NY: Em dia volátil, bolsas fecham em alta com inflação e política do Fed no centro das atenções

Há a expectativa de que o Federal Reserve possa desacelerar o ritmo de aperto monetário à frente

Os mercados acionários americanos encerraram o pregão desta terça-feira em alta, em um movimento apoiado pela inflação ao produtor (Índice de Preços ao Produtor ou PPI, na sigla em inglês) mais branda que o apontado pelo consenso nos Estados Unidos. A expectativa de que o Federal Reserve (Fed) possa desacelerar o ritmo de aperto monetário à frente deu apoio às bolsas em Nova York, especialmente às “big techs”, que foram duramente afetadas pelo aumento dos juros de longo prazo.

O PPI divulgado nesta terça é um indicador de inflação que mede a variação nos preços médios recebidos pelos produtores nacionais de bens e serviços. O PPI mede variação de preços a partir da perspectiva do vendedor.

O índice registrou alta de 0,2% na passagem de setembro para outubro, um resultado que ficou abaixo do esperado pelos analistas de mercado, cuja projeção consensual indicava um aumento mais forte, de 0,4% no mês. No acumulado em 12 meses, o PPI desacelerou de 8,5% em setembro para 8,0% em outubro, nível também abaixo do esperado.

Após a divulgação do indicador, os contratos futuros dos Fed funds, seguiram sinalizando uma probabilidade maior, de 85,4%, de um aperto monetário menos agressivo, de 0,50 ponto percentual, enquanto um aperto mais agressivo, de 0,75 ponto percentual, tem probabilidade de 14,6%, de acordo com dados do CME Group.

Com isso, o mercado reagiu com otimismo. O Dow Jones Industrial Average encerrou o dia com alta de 56,22 pontos, ou 0,17%, em 33.592,92. O S&P 500 avançou 0,87%, para 3.991,73, e o Nasdaq Composite, de alta tecnologia, ganhou 1,45%, fechando em 11.358,41.

Embora os três indicadores tenham encerrado o pregão com ganhos, o dia foi marcado pela volatilidade nas bolsas em Nova York. Ao longo da tarde, em alguns momentos, o índice Dow Jones exibiu sinal negativo, na medida em que os riscos geopolíticos e relacionados aos criptoativos pesaram no humor dos agentes financeiros.

Nesta terça, os advogados da plataforma de criptomoedas FTX comunicaram que pode haver mais de 1 milhão de credores, de acordo com um novo pedido de falência, sugerindo o enorme impacto de seu colapso para os investidores de criptomoedas. Saiba mais em FTX diz que pode ter mais de 1 milhão de credores em novo pedido de falência.

De volta ao pregão, os movimentos mais relevantes, porém, foram vistos no setor de tecnologia, que costuma ser o mais sensível aos juros. Novamente, os rendimentos dos Treasuries se ajustaram em queda firme, na esteira de uma inflação no atacado mais branda que o esperado pelos agentes nos Estados Unidos e de declarações de dirigentes do Federal Reserve (Fed) que apontam para uma redução no ritmo de aperto monetário à frente.

Nos setores de tecnologia e de serviços de comunicação, a ação da Apple subiu 1,19%; a da Microsoft avançou 0,17%; a da Alphabet, controladora do Google, teve alta de 2,86%; e a da Meta Platforms registrou ganho de 2,50%.