Tesouro Direto lança título voltado para mulheres

Lançado em parceria com o Banco do Brasil, o Educa+Mulher começa em R$ 35

Em meados do ano passado, o Tesouro Nacional lançou um novo título do Tesouro Direto, o Educa+, que é uma alternativa de investimento para custear despesa educacional através de títulos públicos de renda fixa. Agora, o Tesouro Nacional em parceria com o Banco do Brasil coloca um novo papel no mercado: o Educa+Mulher.

O que é Educa+Mulher

O Educa+Mulher é para investidoras entre 16 e 75 anos que investirem a partir de R$ 35 em um título do Tesouro Educa+.

Porém, a novidade tem prazo de validade: a aplicação deve acontecer até o dia 29 de fevereiro. E entra na apólice do BB Seguro de Vida Mais Mulher, que é válido por um ano.

O título pode ser comprado pelo aplicativo do Banco do Brasil, no portal investimentos.bb.com.br ou em uma agência do banco.

O objetivo do título é promover a educação financeira, preferencialmente para “mães solo”, para apoiá-las na construção da reserva financeira necessária para subsidiar os estudos de filhos, netos, ou sobrinhos.

Assim, o Educa+Mulher busca proteger quem recebe o benefício, caso ocorra uma perda inesperada da responsável financeira, o que pode comprometer o objetivo de dar sequência nos estudos.

Além das coberturas básicas, o seguro oferece apoio à mulher e até cesta básica em caso de falecimento.

Como surgiu o Tesouro Educa+

Dessa forma, o Educa+Mulher nasceu tendo como base o Tesouro Educa+

Este produto, então, nasceu de estudos dos professores Robert Merton (que ganhou o Prêmio Nobel Economia em 1997) e Arun Muralidhar. Eles introduziram o conceito de SeLFIES, (Standard-of-Living, Forward-starting, Income-only Securities), ou seja, produtos financeiros que facilitam o processo de poupar para um planejamento educacional. Pelo conceito que criaram, esses produtos são acessíveis a qualquer pessoa, que determina quanto quer investir, com baixo custo e baixo risco. Essa foi a inspiração para a criação do Tesouro Educa+.

Educação financeira para mulheres

Neste sentido, as investidoras também receberão gratuitamente conteúdos de educação financeira, como dicas, análises, sugestões e cursos construídos com linguagem descomplicada e, ainda, assessoria humana e digital, através do assistente virtual WhatsApp e de especialistas em investimentos.

Mulheres que investem

O Raio X do Investidor 2023, pesquisa realizada todo ano pela Anbima, mostrou que os homens ainda são a maioria entre os investidores.

Contudo, isso vem mudando.

Só no último ano, houve um crescimento de 6 pontos percentuais na participação das mulheres no mundo dos investimentos.