Morning call: confira informações que você precisa saber antes do 2º semestre na bolsa

Confira quais são as informações importantes e que podem movimentar o mercado de renda variável

O morning call de hoje chega para mostrar que a semana começa com o mercado de olho no Boletim Focus do Banco Central e nada além disso. O documento será divulgado como sempre na segunda.

Assim, embora surpresas sempre possam acontecer, é de olho neste documento que o mercado começa oficialmente o segundo semestre na bolsa de valores.

Antes, os resultados da bolsa de sexta-feira

O Ibovespa recuou na sessão, em dia de alta dos juros futuros dos Estados Unidos e do Brasil, mas conseguiu encerrar a semana (+2,11%) e o mês de junho (+1,48%) no campo positivo, com investidores realizando compras de oportunidade em papéis descontados, principalmente os que se beneficiam da alta do dólar. No ano, o referencial acumula queda de 7,66%.

No fim do dia, o índice recuou 0,32%, aos 123.907 pontos.

Nas mínimas intradiárias, tocou os 123.298 pontos e, nas máximas, os 124.500 pontos. O volume financeiro negociado na sessão (até as 17h15) foi de R$ 16,93 bilhões no Ibovespa e R$ 21,90 bilhões na B3. Em Nova York, o S&P 500 recuou 0,41%, aos 5.460 pontos, Dow Jones fechou em baixa de 0,12%, aos 39.118 pontos e Nasdaq caiu 0,71%, aos 17.732 pontos.

Mas para além do que aconteceu, é hora de também apresentar para o investidor que acompanha a Inteligência Financeira as notícias sem as quais ele não deve começar a semana.

Morning call: no que prestar atenção

Nubank (ROXO34) e as letras financeiras

Dessa forma, notícia de sexta-feira indica que o Nubank (ROXO34) informou que concluiu sua primeira oferta pública de letras financeiras. O valor? R$ 1 bilhão. O banco digital afirmou que a transação atraiu forte demanda dos investidores. Para saber mais, basta clicar aqui.

BDRs para prestar atenção

Assim, antes de abrir o mercado, vale a pena o investidor se inteirar da lista do Itaú BBA de BDRs com potencial de valorização. O banco de investimentos aposta em Apple e Inter em sua carteira. Para saber mais detalhes, vale ler a reportagem completa de Raphael Coraccini.

Caso Americanas (AMER3) seguirá repercutindo

Na letra fria do mercado, a Americanas (AMER3) já não tem mais tanta importância assim. Como as ações da empresa perderam muito valor, a varejista está até mesmo fora do Ibovespa, o principal índice da B3. Ainda assim, o tema continua quente após a prisão do ex-diretor-executivo da companhia. Vale a pena se inteirar mais sobre o assunto nesta reportagem.

Dessa forma, confira a seguir um recorte exclusivo do podcast PodInvestir, original da Inteligência Financeira, com Fabiano Rios, da Absolute Investimentos. Ele conta que está com foco em aumentar sua participação em bolsa de valores.

Morning call: como fecharam as bolsas nos Estados Unidos

As bolsas de Nova York passaram por uma correção no pregão desta sexta-feira, o último do primeiro semestre de 2024.

De olho nos riscos políticos após o primeiro debate entre Joe Biden e Donald Trump, os investidores reduziram a alocação em ativos de risco após os índices saltarem nos primeiros seis meses do ano, impulsionados pelo rali de inteligência artificial (IA) generativa.

Leia a seguir

Leia a seguir

Performance dos índices

O Dow Jones encerrou o pregão em queda de 0,12%, a 39.118,86 pontos; o S&P 500 recuou 0,41%, a 5.460,48 pontos; e o Nasdaq desvalorizou 0,71%, a 17.732,60 pontos.

Na semana, os dois primeiros índices acumularam baixa de 0,08%, enquanto o Nasdaq teve alta modesta de 0,24%. No acumulado de junho, os índices avançaram 1,12%, 3,47% e 5,96%, respectivamente.

Já no segundo trimestre, o Dow Jones acumulou queda de 1,73%, enquanto o S&P 500 avançou 3,92% e o Nasdaq, 8,26%. Por fim, no primeiro semestre de 2024, os ganhos foram de 3,79%, 14,48% e 18,13%, respectivamente.

Nike Air Force 1, um dos objetos de desejo dos fãs da marca americana – Foto: divulgação

Os dois últimos índices haviam batido novos recordes intradiários pouco depois da abertura, após o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) desacelerar dentro do esperado em maio e melhorar as perspectivas por cortes de juros do Federal Reserve (Fed). No entanto, o movimento não se sustentou diante de uma correção generalizada dos mercados em Nova York.

Queda expressiva da Nike

Entre ações, destacou-se hoje a queda de quase 20% da Nike. A empresa divulgou números decepcionantes em seu balanço do quarto trimestre fiscal por conta de uma menor demanda dos consumidores. Com isso, bancos como o Wells Fargo e o HSBC reduziram o preço-alvo e pioraram a avaliação dos papéis da Nike.

Fechamento na Ásia

Os principais índices acionários da Ásia encerraram o dia em alta, em meio ao sentimento positivo que tomou conta dos mercados da região após a divulgação de dados sobre a atividade da China e do Japão.

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) apurado pelo grupo de mídia chinês Caixin subiu para 51,8 em junho em comparação com 51,7 em maio.

Por sua vez, no Japão, o principal índice de sentimento entre os grandes fabricantes foi de +13, em comparação com +11 no trimestre findo em março, de acordo com a pesquisa trimestral Tankan, apurada pelo Banco do Japão (BoJ).

China continental

Nesse contexto, na China continental, o índice Xangai Composto subiu 0,90%, para 2.994,73 pontos, liderado por ações de energia.

A PetroChina avançou 1,1% e a China Petroleum & Chemical Corp subiu 1,1%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng ficou fechado devido à comemoração do dia do estabelecimento da região administrativa especial de Hong Kong.

Tóquio

Em Tóquio, o índice Nikkei subiu 0,10%, para 39.631,06 pontos, liderado por ganhos nas ações de empresas de transporte marítimo e de comércio.

Além dos dados, o sentimento também foi impulsionado pelas esperanças contínuas de possíveis cortes nas taxas do Federal Reserve (Fed). A Kawasaki Kisen subiu 6,8% e a Mitsubishi Corp. subiu 3,5%.

Bolsa de Seul

Por sua vez, o índice Kospi, da bolsa de Seul, subiu 0,2% para fechar em 2.804,31 pontos, revertendo as perdas iniciais. As ações de baterias e biotecnologia estiveram entre os principais ganhos.

Os investidores analisaram os dados comerciais, mostrando que as exportações cresceram pelo nono mês consecutivo devido à forte demanda por chips em junho, embora o crescimento tenha desacelerado em relação ao ano anterior. A LG Energy Solution subiu 6,3% e a Celltrion Inc. ganhou 5,6%.

Índia

Na Índia, o índice Sensex subiu 0,56%, a 79.476,19 pontos, liderado por ganhos nas ações do setor siderúrgico e automobilístico. A JSW Steel subiu 1,2% e a Maruti Suzuki India teve alta de 0,8%.

Com informações do Valor Econômico