Ibovespa busca os 122 mil pontos impulsionado por altas de Petrobras e Vale; valorização do índice em 2023 supera 10%

Principal índice de referência da bolsa brasileira caminhava para fechar julho no campo positivo

A bolsa brasileira apresentava ganhos firmes desde o começo da sessão desta segunda-feira (31) refletindo principalmente a valorização das ações da Petrobras. Números positivos da economia da China também favorecem os negócios na abertura

Por volta das 14h40, o Ibovespa avançava 1,50%, aos 121.987 pontos – indo a 122.148 na máxima do pregão. Assim, o índice subia mais de 3% em julho e mais de 11% no acumulado de 2023.

No mesmo horário, o dólar rondava a estabilidade, praticamente no zero a zero, com alta de 0,01%, cotado a R$ 4,733 – tendo variado entre R$ 4,705 e R$ 4,760. A moeda norte-americana caminhava para fechar julho com desvalorização de 1% contra o real. A apreciação da divisa no ano está na faixa de 10%.

Na sexta-feira (28), a Petrobras anunciou a mudança na sua política de remuneração aos acionistas, que continua a ser aplicada sobre o fluxo de caixa livre (diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos) e trimestral.

A diferença é que o porcentual foi reduzido de 60% para 45%, cinco pontos a mais do que vinha sendo especulado no mercado. O novo plano também cria espaço para realização de programas de recompra de ações, uma iniciativa inédita na estatal.

Os papéis ordinários e preferenciais da petroleira (PETR3; PETR4) subiam 4,72% e 3,86%, respectivamente. A companhia divulga o balanços do segundo trimestre na próxima quinta-feira.

Na cena externa, especificamente na China, o Índice dos Gerentes de Compras (PMI) da indústria avançou de 49,0 em junho para 49,3 em julho, acima do esperado (49,2).

Além disso, os líderes do governo chinês prometeram mais apoio ao setor imobiliário e ao consumo, em meio à crescente preocupação com a desaceleração da segunda
maior economia do mundo.

Grande exportadora para o gigante asiático, a Vale também pegava carona no dia positivo. As ações da mineradora avançavam perto de 3%.

No radar da semana, os agentes seguem em compasso de espera pela decisão do Copom na próxima quarta-feira (02/08), onde se espera que o comitê dê início ao ciclo de afrouxamento monetário. O maior debate reside na magnitude do corte da taxa Selic, se 0,25 ou 0,50 ponto percentual, e no teor do comunicado.

Por fim, os investidores também aguardam a divulgação de dados do mercado de trabalho (payroll) dos Estados Unidos, no intuito de calibrar os próximos passos do Fed (Federal Reserve, o banco central norte-americano).