Veja as 10 ações recomendadas pelos especialistas para investir em dezembro

Nossa seleção destaca os papéis preferidos de bancos, gestoras e casas especializadas

Você está satisfeito com o retorno da sua carteira de investimentos até aqui, em 2023? Acha que é a hora de trocar posições pensando em ganhos maiores em 2024? Para te ajudar nessa avaliação, a gente traz a já tradicional lista das 10 ações recomendadas pelos agentes financeiros para dezembro.

Depois de um salto de mais de 12% em novembro, o Ibovespa, nosso principal índice de referência da bolsa de valores, busca agora seu patamar histórico. Sabe qual é? De 131 mil pontos, que foi alcançado em junho de 2021.

Se não for superado agora no último mês de 2024, tudo indica que será atingido em algum ponto de 2024. O Itaú BBA, por exemplo, estima o índice em 145 mil pontos no final do ano que vem. Já o Safra espera um avanço a 142 mil pontos.

Bom, mas indo ao que interessa. A nossa seleção de ações recomendadas destaca os papéis preferidos no mês de bancos, gestoras e casas especializadas.

Então, vamos lá!

Ações do Itaú (ITUB4)

“Nossa indicação de Itaú Unibanco entre as ações recomendadas para dezembro é justificada pela continuidade do bom momento do banco. Ela é reforçada pelo resultado do 3T23, divulgado no dia 6 de novembro.

Assim, ao registrar mais um trimestre de retorno sobre patrimônio líquido (ROE) acima de 20% dentro de um contexto de desaceleração do crédito e inadimplência em escalada, o banco permanece sendo a opção mais equilibrada entre crescimento e rentabilidade dentre os grandes bancos de varejo de nossa cobertura.

Isso graças a um mix de crédito favorável, dividido entre perfis PF, PJ, Grandes Empresas e Varejo Alta Renda.

Com a continuidade da queda dos juros, vemos o Itaú bem posicionado para continuar rentabilizando sobre uma carteira de crédito com maior apetite à medida que vemos uma inadimplência com viés de queda para 2024.” (BB Investimentos)

Ações da Cielo (CIEL3)

“A dinâmica melhorou, sem dúvida, no setor dos pagamentos. Globalmente, vimos uma recuperação, com a empresa holandesa de pagamentos internacional Adyen subindo quase 40% em um dia. Isso depois de divulgar melhores projeções no seu Investor Day.

A Stone e PAGS se valorizaram impressionantes 55% e 41% só em novembro, impulsionados por resultados melhores que o esperado no 3T e o recente Investor Day da Stone.

Por outro lado, a CIEL3 experimentou uma valorização mais modesta de apenas 14% e permanece em queda de 20% no acumulado do ano. Isso resultou em um múltiplo P/L muito baixo para Cielo de 5,5-6x P/L para 2024, um desconto substancial em comparação aos pares listados nos EUA.

Embora os números do terceiro trimestre da Cielo não tenham sido inspiradores, a dinâmica parece mais favorável no quarto trimestre para o líder em participação de mercado.

O Volume Total de Pagamentos (TPV) está se recuperando e a Cielo não está mais perdendo participação de mercado como nos últimos trimestres. Além disso, não há pressão significativa sobre os preços, apesar de que o início do ciclo de afrouxamento de política monetária deve contribuir para um lucro mais elevado.

Caso haja indícios de aumento de dividendos ou de aprovação de recompra, acreditamos que há espaço para uma expansão de múltiplos, entre as ações recomendadas para o mês .” (BTG Pactual)

Ações da SLC Agrícola (SLCE3)

“A produtora de commodities agrícolas SLC tem chamado a nossa atenção, com resultados resilientes projetados à frente. Estamos otimistas em relação à companhia no longo prazo.

Contudo, com números de colheita revisados para cima, beneficiados pelo El Niño, os olhares devem permanecer voltados para o ritmo de plantio da companhia. Isso por conta da irregularidade das chuvas e do ligeiro atraso na semeadura que vem sendo observado no Mato Grosso.

Nesse contexto, a SLC já plantou 71% da sua área de soja e observou que as culturas têm se desenvolvido bem até agora, sem impactos do fenômeno climático.

Vemos o papel como uma boa oportunidade de compra, com um dividend yield de 2024 projetado de mais de 8%.” (Itaú BBA)

Ações da Cyrela (CYRE3)

“A Cyrela é uma incorporadora e construtora de imóveis residenciais sediada no estado de São Paulo. Seu acionista controlador é o empresário Elie Horn. Atualmente opera em 16 Estados e 66 cidades no Brasil, além da Argentina e Uruguai.

Então, a empresa existe há 50 anos e conta com mais de 8 mil clientes. Dentre suas principais obras, destacam-se os empreendimentos Faria Lima Financial Center na cidade de São Paulo, JK Financial Center na mesma cidade, e os empreendimentos Le Parc Residencial Resort e Le Monde, no Rio de Janeiro.

