Conheça a ação com potencial de render mais que o Tesouro Direto

Para o Itaú BBA, prêmio elevado do papel deverá chamar a atenção dos investidores

Ações da Serena (SRNA3). Está é a principal escolha do Itaú BBA entre as geradoras de energia da bolsa de valores. Em relatório, o banco estima que os papéis da companhia podem render mais que o Tesouro Direto.

“Após dois anos de transformação e com uma nova frente de negócios nos Estados Unidos, a Serena emergiu como nossa principal escolha entre as geradoras.”

“Atualizamos nossa tese de investimento, ao mesmo tempo em que adicionamos o novo negócio de geração distribuída da Serena às nossas estimativas.”

Prêmio elevado

Nesse sentido, o Itaú BBA elevou a recomendação para SRNA3 para “compra”, com preço-alvo de R$ 14,60.

Atualmente, os papéis estão sendo negociados na faixa de R$ 8,80.

Essa melhora tem como base um valuation atrativo e a expectativa de rendimentos elevados no futuro advindos de contratos já firmados.

“Vemos a Serena sendo negociada a uma taxa interna de retorno (TIR) real implícita de 14,5%, em comparação com 6,2% para os títulos do tesouro brasileiro.”

“O que implica em um prêmio elevado que deverá chamar a atenção dos investidores.”

Por que comprar SRNA3

Para o Itaú BBA, a Serena é um porto seguro, no qual os investidores podem atracar e esperar que a tempestade passe.

Embora, na visão do banco, a recente discussão sobre a sobrecontratação estrutural do balanço energético do Brasil tenha sido um grande obstáculo para a maioria das geradoras.

“A empresa tem uma elevada contratação para os próximos 10 anos, com cerca de 93% da sua garantia física contratada a preços atrativos através de contratos de longo prazo.”

Na verdade, frisa o Itaú BBA, a Serena é uma das geradoras menos suscetíveis a alterações nos preços de energia de longo prazo.

“Cada R$ 10/MWh adicionado à nossa premissa de preço de energia de longo prazo (R$ 180/MWh) aumenta nosso preço-alvo para a ação em aproximadamente R$ 0,6/ação (+4%).”

Boa pagadora de dividendos?

Conforme as observações do Itaú BBA, a Serena realizou nos últimos anos os maiores investimentos de sua história. Com cerca de R$ 4,5 bilhões aplicados em novos ativos eólicos no Brasil e no Texas (Estados Unidos).

Logo, com a entrada em operação destes ativos, o banco avalia que a Serena seja uma das principais geradoras de caixa entre os nomes de cobertura dos analistas.

“Esperamos que Serena termine 2024 com alavancagem ajustada de 4,5 vezes, com o índice caindo posteriormente para 3,9 vezes em 2025 e 3,2 vezes em 2026.”

“Dada a desalavancagem bem como a recente melhoria na liquidez da ação, a empresa poderá optar por aumentar o seu payout“.

“(Então) Se tornar uma boa pagadora de dividendos no setor de energia elétrica a partir de 2027.”