Vale a pena investir na Petrobras em ano eleitoral?

2022 vai ser agitado para a companhia, que deve ter distribuição robusta de dividendos e foco no pré-sal

Petrobras: como fica as ações da Petrobrás, que é de capital misto, em ano eleitoral? Melhor vender esses papeis? Ou compra mais? Baseado em eleições passadas, o que acostuma acontecer? Depois de novembro, o cenário para elas muda completamente?

Pontos-chave

  • Mudanças na gestão devem impulsionar o papel no ano que vem
  • A grande aposta é que o movimento de volatilidade deve ser menos intenso do que em períodos próximos às eleições, e de curta duração

Com uma renovação na gestão e nova política de distribuição de dividendos, a Petrobras (PETR3, PETR4) chamou ainda mais atenção para si em 2021. Porém, 2022 promete trazer grande tensão política e volatilidade na Bolsa. Conversamos com analistas que acompanham a Petrobras para entender as perspectivas para o papel e saber se vale a pena apostar na estatal de economia mista (já que ela tem capital aberto, mas seu maior acionista é o governo federal).

Os especialistas estão otimistas

Os analistas que acompanham a Petrobras estão otimistas com a empresa para 2022. A perspectiva envolve vários fatores. Um deles é o preço do petróleo, que deve continuar alto enquanto a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) sobe lentamente a oferta da commodity no ano que vem. O preço do dólar também ajuda a geração de caixa da empresa. 

Olhando para dentro da empresa, é possível identificar movimentos que agradam os acionistas. A companhia vem passando por uma reformulação de portfólio, deixando a operação mais enxuta em busca de eficiência. “A Petrobras tem focado muito mais no pré-sal, onde tem ganho operacional e consegue reduzir custos de extração, e se livrado de ativos que não são mais interessantes”, explica Rodrigo Crespi, analista da Guide Investimentos. 

O preço da ação também é fator que gera otimismo, já que os analistas consideram que o papel está barato na comparação com petroleiras de outros países e ao próprio histórico da ação. “Temos um preço-alvo de R$ 40 para o papel, o que implica em uma boa elevação (a cotação hoje está na casa dos R$ 29) em um cenário de inflação global”, diz Bruno Komura, analista da Ouro Preto Investimentos. 

A eleição e o seu bolso 

Se as campanhas para outubro de 2022 vão fazer preço em todo o mercado, as estatais devem sentir um impacto ainda maior. Isso porque é o período em que os candidatos à presidência anunciam seus planos para as companhias como a Petrobras, e o mercado pode ou não gostar do que é dito em campanha. 

Para Bruno Komura, a Petrobras deve sofrer impactos no preço de suas ações, “ainda mais se as declarações partirem do atual presidente ou de algum candidato que tenha chance de vitória”, como o ex-presidente Lula, que lidera as pesquisas de intenção de voto.

Atenção aos dividendos

Porém, o risco de uma queda de preço por causa das eleições pode ser compensado com algo que os investidores adoram: dividendos. A estatal anunciou em novembro uma revisão em sua política de remuneração aos acionistas depois de alcançar sua meta de endividamento. A petroleira estabeleceu uma remuneração anual mínima de US$ 4 bilhões para exercícios que em que o preço médio do petróleo Brent supere US$ 40 por barril. Atualmente, o barril está na casa dos US$ 73. 

Você pode ficar ainda mais animado com o fato de a Petrobras ter decidido se desfazer de ações preferenciais que detém da Braskem (BRKM5), algo que pode aumentar em 31% o volume de dividendos distribuídos em 2022, segundo analistas do Goldman Sachs. Para Crespi, da Guide, “os dividendos podem até compensar os riscos políticos”.

Salvos pela governança?

Já Komura avalia que a melhora na governança da companhia dificulta a intervenção na empresa, um dos maiores temores dos acionistas da Petrobras, principalmente por episódios envolvendo o presidente Jair Bolsonaro e o preço dos combustíveis. “No fim, o movimento de volatilidade deve ser menos intenso do que em períodos próximos a eleições, e de curta duração”, diz o analista da Ouro Preto. 


Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação

Você também pode gostar
Valor Econômico Atualizado em 16.maio.2022 às 20h10
Magazine Luiza reverte lucro e tem prejuízo de R$ 161,3 milhões no primeiro trimestre

Rede afirma que o resultado reflete o aumento de despesas financeiras no período

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 20h04
Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 19h58
Twitter tem sétimo dia de queda e recua 8,2% em NY em meio a incertezas de aquisição

Elon Musk disse que as negociações estão suspensas até ter mais dados sobre a atuação de contas falsas na plataforma

Diogo Rodriguez Publicado em 16.maio.2022 às 17h04 Duração 1 min.
O que é investir? Basicamente, é emprestar dinheiro

A gente ouve falar muito em investimentos. Mas o que é investir? O que significa esse ato? Veja mais no Me Explica na IF

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h25
Ações da Infracommerce têm forte queda após notícia de demissões na empresa

Os desligamentos teriam ocorrido por conta de 'mudanças no orçamento'