG, anunciada em 2023). Que serão incorporados aos balanços.

Por fim, a WEG divulga os resultados do 2T24 em 31 de julho. É uma de nossas ações recomendadas.” (BB Investimentos)

ECOR3

“A EcoRodovias é uma das principais empresas de infraestrutura do Brasil. Com operações em 11 concessões rodoviárias, totalizando mais de 4.700 km, além de ativos portuários e atuação em oito estados do país.

Seu desempenho operacional tem sido sólido, com crescimento consistente no tráfego. Contribuindo para manter a alavancagem financeira estável (relação dívida líquida/EBITDA de 3,4x no 1T24).

Embora tenha um pipeline robusto para leilões de rodovias neste ano, a EcoRodovias optou por não participar dos últimos dois leilões. Demonstrando disciplina financeira ao preservar o caixa para ativos que se alinhem melhor ao seu portfólio atual.

Nossa recomendação se baseia nos seguintes fatores: pipeline futuro promissor para leilões de rodovias Valuation atrativo e risco limitado de estouro de orçamento devido a preços mais baixos das matérias-primas.” (Ágora Investimentos)

DISB34

“A Walt Disney Company opera como uma empresa de entretenimento e mídia e está entre as ações que recomendamos . Os segmentos de negócios da companhia incluem serviços de mídia, parques e resorts, estúdio de entretenimento, produtos de consumo e mídia interativa. Nosso otimismo com a Disney está baseado em três pilares.

Crescimento das operações de streaming. A expansão contínua das plataformas de streaming da Disney, como Disney+, representa um significativo catalisador. Com aumento constante na base de assinantes, receitas recorrentes e ganhos de participação de mercado em relação as plataformas tradicionais de mídia.

Reestruturação corporativa. A empresa está implementando uma reestruturação estratégica, focada na otimização de custos operacionais. E maior eficiência operacional dos seus parques temáticos.

Desconto no múltiplo Preço/Lucro. O valuation da Disney, em termos de múltiplo Preço/Lucro, apresenta um desconto de mais de 60% em relação à Netflix para 2024.” (BTG Pactual)

TSMC34

“A inserção da TSMC entre as ações recomendadas tende a aumentar um pouco mais a nossa exposição ao segmento de semicondutores. Por meio de um papel relativamente barato dessa parte da economia.

Como comparação, enquanto a Nvidia e a AMD estão negociando por cerca de 45 e 60 vezes seus lucros projetados, o múltiplo da TSMC está perto das 25 vezes.

Parte desse desconto está ligado ao receio geopolítico que alguns investidores tem com a tese, dado a possibilidade de um conflito entre China e Taiwan acabar espirrando na empresa.

Mas dada a importância da TSMC para a economia global, e com uma tecnologia muito mais avançada que suas principais concorrentes, entendo que qualquer episódio contra a companhia será altamente calculado para evitar maiores problemas.” (Empiricus Research)

Leia a seguir

Leia a seguir