Ibovespa fecha em queda de 0,15%; dólar também cai na sessão

Ibovespa começou esta quinta-feira (11) oscilando, mas fechou em queda após dados de inflação; dólar também cai

A bolsa de valores hoje fechou em queda. Da mesma maneira, o dólar caiu e se afastou do patamar dos R$ 4,90, centro de gravidade em torno do qual o câmbio vem oscilando desde o final do ano passado.

Dessa maneira, nesta quinta-feira (11), o Ibovespa fechou em queda de 0,15%, a 130.648,75 pontos, depois de ensaiar alta durante a tarde. O índice fechou a sessão anterior em queda de 0,46%.

O desempenho desta quinta está relacionado à divulgação do índice de inflação do Brasil (IPCA), que veio um pouco acima do esperado. “Com isso, as apostas de corte de juros mais agressivo pelo Copom foram reduzidas”, diz Andre Fernandes, da A7 Capital.

Os investidores também repercutem o índice de inflação dos EUA (CPI). “O dado mais forte da inflação de dezembro evidencia a dificuldade do segundo estágio do processo de desinflação (“last mile”), que depende do arrefecimento da demanda”, avalia a Genial Investimentos em relatório.

Dólar hoje

A moeda norte-americana fechou em queda em relação ao real. O dólar desceu 0,34%, cotado a R$ 4,8752.

Da mesma maneira, no cenário internacional, a moeda norte-americana se desvalorizou ante pares importantes. O DXY, índice que mede o desempenho global do dólar, desceu 0,07%, a 102,29 pontos.

Ações em alta

Veja as ações que mais subiram no dia.

  • Gafisa (GFSA3) +9,18%
  • Eucatex (EUCA4)+6,96%
  • Priner (PRNR3) +5,91%
  • Enjoei (ENJU3) +5,59%
  • Aço Altona (EALT4) +4,42%

Ações em baixa

Confira também os papéis com as piores quedas.

  • MRV (MRVE3) -11,78%
  • Tenda (TEND3) -7,45%
  • Americanas (AMER3) -5,95%
  • Movida (MOVI3) -5,49%
  • Banco Pan (BPAN4) -5,37%

Os rankings contemplam ações que movimentaram mais de R$ 1 milhão no pregão, compondo ou não o Ibovespa e outros índices. As cotações foram apuradas depois do fechamento, às 18h07, mas estão sujeitas a alterações.

Bolsas mundiais: Nova York

Em Nova York, as bolsas fecharam mistas depois de passar boa parte do pregão no negativo por conta dos dados de inflação do país, que vieram mais fortes que o esperado. Com isso, os investidores entenderam que a política de corte de juros pode ser atrapalhada.

Porém, o humor melhorou levemente no final do dia com a queda dos juros. Dessa maneira, Nasdaq fechou estável, em 14.970 pontos. S&P caiu 0,07%, aos 4.780 pontos. E Dow Jones fechou com alta de 0,04% aos 37.711 pontos.

Bolsas mundiais: Europa

As bolsas da Europa fecharam o pregão desta quinta-feira em queda, após a aceleração da taxa anual da inflação ao consumidor (CPI) em dezembro nos Estados Unidos abalar a convicção sobre um ciclo de alívio monetário intenso pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Os dados dos Estados Unidos apagaram o leve ganho visto nos mercados acionários europeus pela manhã. As ações do setor bancário na região acompanharam as pressões sobre papéis similares em Wall Street. Em Londres, o índice referencial terminou a sessão na mínima do dia.

Em Londres, o índice referencial FTSE 100 fechou na mínima intradiária, com perda de 0,98%, aos 7.576,59 pontos. Em Frankfurt, o índice Dax terminou em queda de 0,86%, aos 16.547,03 pontos. Já em Paris, o CAC 40 caiu 0,52%, para 7.387,62 pontos. Já em Milão, o FTSE MIB cedeu 0,66%, a 30.249,16 pontos.

Em Madri, o índice Ibex 35 recuou 0,62%, aos 10.004,90 pontos. A Bolsa de Lisboa perdeu 0,19%, terminando a sessão em 6.589,57 pontos.

IPCA mexe com a bolsa de valores hoje

No Brasil, foi divulgado na manhã desta quinta-feira (11) o IPCA de dezembro e o consolidado de 2023. O índice avançou 0,56% em dezembro após a alta de 0,28% em novembro. Com isso, a inflação oficial brasileira fechou 2023 em 4,62%.

Com relação às expectativas dos agentes financeiros, o IPCA de dezembro ficou acima do esperado. As medianas de estimativas eram de 0,49% para a índice mensal e de 4,55% para a soma em um ano, conforme as Projeções Broadcast.

“Abaixo do teto da meta, mas ainda inspira cuidados”, diz Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master, que ressalta principalmente o aumento da difusão, de 51% para 65%, e o fato de todos os grupos terem apresentado alta dos preços. Ainda assim, o especialista vê os números como positivos.

CPI dos Estados Unidos também impacta Ibovespa

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI) dos EUA aumentou 0,3% em dezembro. Nos últimos 12 meses, o índice de todos os itens aumentou 3,4% antes dos efeitos sazonais. Isso contribuiu para o fechamento negativo da bolsa de valores hoje.

O número veio acima do projetado pelo mercado, que segundo o Estadão Broadcast, previa CPI de 3,2% em 2023.

Já o núcleo do indicador apontou alta de 3,9% na comparação anual até dezembro, um pouco acima da projeção de 3,8%.

Ibovespa precisa se manter acima dos 128 mil pontos para evitar mais perdas

O restante da semana deve ser mais tenso por conta das divulgações de inflação de dezembro e de todo o ano de 2023 para Brasil, EUA e China. Este último país, divulga os dados na próxima madrugada.

 “Consequência disso, os investidores ficam mais prudentes aguardando estimar o comportamento futuro das taxas de juros referente aos resultados do quarto trimestre, e a liquidez fica contraída”, avalia Álvaro Bandeira, coordenador da Comissão de Economia da Apimec.

“No Brasil, se perdermos a faixa dos 128 mil pontos, que é um suporte importante, o mercado pode acelerar mais perdas, e só vai ficar bom mesmo depois que passarmos dos 133 mil pontos”, complementa.

Temporada de balanços nos EUA

Simultaneamente, no exterior, atenção também para a temporada de balanço referente ao quarto trimestre de 2023 e resultados anuais das companhias. Nesse sentido, o destaque fica por conta dos grandes bancos (Bank of America, Citigroup, Wells Fargo, JPMorgan), que divulgam seus números na sexta-feira (12).

Com informações do Dow Jones Newswires e Estadão Conteúdo