Se você investe fora do Brasil, atenção: aqui temos os juros reais mais altos do mundo

É por essa taxa que investidores comparam a renda fixa entre os países

Empréstimos, juros, crédito privado
– Ilustração: Inteligência Financeira

Pontos-chave

  • Juros reais brasileiros são de 8,52% ao ano; taxa mexicana é de 4,20%

Líder do ranking mundial de juros reais desde maio, o Brasil vem ganhando distância do México, segundo colocado no levantamento compilado pelo MoneYou e pela Infinity Asset Management. Com a nova alta da Selic na quarta-feira (3), para 13,75%, os juros reais, ou seja, descontada a inflação, atingiram 8,52% ao ano. Isso é mais do dobro da taxa mexicana, de 4,20%, que vem em segundo lugar.

O que é o juro real?

O juro real é bastante usado por investidores internacionais, porque ele mostra o quanto um aporte em renda fixa renderia acima da inflação em um determinado país. Essa taxa é calculada com abatimento da inflação prevista para os próximos 12 meses, sendo considerada uma medida melhor para comparação com outros países.

Veja na tabela abaixa a tabela que mostra a quantas andam os juros reais nos países – e a triste liderança brasileira.

Juros nominais: como fica a taxa considerando a inflação

Considerando os juros nominais (sem descontar a inflação), a taxa brasileira se manteve na terceira posição, mas quase alcançando a taxa da Turquia, de 14% – país onde a inflação anual chegou a quase 80% em julho. Veja abaixo:

  • Argentina: 60%
  • Turquia: 14%
  • Brasil: 13,75%
  • Hungria: 10,75%
  • Chile: 9,75%
  • Colômbia: 9%
  • Rússia: 8%
  • México: 7,75%
  • República Checa: 7%
  • Polônia: 6,50%
  • África do Sul: 5,50%
  • Índia: 5,40%
  • China: 4,35%
  • Indonésia: 3,50%
  • Filipinas: 3,25%
  • Hong Kong: 2,75%
  • Nova Zelândia: 2,50%
  • Canadá: 2,50%
  • Taiwan: 1,50%
  • Malásia: 2,25%
  • Coreia do Sul: 2,25%
  • Austrália: 1,85%
  • Cingapura: 1,56%
  • Tailândia: 1,37%
  • Reino Unido: 1,25%
  • Israel: 1,25%
  • Estados Unidos: 1%
  • Suécia: 0,75%
  • Alemanha: 0,50%
  • Áustria: 0,50%
  • Bélgica: 0,50%
  • Espanha: 0,50%
  • França: 0,50%
  • Grécia: 0,50%
  • Holanda: 0,50%
  • Itália: 0,50%
  • Portugal: 0,50%
  • Japão: -0,10%
  • Dinamarca: -0,10%
  • Suíça: -0,75%

Com conteúdo do portal g1