Morning call: bolsa começa o ano com o desafio de manter o fôlego demonstrado em 2023

O Ibovespa fechou 2023 em alta superior a 22%, a 134.185,24 pontos

O primeiro morning call do ano indica que a bolsa de valores, em 2024, tem o desafio de manter o ritmo da valorização experimentado em 2023.

Dessa forma, vale lembrar: o Ibovespa fechou 2023 em alta superior a 22%, a 134.185,24 pontos.

Assim, o desempenho no ano passado foi o melhor desde 2019, quando o índice havia avançado 31,58%, de acordo com o Estadão Broadcast.

Por fim, a bolsa encerrou dezembro com valorização de 5,38%. Ainda relembrando os dados anuais, importante destacar que o dólar recuou 8,08% em 2023.

Ainda, a bolsa trabalha com a possibilidade de realização de lucros neste início do ano. A informação é destacada por Fabio Perina, estrategista de ações do Itaú BBA, e sua equipe técnica. Mesmo assim, o banco acredita que existe a possibilidade, em 2024, do Ibovespa perseguir os 150 mil pontos.

Indicadores da semana no morning call

Assim, a bolsa deve ser influenciada, nesta primeira semana do ano, por alguns indicadores importante. Nesta terça-feira (2), será divulgado o primeiro Boletim Focus do ano pelo Banco Central. Mas a atenção do mercado deve se concentrar na quarta-feira (3). É nesta data que o Federal Reserve, o Fed, vai divulgar a ata da sua última reunião de política monetária.

Dessa maneira, há no horizonte a perspectiva de início do ciclo de queda de juros nos Estados Unidos e a ata pode dar mais pistas se isso deve realmente ocorrer em breve.

Bolsas de Nova York

No último pregão em Nova York, na sexta-feira, dia 29 de dezembro, o índice Dow Jones fechou em queda de 0,05% (37.689,54 pontos), o S&P 500 caiu 0,28% (4.769,83 pontos) e o Nasdaq recuou 0,56% (15.011,35 pontos). Já em todo o ano passado, as bolsas norte-americanas tiveram alta:

  • Dow Jones avançou 13,70%
  • S&P 500 teve ganho de 24,23%
  • Nasdaq cresceu 43,42%

Bolsas da Ásia e Pacífico

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam sem direção única no primeiro pregão de 2024, com as chinesas recuando após dados contrastantes de atividade manufatureira e a da Austrália se aproximando de seu nível recorde.

Na China continental, o índice Xangai Composto caiu 0,43% nesta terça-feira, a 2.962,28 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto teve perda de 0,76%, a 1.823,85.

Pesquisa da S&P Global em parceria com a Caixin mostrou que o PMI industrial chinês subiu marginalmente entre novembro e dezembro, de 50,7 para 50,8, com a leitura acima de 50 sinalizando expansão da manufatura pelo segundo mês consecutivo.

O levantamento oficial da China, por outro lado, apontou queda do PMI industrial no mesmo período, de 49,4 para 49, indicando contração no setor.

Em outras partes da Ásia, o Hang Seng apresentou baixa de 1,52% em Hong Kong, a 16.788,55 pontos, pressionado por ações de incorporadoras como Longfor Group (-7%) e China Resources Land (-5,4%), e o Taiex caiu 0,43% em Taiwan, a 17.853,76 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi subiu 0,55% em Seul, a 2.669,81 pontos.

Em Tóquio, não houve negócios hoje em função de um feriado.

Na Oceania, o índice australiano S&P/ASX 200 avançou 0,49% em Sydney, a 7.627,80 pontos, ficando bem próximo da máxima histórica atingida em agosto de 2021, em meio ao bom desempenho de ações de petrolíferas, mineradoras e bancos.

Com informações do Estadão Conteúdo e da Dow Jones Newswires