Acreditamos na evolução da receita impulsionada principalmente pelo desempenho operacional, com evolução da margem bruta devido a lançamentos de projetos mais rentáveis para 2024. Preço-alvo 12 Meses: R$ 27,00.” (Terra Investimentos)

Ações da Multiplan (MULT3)

“Incluímos a Multiplan entre as ações recomendadas. Ela é uma companhia imobiliária full service, planejando e administrando um portfólio de valor, de ativos e centros comerciais do país, cuja principal localização em centros urbanos, com a estratégia de construir no entorno de seus ativos, edifícios comerciais, prédios residenciais e hotéis, a fim de elevar fluxo e ganhar sinergias, se beneficiando, ainda da valorização como reflexo de sua atratividade.

Logo, a expectativa de elevação de gastos em serviços e segmento de lazer, férias escolares, sazonalidade, 13º salário e o clima (chuva e calor) também devem beneficiar os ganhos da companhia para os próximos trimestres.

Aliados a manutenção da queda da taxa de juros, planos de auxílios governamentais e queda do valor do petróleo e derivados, impactando custo de frete e poder de compra da população.

Assim, entendemos que a companhia deverá apresentar positivo resultados nos próximos períodos, beneficiados, ainda, por uma demanda reprimida aliados a geração de
empregos.” (MyCAP Investimentos)

Ações da Ambipar (AMBP3)

“Para o mês de dezembro, estamos incluindo a Ambipar entre as ações recomendadas. A empresa foi constituída em 2010, e foi criada para atuar como holding, controladora de participações societárias.

A companhia é formada por dois segmentos de referência no mercado de gestão ambiental, o ‘Environment’ e ‘Response’.

Portanto, a Ambipar abriu capital em 13 de julho de 2020. Foi a primeira empresa de gestão ambiental a entrar na B3. Possui na sua base de ações da Emergência Participações (“Ambipar Response) a HPX Corp.

Nesse sentido, a Ambipar possui um grande mar azul de oportunidades nas frentes de gestão de resíduos, economia circular e serviços prestados através da Response tanto no Brasil, como fora do Brasil.” (Órama Investimentos)

Ações da Caixa Seguridade (CXSE3)

“A Caixa Seguridade é uma holding especializada em seguros, corretagem e previdência. Com aproximadamente R$ 35 bilhões de valor de mercado, é controlada pela Caixa, que tem participação de 82,75% na companhia.

Porém, entre as empresas do grupo, destacam-se: XS1, especializada em seguros de vida, prestamista e previdência; XS3, especializada em seguro habitacional e residencial e Caixa Corretora, focada na corretagem dos produtos da BB Seguridade.

CNP Seguros, XS4, XS5 e XS6 são as outras empresas do grupo.

Nossa preferência entre as ações recomendadas pela Caixa Seguridade está fundamentada no bom momento operacional. Esperamos um forte crescimento do lucro nos próximos anos devido à sua elevada exposição a setores resilientes como o imobiliário.

Além de ganhos de eficiência nas novas operações e à ainda elevada taxa de juros, que beneficia seu resultado financeiro.” (Itaú BBA)

Ações da RaiaDrogasil (RADL3)

“A RD divulgou resultados sólidos referentes ao 3T23, com crescimento de 15% de receita líquida, 20% em EBITDA e 30% em lucro líquido na comparação anual. Esse crescimento refletiu o ganho de alavancagem operacional, especialmente em lojas maduras, cujo crescimento tem vindo acima da inflação.

Um dos principais focos de atenção da companhia nos próximos meses é a redução de despesas gerais e administrativas (G&A), sendo feito ajustes para que essa diluição possa aparecer de forma mais consistente a partir de 2024.

Assim, no último dia 9 de novembro, a companhia sediou seu investor day, ocasião na qual revisou a projeção de abertura bruta de lojas deste ano para 270 (antes 260) e para os próximos 2 anos, elevando para 280 a 300 lojas em cada exercício.

Essas projeções estão embasadas na sua estratégia de expansão visando à consolidação de mercado, capacidade financeira para suportar os investimentos e capacidade para obter pontos comerciais atrativos.

Vale pontuar que a sua fronteira mais recente de expansão é a região Norte, em que possui 8,9% de participação de mercado e na qual espera aumentar a participação rapidamente conforme as lojas abertas nos últimos amadureçam.” (BB Investimentos)

BDRs da Rio Tinto (RIOT34)

“A Rio Tinto atua no setor de materiais básicos com destaque para a comercialização de minério de ferro. Estamos adicionando a companhia ao portfólio com base em nossa visão otimista para a commodity no curto prazo.

Então, o preço do produto segue em patamares resilientes (cerca de US$ 130/ton).

Além disso, o pouco aumento de capacidade das principais companhias do setor e a continuidade da política de estímulos para a recuperação do mercado imobiliário chinês reforçam a nossa expectativa.” (BTG Pactual)

BDRs da Coca-Cola (COCA34)

“A Coca-Cola se destaca em benefícios de escala, uma vez que o seu volume é três vezes o tamanho de seu maior concorrente no mercado global de bebidas não alcoólicas.

Além disso, os esforços de publicidade são incomparáveis com concorrentes, o que contribui para a manutenção de reconhecimento das marcas pelo consumidor e sua relevância.

Gostamos da característica de resiliência nos resultados da empresa a longo prazo.

Assim, a companhia poderia se beneficiar também de parcerias com engarrafadores estratégicos em mercados emergentes para avançar com suas marcas existentes ou com novos produtos alinhados aos gostos locais.” (Ágora Investimentos)