Ibovespa fecha em alta de 2,21% e volta aos 130 mil pontos com bancos em destaque

Bolsa de valores hoje sobe enquanto dólar cai com mercado animado com relação aos ativos de risco após ata do Copom; saiba mais

A bolsa de valores hoje fechou em forte alta, enquanto o dólar desceu. Os investidores repercutiram a ata do Copom e as projeções do Boletim Focus. Mas o principal motor da bolsa foi o desempenho do setor financeiro.

Entre as ações que se destacam, está Bradesco, que sobe na véspera da divulgação de resultados.

“Os investidores têm colocado otimismo no papel após a companhia anunciar mudanças na administração que vão além de Marcelo Noronha no cargo de CEO, como a mudança na diretoria e vice-presidência”, ressalta o economista Fabio Louzada.

Além disso, “a ação sobe depois de oferecer R$ 5,35 por ação da Cielo para tirar a empresa da bolsa e comprar, junto ao BB, o total de papeis em circulação”, complementa.

Nesse sentido, o Ibovespa fechou em alta de 2,21%, a 130.416,31 pontos. Simultaneamente, Bradesco (BBDC4) teve avanço de 6,21%, seguido de Itaú (ITUB4), que subiu 4,29%, Banco do Brasil (BBAS3), ganhando 2,16%, e Santander (SANB11), com alta de 2,16%.

No pregão anterior, a bolsa de valores subiu também com bancos – além da Petrobras – em destaque depois de um dia de volatilidade.

Dólar hoje

Por outro lado, a moeda norte-americana recuou em relação ao real. No fechamento, o dólar desceu 0,39%, cotado a R$ 4,9622.

Nesse sentido, o DXY, índice de desempenho global do dólar, desceu 0,22%, a 104,21 pontos.

Ações em alta

Veja os papéis da bolsa que mais subiram.

  • Lupatech (LUPA3) +17,05%
  • Gol (GOLL4) +8,16%
  • Banco Pine (PINE4) +7,39%
  • Natura (NTCO3) +6,79%
  • Oi (OIBR3) +6,45%

Ações em baixa

Cofira também as piores quedas da bolsa

  • Recrusul (RCSL3) -10,40%
  • Gafisa (GFSA3) -6,86%
  • Embraer (EMBR3) -3,83%
  • Espaçolaser (ESPA3) -2,94%
  • Oncoclíncas (ONCO3) -2,23%

Os rankings contemplam ações, que estão ou não no Ibovespa e outros índices da bolsa, que movimentaram mais de R$ 1 milhão no dia. As cotações foram apuradas às 18h12, depois do fechamento. Pode haver atualizações.

Bolsas mundiais: Nova York

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta terça-feira (6), mas sem muito ímpeto, em meio à contínua correção de ações do setor de tecnologia.

Bancos regionais também estiveram entre os destaques negativos, em meio ao tombo de mais de 20% do New York Community Bancorp (NYCB).

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,37%, a 38.521,36 pontos. O S&P 500 avançou 0,23%, a 4.954,23 pontos. O Nasdaq ganhou 0,07%, a 15.609,00 pontos.

Europa

As bolsas europeias fecharam em alta, após dados alemães melhores do que o esperado e sinais de novos estímulos na China.

Em Londres, o FTSE 100 subiu 0,90%, aos 7.681,01 pontos. O DAX, de Frankfurt, avançou 0,76%, para 17.033,24 pontos. Em Paris, o CAC-40 subiu 0,65%, aos 7.638,97 pontos. O índice amplo FTSE MIB, de Milão, terminou o pregão em alta de 0,53%, aos 31.116,75 pontos. Em Madri, o IBEX-35 avançou 0,62%, aos 10.003,20 pontos. Em Lisboa, o PSI-20 ganhou 0,21%, aos 6.236,62 pontos.

Ata do Copom

Na ata do Copom, divulgada nesta terça, em resumo, o Banco Central se mostrou relativamente confortável com a estratégia atual (-50bps). Além disso, mostrou mirar na zona de 9,25%-9,50%.

“Na avaliação atualizada, destaca-se o (crescente) desconforto com as perspectivas do hiato da economia”. A avaliação é de Daniel Cunha, estrategista-chefe da BGC Liquidez.

“Especialmente no mercado de trabalho e os riscos de reajustes salariais acima da meta de inflação, complementa.

A projeção do economista é de mais três cortes de 0,50 p.p e um último de 0,25.

Focus

Boletim Focus  traz poucos ajustes nas projeções dos principais indicadores da economia brasileira.

Entre as mudanças, a previsão do IGP-M no encerramento de 2024 caiu pela terceira semana consecutiva. A taxa esperada para a chamada inflação do aluguel recuou agora de 4,02% para 3,81%.

Simultaneamente, os cenários para o IPCA, para o PIB, para a taxa Selic  e para a cotação do dólar no fim de 2024 permaneceram iguais. Confira todas as projeções do Boletim Focus desta terça aqui.

Balanços também mexem com a bolsa de valores hoje

No âmbito das corporações, o mercado reage positivamente aos resultados do Itaú, “que não só superaram as expectativas, mas também anunciaram dividendos e um plano de recompra de ações”, destaca a Guide.

O lucro recorrente do banco foi de R$ 9,4 bilhões de reais, alta de 22,6% ante mesma etapa do ano anterior. O desempenho veio um pouco acima da previsão média de analistas consultados pela Inteligência Financeira, de R$ 9,288 bilhões para o período.

Além disso, o valor do dividendo extraordinário – amplamente aguardado por investidores e analistas – foi divulgado: total de R$ 11 bilhões.

Com informações do Estadão Conteúdo