Proteção contra crises, saiba como investir em ouro na bolsa

Investimento antigo e tradicional, o ouro é mais buscado em momentos de incertezas

O ouro é um dos investimentos mais antigos e tradicionais que existem no mercado. O metal já foi usado como moeda em negociações financeiras e comerciais, mas ainda hoje tem seu espaço nas finanças. Por isso, saber como investir em ouro é essencial para investidores.

Atualmente seu principal papel é trazer segurança e estabilidade para a carteira de investimentos. Isso porque o metal protege contra a inflação, a desvalorização das moedas e os riscos de mercado, já que tem oferta limitada e provou seu valor ao longo do tempo.

É por isso que em momentos de incertezas o preço do ouro sobe. Neste cenário, a valorização do metal reflete um aumento da demanda, pois mais investidores procuram segurança, explica Vitor Amorim, especialista em investimentos da Top Gain Research.

Portanto, os investidores podem utilizar o ouro como uma forma de diversificar suas carteiras, reduzindo a exposição a riscos específicos de determinados mercados ou setores.

“O metal também fornece uma proteção contra instabilidades geopolíticas e incertezas econômicas”, afirma o CEO da Box Asset Management, Fabrício Gonçalvez.

Como investir em ouro na bolsa de valores

Além do ouro na forma física, existem também opções de investimento na bolsa de valores que permitem acesso ao investimento no metal a preços acessíveis e com maior liquidez.

O CEO da Box Asset Management ressalta que cada uma das alternativas têm vantagens e desvantagens, e é importante entender os riscos e custos associados a cada uma antes de tomar uma decisão de investimento. Conheça:

ETFs

Os ETFs são fundos de investimento nos quais as cotas são negociadas como se fossem ações. Atualmente existe disponível na B3ETF GOLD11, que busca replicar as oscilações de preço do ouro através do investimento em outro ETF (IAU). O IAU é negociado no mercado americano e acompanha as cotações da commodity. 

BDRs de ETFs

Outra opção na bolsa é o BDR de ETF, um “certificado de compra” de um ETF que é negociado lá fora. São três opções disponíveis na B3, mas apenas uma delas está disponível para todos os investidores: o BIAU39, certificado do ETF IAU.

Fundos de investimento

Outra alternativa para investir no metal são fundos de investimentos que têm ouro na carteira. Neste caso o investidor vai delegar a forma de se expor ao metal para gestores profissionais.

Contratos futuros

Por fim, também há a alternativa de o investidor adquirir contratos futuros de ouro. Ou seja, um compromisso de compra ou venda do metal negociado no Mercado Futuro. Os ativos dessa categoria disponíveis na B3 são: OZ1, OZ2, OZ3.

O especialista em investimento da Top Gain Research alerta que os contratos futuros têm vencimento e podem envolver alavancagem. Portanto, não recomendado para investidores iniciantes.

Vantagens e desvantagens de investir em ouro

Amorim, da Top Gain, aponta que uma dass vantagens de investir em ouro é que o metal não tem relação com nenhuma moeda fiduciária. Ou seja, não depende de nenhuma economia. “Por isso o metal é considerado um ativo seguro”.

Além disso, o ouro é uma forma tangível de investimento que pode ser mantida fisicamente ou em uma conta bancária, diz Gonçalvez.

Já entre as desvantagens do investimento os especialistas ressaltam que o ouro não é um gerador de renda, como ações que pagam dividendos e títulos de renda fixa que pagam juros semestrais.

Outra desvantagem do metal é que seu preço é volátil, o que pode trazer prejuízos ao investidor em determinados períodos, principalmente no curto prazo.

O que influencia o preço do ouro?

Existem diversos fatores que podem influenciar a cotação do ouro. Porém, por se tratar de uma commodity limitada, a oferta e demanda pelo produto é o principal fator de variação do preço.

O cenário da economia mundial é o que dita a busca pelo metal, já que está ligado à segurança. Portanto, a cotação pode ser afetada por várias questões, como a estabilidade geopolítica, a evolução da economia mundial, mudanças nas taxas de juros e nas políticas monetárias.

Segundo Fabrício Gonçalvez, outros fatores que podem afetar o preço do ouro incluem flutuações cambiais, que tornam o metal mais ou menos acessível em diferentes países.

“Os preços do ouro também podem ser afetados pelas negociações em mercados futuros, onde os investidores compram e vendem contratos de ouro com o objetivo de especular ou fazer hedge, bem como pelo desempenho de outros ativos financeiros, como ações e títulos”, afirma.

Leia a seguir

Leia a seguir