Pix

Direto ao Ponto
Pix

Pix é um meio de pagamento instantâneo, disponível a qualquer hora e dia. É gratuito para pessoas físicas, mas os bancos podem cobrar para que empresas usem o serviço.

O dinheiro pode ser transferido de uma conta para outra em até dez segundos. Além de transferir e receber, você pode também fazer compras usando o Pix e pagar contas, como as de luz e celular. Pode ser usado por pessoas físicas e jurídicas.

O Pix é gratuito?

Para pessoas físicas e MEIs, o serviço é gratuito, mas há exceções – os bancos podem definir as tarifas livremente. Pode haver cobrança de tarifa quando se configura atividade comercial. Por exemplo:

  • Recebimento de mais de 30 Pix mensais, seja por QR Code, chave Pix ou inserção de dados manualmente;
  • Recebimento via QR Code (gerado para automação comercial).

Como funciona o Pix?

Ele é uma função que aparece no aplicativo do seu banco ou da instituição de pagamento (como fintechs), na qual você tem conta. Para se cadastrar, é necessário ter uma conta-corrente, poupança ou conta de pagamento, além de um celular com internet. A chave pode ser CPF/CNPJ, e-mail, número de celular. Ao se cadastrar, você não precisa mais informar banco, agência e conta para receber o pagamento. Basta dar a chave Pix.

Existe um valor limite para usar?

Não há limite mínimo para pagamentos ou transferências. No entanto, por questões de segurança, os bancos estabelecem limites máximos de valor por transação e por período do dia. Para o Pix (e outros meios de pagamento) o Banco Central criou um limite para transações entre pessoas físicas no período noturno (das 20h às 6h): R$ 1.000, devido ao aumento de número de roubos de celular. Mas o cliente pode solicitar ao banco o ajuste desse limite e também cadastrar contas que terão limites diferenciados.

Colaborou Anne Dias

Glossário  PIX Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar 🔽

Valor Econômico Atualizado em 19.ago.2022 às 06h41
Megaleilão do Tesouro pressiona mercado

Emissão de R$ 16,7 bi em LTNs e NTN-Fs, concentrada em títulos mais longos, resultou em taxas mais altas no mercado de juros

6 min
Redação IF Atualizado em 17.ago.2022 às 19h13
‘Lula ou Bolsonaro eleito tendem a beneficiar Bolsa, mas via ações diferentes’, diz Claudio Deulbrueck, da Solana Capital

Segundo o gestor de fundos, se o exterior não atrapalhar, o pós-eleições no Brasil tende a disparar um gatilho positivo para a Bolsa

4 min
Itaú Meu Negócio