BofA recomenda compra de ações do Carrefour e vê potencial de alta de mais de 30%

Ações do Carrefour podem ser beneficiadas pelo impulso robusto que as vendas de hipermercados têm recebido, mesmo com a alta de preços

O Carrefour Brasil reportou vendas robustas no terceiro trimestre, apesar da desaceleração da inflação de alimentos, enquanto a consolidação do Grupo Big pressionou as margens, diz o Bank of America (BofA), em relatório.

Na avaliação dos analistas Robert Aguilar, Melissa Byun e Vinicius Pretto, as vendas mesmas lojas do Atacadão desaceleraram à medida que a inflação de alimentos começou a diminuir, mas o impulso permanece robusto e as vendas de hipermercados aceleraram.

Já as vendas mesmas lojas no varejo cresceram apoiadas por melhorias na precificação e sortimento e recuperação não alimentar. Por outro lado, os empréstimos inadimplentes aumentaram no banco Carrefour, dizem eles.

Ainda segundo os analistas, a integração das operações do Big limitou as margens e pressionou os lucros, mas as conversões iniciais são promissoras, e é esperada alguma reaceleração nas vendas não alimentares de hipermercados.

O Bank of America tem recomendação de compra para as ações do Carrefour Brasil, com preço-alvo de R$ 22, potencial de alta de 34% ante o valor negociado no momento na B3.

Atacadão

O diretor-presidente do Carrefour, Stéphane Maquaire, disse nesta quinta-feira que o grupo Carrefour tem capacidade para expandir o Atacadão para todos os estados e cidades do Brasil, inclusive em São Paulo, onde ainda pode crescer.

Ao falar com analistas durante teleconferência sobre os resultados do trimestre, o executivo explicou que pode ser utilizado o novo conceito de unidades menores, com lojas de 3.500 a 4.500 metros quadrados, “que funcionam muito bem”. Em cidades maiores, acrescentou, como Salvador, pode ser adotado um modelo adicional.

Ao ser questionado sobre o plano estratégico de 2026, que está sendo iniciado no grupo, na França, Maquaire disse que o negócio no Brasil está alinhado e comprometido com as metas que são importantes para o país. Nesse caso, o Carrefour está tentando capturar sinergias da compra do grupo Big e fazendo integrações. “Estamos no mesmo jogo, com temas diferentes”, afirmou.

Em relação à competição, o executivo disse que isso ocorre em todos os países e que não é mais forte para o grupo Big.

Operações financeiras

O Banco Carrefour registrou faturamento total de R$ 13,3 bilhões no terceiro trimestre, com alta de 8,7% em base anual. De acordo com o grupo, a inadimplência foi impactada pelo crescimento em meio à volatilidade.

“Observamos o nível de inadimplência que, infelizmente, não está melhorando. Mas, tampouco está se deteriorando”, disse David Murciano, vice-presidente de finanças e diretor de relações com investidores do Carrefour.

Segundo o executivo, o mercado é volátil e o grupo está analisando a situação e adaptando com a abertura e fechamento de crédito para os clientes. “Isso nos permite antecipar um pouco mais as tendências no trimestre.”

Murciano disse que continuará o processo de ajuste e monitoramento do mercado. “Mas não vamos ter um crescimento muito forte nem muito baixo”, afirmou.

Sam’s Club

O diretor-presidente disse que o Sam’s Club, que atua no modelo de atacado, voltou a crescer durante os primeiros quatro meses após a aquisição do grupo Big. Segundo ele, os primeiros cinco meses de 2022 foram complicados para o formato do Sam’s, com resultado abaixo do ano anterior.

Foram tomadas algumas medidas para a recuperação do atacadista, com renovação de sinergias das equipes e fortalecimento da dinâmica comercial. “Vemos a curva muito positiva para o Sam’s, estamos voltando ao jogo”, disse Maquaire.