Pix Automático começa em abril de 2024 e vai competir com débito automático

BC promete que novo modelo para pagar contas recorrentes será mais simples e abrangente

O Pix, sistema de transferências instantâneas liderado pelo Banco Central, deve passar a ter uma função para pagamento de contas recorrentes a partir de abril de 2024, num modelo parecido com o do débito automático.

Batizado de Pix Automático, o serviço permitirá o pagamento de serviços como contas de água, luz, escolas academia, condomínio, serviços de streamings, entre outros.

Segundo o BC, a nova modalidade facilitará a programação dos pagamento em relação ao sistema de débito automático, que depende de convênios entre prestador do serviço e cada instituição financeira, o que pode tornar o serviço complexo e caro – e o que restringe seu alcance.

Confira abaixo o cronograma do Pix Automático segundo o Banco Central.

“Ampliar o uso do Pix para esse caso trará mais competitividade ao setor, uma vez que o modelo é aberto e poderá ser ofertado para as empresas por qualquer instituição participante do Pix, sejam grandes bancos, bancos digitais, cooperativas e fintechs”, afirmou o BC em nota.

Além de acesso mais fácil, o Pix Automático permitirá que o cliente, ao assinar um contrato com o prestador de serviço, receba uma notificação no aplicativo do banco para confirmar a autorização. A partir daí, os pagamentos serão efetuados de forma automática, sem necessidade de que o cliente autentique cada transação.

O cliente também poderá confirmar a autorização por meio de QR Code ou pelo Pix Copia e Cola

O serviço, gratuito para o pagador, permitirá ainda a definição de um limite máximo do valor da parcela debitada. A função também poderá ser cancelada a qualquer momento.

Vem aí o Pix Crédito

O débito automático é uma antessala para um outro serviço que deve entrar na pauta do BC para o Pix ainda em 2024, o Pix Crédito, que permitirá o pagamento de compras em prestações.

A transação dispensará bandeiras de cartões e que, por ter um intermediário a menos, poderá também ter menos custos, o que deve resultar em taxas e juros menores do que os cobrados hoje em transações com cartões de crédito.

O produto está sendo desenvolvido por meio do Lift, um hub de inovação apoiado pelo BC, em parceria com a Fenasbac, a federação de funcionários do próprio regulador, além da cooperativa de crédito Ailos.
“O Pix Crédito será a próxima grande evolução do Pix”, disse o diretor de Inovação da Fenasbac, Rodrigoh Henriques à Inteligência Financeira.